G1 Mundo

A caminho do encontro do G20 no Brasil, Serguei Lavrov, da Rússia, visita Cuba e Venezuela

today20 de fevereiro de 2024 4

Fundo
share close

Nesta segunda-feira (19), ele esteve em Havana, em Cuba, e aproveitou para criticar a hegemonia e o domínio que os Estados Unidos e outras nações do Ocidente tentam impor na ordem internacional.

Lavrov encontrou-se com o ministro de Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez. Havia previsão Lavrov de uma reunião com o presidente Miguel Díaz-Canel, e na terça-feira, uma viagem à Venezuela e posteriormente ao Brasil.

Aproximação entre Rússia e Cuba



Esta é a segunda visita do ministro russo à ilha em menos de um ano, após uma aproximação entre os presidentes dos dois países, Díaz-Canel e Vladimir Putin, a partir de novembro de 2022.

No relançamento de relações, no ano passado, ambos países firmaram diversos acordos em diferentes setores, o que suscitou frequentes visitas de altos funcionários russos e cubanos.

O comércio bilateral aumentou nove vezes em 2023 em relação a 2022, quando as trocas comerciais entre Cuba e Rússia alcançaram os US$ 450 milhões (US$ 2,3 bilhões na cotação da época), segundo números oficiais russos.

Cuba vive a pior crise econômica em três décadas, com escassez de produtos e uma espiral inflacionária, acentuadas pelas debilidades estruturais de sua economia.

Em abril, Lavrov agradeceu a Cuba por sua “compreensão” na guerra contra a Ucrânia. Enquanto a ilha tem mantido uma postura neutra, com apelos para uma saída negociada do conflito, também se negou a condenar a ofensiva.

Os dois países foram sancionados pelos EUA. Cuba chegou a viver um momento de distensão com os americanos, durante o governo de Barack Obama (2009-2017). No entanto, quando Donald Trump assumiu, ele endureceu o embargo que o governo dos EUA mantêm contra Cuba há mais de seis décadas, e a atual gestão, de Joe Biden, não mudou essa política.

Os EUA impuseram sanções contra a Rússia após a invasão da Ucrânia, em fevereiro de 2022.

Começam os preparativos para o G20, que acontece no Rio, em novembro

Começam os preparativos para o G20, que acontece no Rio, em novembro

Lavrov, o chefe da diplomacia russa, disse que os meios aos quais os representantes americanos e de outros países ocidentais recorrem para exercer sua hegemonia “não incluem a diplomacia, mas sim a chantagem, os ultimatos, as ameaças, o uso da força militar bruta e das sanções”.

Cuba “conhece de primeira mão o que é uma pressão ilegal, um embargo total, que os EUA defendem sozinhos como um curso de ação legítimo”, afirmou Lavrov.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

morte-de-navalny:-como-a-repressao-faz-parte-de-um-dos-pilares-do-regime-de-putin-na-russia

G1 Mundo

Morte de Navalny: como a repressão faz parte de um dos pilares do regime de Putin na Rússia

A mulher de Navalny, Yulia Navalnaya, disse não acreditar totalmente na morte do marido. EUA e União Europeia culpam o governo Putin. "A repressão, aqui, a gente inclui repressão a intelectuais, a jornalistas, ativistas de direitos humanos, opositores políticos. Tanto uma perseguição criminal, com leis bem draconianas, e também com a execução de opositores políticos", avalia Ferraro. Foto de arquivo mostra Alexei Navalny durante protestos em 29 de fevereiro de […]

today20 de fevereiro de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%