G1 Santos

Advogada de mulher assassinada por ex-marido policial com tiro na cabeça diz que ele ‘quase a matou na porrada’

today4 de maio de 2023 32

Fundo
share close

O policial militar rodoviário atirou em Jéssica e depois tirou a própria vida em frente a um bar no bairro Ocian, em Praia Grande, no último sábado (29) – eles deixam um filho de três anos.

“O principal fator que faz com que uma mulher não procure ajuda é o medo, e a Jéssica tinha muito medo. E não era à toa, quase que ele a matou”

— Amanda Mesquita



De acordo com Amanda, a jovem havia procurado os serviços dela em fevereiro deste ano para entrar com uma ação de divórcio. Na ocasião, também foi registrado um BO por violência doméstica, ameaça, perseguição e injúria [ofender a honra e a dignidade].

“Ela tinha levado uma surra. Ele tinha batido muito nela. Ele quase a matou na porrada. Por conta disso, conseguimos a medida protetiva. Ele foi intimado em fevereiro e teve ciência da medida”, afirmou a advogada.

Segundo Amanda, quatro dias após Roberto ter ciência sobre a medida protetiva, em 17 de fevereiro, a Jéssica enviou uma mensagem dizendo que queria interromper o processo de divórcio.

No texto enviado por aplicativo de mensagens a vítima disse que havia conversado com o ex e com a família dela. Todos teriam decidido por uma separação de forma amigável, com o auxílio do advogado do sindicato que Roberto era associado. [veja a mensagem abaixo]

‘Ele quase a matou na porrada’, diz advogada de vítima morta pelo ex com um tiro na cabeça em Praia Grande — Foto: Arquivo pessoal

“A Jessica tinha muito medo dele [de Roberto], muito mesmo. Tanto que ela não saia nas fotos com o atual namorado. Ela tinha muito medo e entrava em pânico em sair nas fotos. Ela foi ao meu escritório para poder assinar o distrato [rescisão do contrato] e me contou que o comandante da polícia tinha ligado para ela, mas ela tinha medo de prejudicar o Roberto no trabalho, pois ele sempre foi muito violento”, relatou.

A advogada ressaltou que Jéssica teria saído de casa por conta da ‘surra’ que levou em fevereiro. Na ocasião, de acordo com Amanda, a vítima teria relatado que Roberto a aplicou uma ‘chave de braço’.

“Eu não sei o que ele falou para ela [para interromper o processo de divórcio]. A questão é que eles estavam juntos há mais de dez anos, e nunca foi um relacionamento tranquilo, sempre foi um relacionamento de violência”, afirmou Amanda.

‘Abalado’ com a separação

“Ele [o Roberto] estava emocionalmente muito abalado com a situação e estava usando de subterfúgio [pretexto] para se aproximar dela”, disse a pessoa próxima à família de Jéssica, que preferiu não se identificar.

Ainda de acordo com a pessoa próxima à família de Jéssica, o filho do casal deve ficar sob a guarda da irmã da vítima, que também é madrinha da criança.

O g1 foi informado também que há um posicionamento de familiares de Jéssica para que a situação seja noticiada como um ‘alerta’ para eventuais casos futuros. As famílias de Jéssica e Roberto, por sua vez, não desejam se posicionar sobre o ocorrido.

De acordo com o boletim de ocorrências, o policial foi até o endereço do atual namorado de Jéssica e, assim que o casal deixou o imóvel, parou o carro ao lado do namorado e começou a socá-lo no rosto.

O rapaz conseguiu imobilizar Roberto e percebeu que ele estava armado, momento em que tentou pegar a arma. Enquanto a briga se desenvolvia, testemunhas em um bar próximo interromperam a confusão e levaram o namorado para dentro do estabelecimento.

Quando o atual de Jéssica entrou no bar, ele e as demais testemunhas ouviram um disparo e, na sequência, viram o corpo da mulher no chão. Em seguida, Roberto atirou contra a própria cabeça.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e constatou a morte da mulher no local. O policial, no entanto, ainda estava com vida e foi levado ao Hospital Irmã Dulce, mas morreu na unidade de saúde. O caso foi registrado no DP Sede de Praia Grande.

VÍDEOS: g1 em 1 minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

crianca-e-‘esmagada’-por-brinquedo-em-praca-no-litoral-sp:-‘estava-agonizando-de-dor’,-diz-testemunha

G1 Santos

Criança é ‘esmagada’ por brinquedo em praça no litoral SP: ‘estava agonizando de dor’, diz testemunha

Um menino de 7 anos foi 'esmagado' por um brinquedo de uma praça pública em Itanhaém, no litoral de São Paulo. Ao g1, uma testemunha afirmou nesta quinta-feira (4) que este foi o segundo acidente semelhante no local. A prefeitura informou que um balanço foi adaptado para atender Pessoas Com Deficiências (PCDs) e que há avisos para apenas este público use o equipamento. A testemunha, uma moradora de 25 anos […]

today4 de maio de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%