G1 Mundo

África do Sul criou precedente, em 2015, ao desafiar o TPI e receber o ditador do Sudão

today11 de setembro de 2023 7

Fundo
share close

Não é tão simples assim deixar a Corte Internacional: desde 2002, por um decreto assinado pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, o Brasil tornou-se um dos 123 signatários do TPI. A adesão ao Estatuto de Roma foi ratificada pelo Congresso Nacional e está descrita na Constituição brasileira.

Em 2016, ele retirou o país do Estatuto de Roma, alegando que não reconhecia a jurisdição do tribunal.

Desde que invadiu a Ucrânia, há 19 meses, o presidente russo tem evitado viajar. Faltou à reunião do Brics, na África do Sul, e à do G-20, no último fim de semana, na Índia.



A viagem de Putin a Johanesburgo foi mantida sob suspense até as vésperas do encontro de chefes de Estado, em agosto. O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, anunciou, finalmente, que Putin seria substituído pelo chanceler Serguei Lavrov.

Assim como Lula indica agora, Ramaphosa tentou alternativas para receber o presidente russo no país. Mas ficou sem margem para manobra depois que a Aliança Democrática, o principal partido de oposição, recorreu à Justiça para forçar o governo a cumprir um mandado de prisão caso o Putin pisasse em solo sul-africano.

Prender Putin seria uma declaração de guerra à Rússia”, argumentou Ramaphosa ao informar sobre o cancelamento da viagem.

Em 2015, contudo, a África do Sul criou um precedente, desafiando claramente o TPI: sob o governo de Jacob Zuma, recebeu o então ditador do Sudão, Omar al-Bashir, que tinha dois mandados de captura expedidos por crimes contra a Humanidade em Darfur. Ele participou da reunião de cúpula da União Africana, mas o governo de Zuma permitiu que fugisse do país depois que um tribunal local decidiu sobre a sua prisão.

Dois anos depois, os juízes do TPI concluíram que a África do Sul errou em não prender Bashir e desconsideraram o argumento do governo de que o ditador tinha imunidade como chefe de Estado.

Embora o episódio não tenha sido levado ao Conselho de Segurança, como prevê o TPI em caso de violações de países signatários, Zuma decidiu que o país se retiraria da Corte Internacional.

Sua iniciativa, no entanto, foi frustrada pelo Supremo Tribunal sul-africano, que vetou a saída como inconstitucional e inválida por não ter sido aprovada pelo Parlamento.

A África do Sul se manteve na corte e respeitou seus princípios ao não receber Vladimir Putin, oito anos depois.

O episódio serve como exemplo para o presidente brasileiro.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘dia-de-reafirmarmos-a-democracia’,-diz-lula-sobre-50-anos-do-golpe-de-pinochet-no-chile

G1 Mundo

‘Dia de reafirmarmos a democracia’, diz Lula sobre 50 anos do golpe de Pinochet no Chile

Em 11 de setembro de 1973, os militares chilenos deram um golpe que encerrou o governo do então presidente Salvador Allende. "Mais do que recordar os 50 anos do golpe militar no Chile e da morte do Salvador Allende, hoje é dia de reafirmarmos a democracia como valor essencial para os seres humanos. Que sem ela desaparece aquilo que nos faz humanos", publicou Lula (veja a íntegra aqui). Político de […]

today11 de setembro de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%