G1 Mundo

Amigas da mulher que acusa Daniel Alves de estupro confirmam que sofreram importunação sexual

today3 de fevereiro de 2023 29

Fundo
share close

O jogador brasileiro Daniel Alves está preso na Espanha enquanto aguarda um processo em que é acusado de estupro. (veja mais sobre o caso abaixo)

Segundo relato que as duas deram para a polícia espanhola, e que hoje confirmaram perante a juíza do caso, o jogador se aproximou das três com intenção sexual e apalpou as duas amigas, antes de estuprar a suposta vítima no banheiro.

De acordo com a reportagem do jornal “El País”, que também já foi relatado em outros veículos, uma delas disse no depoimento para a polícia que Daniel Alves a tocou violentamente e colocou a mão em suas partes íntimas. A testemunha disse que conseguiu se safar e se afastar do jogador.



Na Espanha, a lei tipifica os crimes sexuais dentro de uma categoria chamada agressão sexual, com diferentes níveis de punição de acordo com a gravidade do crime. O ato de tocar sexualmente uma vítima, que no Brasil é conhecido como importunação sexual, pode ter uma pena de 1 a 4 anos de cadeia. Isso além do caso de estupro que Daniel Alves é acusado, que daria até 15 anos de reclusão.

Defesa de Daniel Alves entrega recurso para jogador deixar prisão

Defesa de Daniel Alves entrega recurso para jogador deixar prisão

A defesa do jogador brasileiro Daniel Alves alega que imagens de vídeo da boate Sutton, onde houve os acontecimentos que o levaram à prisão, podem desfazer os argumentos da vítima do caso, de acordo com reportagens da mídia espanhola.

Na segunda-feira (31), ele apresentou um recurso na Justiça. No texto, seus advogados afirmam que há problemas nos indícios reunidos pela polícia de Barcelona.

Os advogados também ressaltam que o vídeo do salão da discoteca não é totalmente compatível com o relato da vítima, uma mulher de 23 anos. (veja mais sobre o caso abaixo)

Segundo “El País”, o advogado de defesa de Daniel Alves, Cristóbal Martell, o objetivo é levantar dúvidas no relato que façam com que os juízes deem liberdade ao jogador de futebol.

O advogado ainda propôs cumprir uma série de medidas cautelares para que Alves possa responder ao processo em liberdade (por exemplo, o brasileiro se compromete a ir todos os dias ao tribunal, entregar seu passaporte, ficar na Espanha e se manter afastado da vítima, além de usar tornozeleira).

Daniel Alves — Foto: Lucas Figueiredo/CBF

A denúncia foi feita por uma jovem espanhola de 23 anos, que não teve a identidade divulgada. A queixa foi feita em 2 de janeiro, quando as investigações começaram. Ela afirma que foi estuprada por Alves no banheiro de uma boate em Barcelona. Segundo a imprensa espanhola, a jovem chamou o segurança da boate, foi ao hospital e os exames confirmaram o estupro.

No dia 24 de janeiro, um jornal espanhol informou que a jovem estava na boate com uma prima e uma amiga. Uma dessas jovens disse que o jogador botou as mãos em suas partes íntimas (leia mais abaixo).

Entenda o caso, ponto a ponto:

Segundo a denúncia, tudo aconteceu em uma boate de luxo de Barcelona no dia 30 de dezembro. A mulher disse que Daniel a agrediu e estuprou no banheiro da área VIP do local. Ela afirma que foi seguida por Daniel Alves ao ir ao banheiro, que é unissex, por volta das 4h da manhã.

Ela disse que foi forçada por Daniel Alves a sentar no seu colo. Afirma também que, ao resistir, foi jogada no chão, esbofeteada e forçada a fazer sexo oral nele. Imagens da boate mostram que a mulher ficou cerca de 14 minutos no banheiro, enquanto Daniel Alves ficou 16.

Mudanças no depoimento e declarações contraditórias

Quando o caso veio a público, Daniel Alves, ainda solto, negou as acusações e disse que não conhecia a mulher. “Quando você vai ao banheiro não tem que perguntar quem está lá para usar o banheiro. Não sei quem é essa senhorita, nunca a vi”, disse o jogador a uma TV espanhola.

Depois, à juíza do caso, ele afirmou que houve relação, mas consentida. O depoimento de Daniel Alves foi considerado contraditório, enquanto o da mulher foi classificado como sólido.

A Justiça espanhola determinou prisão preventiva e sem fiança para Daniel Alves no dia 20 de janeiro. De início, ele foi levado para uma penitenciária a 25 km de Barcelona. De acordo com a lei espanhola, o jogador pode ficar preso dois anos até o julgamento. Se esse tempo todo passar sem que o caso seja concluído, ele poderá aguardar em liberdade.

Em entrevista ao Jornal Nacional, o advogado Alamiro Velludo, professor de Direito Penal da USP, disse que a Justiça espanhola tende a ser bastante rígida em acusações como essa. “Ou seja, são acusações em que, tradicionalmente, a palavra da vítima é uma palavra muito importante, é uma palavra determinante”, disse Velludo.

De acordo com a juíza responsável pelo caso, a mulher que acusa Daniel Alves afirmou que não quer receber indenização financeira, caso o jogador seja condenado. Segundo o jornal “El País”, a denunciante afirmou que abriu mão do direito a ser indenizada pelas lesões e danos morais sofridos, porque espera que seja feita justiça e que o atleta pague com prisão pelo ocorrido.

Uma tatuagem íntima motivou contradições no depoimento de Daniel Alves. Fontes do jornal “El Mundo” relataram que, em seu depoimento perante a juíza, a mulher disse que viu a tatuagem de uma meia-lua no abdômen de Daneil Alves próxima à cintura quando o jogador tentou forçá-la a fazer sexo oral e ela resistiu. Questionado sobre a tatuagem pela juíza, ele apresentou versões diferentes da história.

Na 1ª versão, Daniel Alves reconheceu ter uma tatuagem de meia-lua no abdômen e disse que foi a jovem que o atacou enquanto ele estava sentado no vaso sanitário.

Ao ouvir o depoimento do jogador, a juíza afirmou que, se o que ele estava dizendo fosse verdade, a vítima nunca poderia ter visto a tatuagem, porque sua camisa estaria tampando o desenho. O jogador, então, se contradisse, apresentando outra versão dos fatos.

Na 2ª versão, o atleta declarou que se levantou quando a jovem entrou no banheiro, o que lhe permitiu ver a tatuagem. Nesta versão, o jogador disse que a relação sexual entre os dois foi consentida.

Por questões de segurança, Daniel Alves foi transferido de prisão nesta segunda-feira (23). O jogador foi enviado ao presídio de Brians 2, a cerca de 40 quilômetros de Barcelona, para evitar risco à sua integridade física. Segundo a Secretaria de Justiça do governo da Catalunha, não houve nenhuma ameaça, e a transferência é preventiva.

Brians 2, que fica no mesmo complexo onde o brasileiro já estava desde sexta-feira (20), tem menos presidiários, a maioria já condenada. Segundo o jornal catalão “La Vanguardia”, ele ficará em uma cela individual com banheiro.

Em busca de uma nova estratégia de defesa, Daniel Alves contratou um dos advogados penalistas mais conhecidos da Espanha. Cristóbal Martell passou a integrar nesta terça-feira (24) a defesa do jogador e prepara um recurso que deve ser apresentado ainda nesta terça à Justiça local pedindo que ele responda pelo caso em liberdade.

Martell é conhecido por conseguir acordos judiciais e ter defendido casos famosos e midiáticos na Espanha, como o do jogador argentino Lionel Messi, acusado de fraude fiscal quando jogava no Barcelona.

Messi acabou condenado a 21 meses de prisão no caso, mas não cumpriu pena por uma brecha na lei espanhola, que permite liberdade a condenados a menos de dois anos de prisão sem antecedentes criminais.

Nova lei sobre violência sexual

Um dos grandes desafios da defesa de Daniel Alves é a nova lei contra a violência sexual aprovada na Espanha no fim do ano passado.

Conhecida como “Solo sí es sí” (“Apenas sim quer dizer sim”, em tradução livre), a nova medida é focada no consentimento explícito da vítima, o que, neste caso, não foi feita, segundo a acusação.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

o-mafioso-italiano-foragido-ha-16-anos-preso-trabalhando-como-pizzaiolo 

G1 Mundo

O mafioso italiano foragido há 16 anos preso trabalhando como pizzaiolo 

Edgardo Greco foi preso na cidade francesa de Saint-Étienne, na região central do país. Sua prisão por autoridades italianas ocorre semanas depois da de Matteo Messina Denaro, outro conhecido mafioso cujo paradeiro não era conhecido havia 30 anos; ele foi preso quando deu entrada numa clínica na Sicília, no sul da Itália. Ambos os homens eram procurados por assassinatos que chocaram os italianos na década de 1990. Forças de segurança […]

today3 de fevereiro de 2023 18

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%