G1 Mundo

ANTES E DEPOIS: imagens de satélite mostram que cemitério de mercenários de Putin não para de crescer

today31 de janeiro de 2023 23

Fundo
share close

ANTES E DEPOIS: veja abaixo fotos de satélite do cemitério do Grupo Wagner em novembro de 2021 e janeiro de 2023

Imagem Maxar Technologies/Reuters Imagem Maxar Technologies/Reuters

— Foto 1: Maxar Technologies/Reuters — Foto 2: Maxar Technologies/Reuters



No final do verão passado, um terreno próximo a uma pequena comunidade agrícola no sul da Rússia começou a ser preenchido por covas de combatentes mortos na Ucrânia. Os locais de descanso eram adornados com cruzes simples de madeira e coroas de flores coloridas que traziam a insígnia do Grupo Wagner da Rússia — um temido e secreto exército privado.

Havia cerca de 200 túmulos no local nos arredores da vila de Bakinskaya, na região de Krasnodar, quando a Reuters visitou no fim de janeiro. A agência de notícias comparou os nomes de pelo menos 39 dos mortos neste e em três outros cemitérios próximos aos registros do tribunal russo, bancos de dados disponíveis publicamente e contas de redes sociais. A Reuters também conversou com familiares, amigos e advogados de alguns dos mortos.

Muitos dos homens enterrados em Bakinskaya eram condenados recrutados pelo Grupo Wagner em 2022, depois que seu fundador, Yevgeny Prigozhin, prometeu perdão se os prisioneiros sobrevivessem seis meses no front. Eles incluíam assassinos, criminosos de carreira e pessoas com problemas com álcool.

Por meses, o Grupo está envolvido em uma sangrenta batalha para tomar as cidades de Bakhmut e Soledar na região de Donetsk, no leste da Ucrânia. Autoridades ocidentais e ucranianas disseram que estão usando os condenados como bucha de canhão para sobrecarregar as defesas da Ucrânia.

Ao endurecer as sanções contra o Grupo Wager neste mês, o porta-voz da segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, classificou o grupo como “uma organização criminosa que está cometendo atrocidades generalizadas e abusos dos direitos humanos”. Em uma breve resposta aberta ao governo dos Estados Unidos, Prigozhin pediu a Kirby que “esclarecesse qual crime foi cometido” por eles.

Vídeos e fotografias das sepulturas apareceram pela primeira vez em canais de mídia social na região de Krasnodar em dezembro. A Reuters localizou geograficamente essas imagens no cemitério Bakinskaya e revisou a imagens de satélite da Maxar Technologies e da Capella Space.

Os registros mostram que o terreno do Gruopo estava vazio no verão de 2022, tinha três fileiras de sepulturas no final de novembro e estava três quartos cheio no início de janeiro. Praticamente todo o terreno havia sido usado no dia 24 de janeiro.

O ativista local Vitaly Votanovsky, que tirou as primeiras fotos e documentou os soldados mortos na Ucrânia que foram enterrados nos cemitérios da região de Krasnodar, disse à Reuters que observou um caminhão entregando corpos no cemitério. Os coveiros disseram a ele que os corpos vieram da cidade russa de Rostov-on-Don, perto da fronteira da Rússia com a região de Donetsk.

Quando a Reuters visitou o cemitério em janeiro, cercas e câmeras de segurança estavam sendo instaladas ao redor do terreno e outro enterro estava em andamento.

No início de janeiro, a agência de notícias estatal russa RIA Novosti publicou imagens de Prigozhin visitando o cemitério, fazendo o sinal da cruz e colocando flores em um túmulo. Segundo ele, os homens cujos corpos estavam no local haviam expressado desejo de serem enterrados em uma capela do Grupo Wagner, em vez de ter seus corpos devolvidos aos parentes.

O lote em Bakinskaya foi fornecido pelas autoridades locais, disse Prigozhin, depois que a capela ficou sem espaço. Em 2019, a Reuters noticiou a existência de um campo de treinamento do Grupo Wagner na vila de Molkino, a cerca 9 quilômetros de Bakinskaya.

Yevgeny Prigozhin, chefe do Grupo Wagner, tem laços estreitos com o Kremlin — Foto: AP Photo

Dos 39 condenados identificados pela Reuters, 10 foram presos por assassinato ou homicídio culposo, 24 por roubo e dois por lesão corporal grave. Outros crimes incluíam fabricação ou tráfico de drogas e chantagem. Entre os condenados estavam cidadãos da Ucrânia, da Moldávia e da região separatista georgiana da Abkházia, apoiada pela Rússia. Marcações de madeira em seus túmulos em Bakinskaya e em três cemitérios próximos mostram que os homens morreram entre julho e dezembro de 2022, no auge da batalha em Bakhmut.

Um dos mais jovens, enterrado no cemitério próximo de Martanskaya, é Vadim Pushnya. Ele tinha apenas 25 anos quando morreu em 19 de novembro. Pushnya foi preso em 2020 por arrombar garagens, uma cervejaria e uma fábrica de cimento em sua cidade natal, Goryachiy Klyuch, perto da capela Wagner. A data de nascimento no túmulo de Pushnya corresponde à data fornecida em suas contas nas redes sociais e nos registros do tribunal.

O mais velho, Fail Nabiev, estava cumprindo pena de um ano e meio por roubo na Colônia Penal nº 2 da região de Ivanovo, 320 quilômetros a nordeste de Moscou — esta era pelo menos sua segunda passagem na prisão. Ele havia sido condenado em maio de 2022 por um tribunal na cidade turística de Suzdal por roubar um aparador de barbante e uma lixadeira avaliados em um total de 5.500 rublos (aproximadamente R$ 400) de uma garagem. De acordo com sua lápide de madeira, com o brasão de uma lua crescente islâmica, Nabiev morreu em outubro, menos de cinco meses após ser sentenciado. Ele tinha 60 anos.

A esposa de Nabiev, Olga Viktorova, confirmou à Reuters que Nabiev foi morto enquanto servia com o Grupo Wagner na campanha militar na Ucrânia. Ela disse que seu marido estava chegando ao fim de sua pena de prisão e que ele tinha dívidas substanciais de cartão de crédito que ela agora precisava pagar.

Viktorova disse que não sabia que seu marido havia se juntado a Wagner até depois de sua morte. O site de notícias independente russo iStories informou que Prigozhin visitou a Colônia Penal nº 2 para recrutar combatentes em agosto. A Reuters não pôde verificar o relatório de forma independente.

“Ele sempre teve ideias malucas. Um otimista incorrigível. [Ele provavelmente] pensou que faria uma viagem rápida à Ucrânia e ganharia algum dinheiro”, afirmou a esposa do combatente morto.

O Kremlin, o Ministério da Defesa da Rússia e as autoridades penitenciárias russas não responderam às perguntas para este artigo. O governo russo elogiou no passado as “ações corajosas e altruístas” dos combatentes da milícia. O fundador do Grupo, Prigozhin, que também não comentou, disse anteriormente que está dando aos condenados “uma segunda chance na vida”.

Embora a Reuters não tenha conseguido confirmar onde exatamente os homens morreram, a mãe de um deles disse que seu filho foi morto na região de Donetsk. As contas de mídia social de vários outros também indicam que eles estavam em território ucraniano antes de suas mortes.

Recrutados pelo Grupo Wagner

Anteriormente reservados, o Grupo Wagner e Prigozhin assumiram um perfil cada vez mais público desde o início da guerra da Rússia na Ucrânia. No passado, os mercenários foram enviados para a Síria, a Líbia e a República Centro-Africana em apoio aos aliados da Rússia.

Prigozhin, conhecido na Rússia como “chef de Putin” pelos serviços de alimentação contratados pelo Kremlin, negou consistentemente qualquer ligação com os milicianos. Então, em setembro de 2022, ele confirmou que fundou o exército privado, que descreveu como um “grupo de patriotas”.

Esta fotografia sem data entregue pelos militares franceses mostra três mercenários russos, à direita, no norte do Mali. — Foto: French Army via AP

Desde então, Prigozhin visitou repetidamente as linhas de frente no leste da Ucrânia, ao mesmo tempo em que criticou a liderança militar da Rússia e alguns altos funcionários, e liderou pessoalmente uma campanha para recrutar combatentes do extenso sistema penal da Rússia.

De acordo com um relatório publicado pelo Serviço Penitenciário Federal da Rússia, a população das colônias penais da Rússia diminuiu cerca de 8% entre agosto e novembro do ano passado — indo de 353.210 presos para 324.906, a maior queda em mais de uma década. O documento não forneceu motivos para o declínio repentino e acentuado, que coincidiu com o início da campanha de recrutamento do Grupo Wagner na prisão. O Serviço Penitenciário Federal não respondeu a perguntas detalhadas para esta reportagem.

Em dezembro, a Reuters informou que a comunidade de inteligência dos EUA acredita que o Gripo Wagner tinha aproximadamente 40.000 recrutas prisioneiros implantados na Ucrânia, número que representa a grande maioria do pessoal do Grupo.

Em uma mensagem de vídeo de 14 de janeiro, Prigozhin descreveu o Grupo como uma força totalmente independente com suas próprias aeronaves, tanques, foguetes e artilharia.

“É provavelmente o exército mais experiente que existe no mundo hoje”, disse Prigozhin.

Alguns dos condenados identificados pela Reuters eram criminosos violentos que passaram grande parte de suas vidas adultas na prisão ou enfrentavam longas sentenças. Documentos judiciais analisados ​​pela Reuters também retratam homens que lutaram contra problemas com álcool. Os nomes de alguns outros estão em listas de bancos, sugerindo problemas financeiros pessoais.

Suas vidas colocam em foco s realidade da subclasse criminosa da Rússia.

Prigozhin disse em dezembro ao site de notícias russo RBC que está dando aos condenados uma oportunidade de “se redimirem”. Em janeiro, ele apareceu ao lado do primeiro grupo de combatentes a ser perdoado, tendo sobrevivido às passagens pela Ucrânia.

Algumas semanas depois, ele escreveu uma carta aberta ao presidente do parlamento russo, Vyacheslav Volodin, pedindo-lhe que criminalizasse quaisquer ações ou publicações que desacreditassem os mercenário, proibindo a divulgação pública do passado criminoso dos milicianos. Prigozhin escreveu que aqueles “que estão arriscando suas vidas todos os dias e morrendo pela Pátria estão sendo retratados como pessoas de segunda classe, privando-os do direito de se redimir”. Volodin não respondeu ao pedido de comentário da Reuters.

Entre os prisioneiros identificados pela Reuters está Anatoly Bodenkov, de 43 anos. Ele estava cumprindo uma sentença de 16 anos após sua condenação como matador de aluguel, mostram documentos do tribunal. De acordo com uma reportagem local sobre o caso, em 2016 Bodenkov assassinou um corretor de imóveis local na cidade de Kirovo-Chepetsk, no norte, com uma espingarda de cano serrado por 400.000 rublos (aproximadamente R$ 29 mil). A lápide de Bodenkov diz que ele morreu em 27 de novembro de 2022. Não diz onde.

Pessoas em uniforme que reivindicam ser membros do grupo paramilitar Wagner, posam para foto ao lado do chefe do grupo, Evgeni Prigojine, em um local que poderia ser uma mina de sal em Soledar, em 10 de janeiro de 2023 — Foto: CONCORD PRESS SERVICE/REUTERS

Um segundo prisioneiro, Viktor Deshko, 40, foi condenado a 10 anos por assassinato em 2021, de acordo com documentos judiciais e reportagens da mídia local. Bêbado, ele cortou a garganta de uma mulher durante uma discussão sobre dinheiro nas florestas perto da cidade mineira de Shakhty, perto da fronteira com o Donbass controlado pelos russos. Os documentos descrevem Deshko como “uma pessoa agressiva, que abusa do álcool”. Ele estava em liberdade condicional no momento do assassinato, tendo cumprido anteriormente três anos e meio por agressão com arma letal.

Para Bodenkov e Deshko, os nomes completos e datas de nascimento nas lápides correspondiam às mídias sociais e aos registros judiciais. A Reuters não conseguiu entrar em contato com amigos ou familiares dos dois homens, e seus advogados não responderam aos pedidos de comentários.

Um terceiro homem, Vyacheslav Kochas, foi condenado a 18 anos de prisão por um tribunal de São Petersburgo por assassinato e assalto à mão armada em 2020, quando tinha 23 anos. De acordo com documentos judiciais russos, Kochas e outro homem invadiram o apartamento de um conhecido enquanto estavam bêbados em uma tentativa de assalto. Ele espancou o conhecido e uma vítima mulher até deixá-los inconscientes, usando um ferro e um varal de metal. Kochas, então, ateou fogo em uma peça de roupa e a jogou no homem inconsciente. Grande parte do apartamento foi destruída pelas chamas, e o homem sucumbiu aos ferimentos dois dias depois.

Fotografias de Kochas nas redes sociais mostram um homem com cara de bebê. Em algumas, ele está abraçado a uma jovem não identificada. O perfil de Kochas no VKontakte, o equivalente russo no Facebook, agora diz: “Morto no Donbass”. A lápide de Kochas em Bakinskaya indica a data de sua morte em 21 de julho, logo após seu 25º aniversário e nos primeiros dias do avanço da Rússia em direção a Bakhmut.

O advogado de Kochas, Stepan Akimov, descreveu seu ex-cliente como “um cara realmente comum”, que ele disse ter sido condenado injustamente. A última vez que ouviu de Kochas foi uma mensagem de texto depois que seu apelo falhou, agradecendo a Akimov por sua ajuda. O advogado soube pela Reuters que seu ex-cliente havia se juntado ao Grypo Wagner.

“Posso imaginar, dada a extensão de sua sentença e quão jovem ele era, pareceu-lhe uma maneira de ficar livre. Quando um prisioneiro tem uma sentença de dois dígitos, aqui eles estão oferecendo libertação em seis meses. Aparentemente, Vyacheslav pensou que esta oferta era uma saída”, afirmou Akimov.

A Reuters não conseguiu entrar em contato com os parentes sobreviventes de Kochas.

A Rússia tem uma das maiores populações carcerárias per capita do mundo. Mark Galeotti, autor de “The Vory: a supermáfia da Rússia”, um livro sobre as culturas criminosas e prisionais da Rússia, diz que o apelo potencial do Grupo Wagner para os presos é mais amplo do que apenas um pedido de clemência. Servir como milicano, disse ele, oferece orgulho e um senso de propósito para condenados com poucas perspectivas após a libertação, pessoas que passaram algum tempo em uma cultura prisional impregnada de “um forte matiz nacionalista russo”.

“Sim, isso lhe dará a chance de sair da prisão, mas também a chance de realmente ser alguém. Esta é uma maneira pela qual, na verdade, o Grupo Wagner pode atrair pessoas que definitivamente são, ou acreditam ser, marginalizadas, forasteiras, perdedoras de alguma forma no sistema, e lhes dá a chance de pensar em si mesmos como vencedoras”, explicou Galeotti.

Um ucraniano no Grupo Wagner

Pelo menos um dos homens enterrados em Bakinskaya escondeu sua ficha criminal e tempo de prisão de seus entes queridos.

O escritório do grupo Wagner em São Petersburgo — Foto: Reuters

Por mais de meia década depois de se casar e deixar sua cidade natal, Luhansk, no leste da Ucrânia, Svitlana Holyk acreditou que seu irmão, Yury Danilyuk, estava trabalhando em algum lugar no extremo norte da Rússia. Os dois irmãos nascidos na Ucrânia tinham poucos parentes vivos e raramente se falavam depois que procuradores apoiados pela Rússia tomaram sua cidade natal em 2014. Holyk sabia apenas que seu irmão viajava regularmente a trabalho para a cidade fronteiriça russa de Bryansk, a 800 quilômetros de distância.

Mas enquanto Holyk estava construindo uma nova vida na cidade ucraniana de Dnipro, Danilyuk estava usando as redes sociais para se inscrever em grupos pró-Rússia que apoiavam a insurgência separatista de Donbass. Em 2016, após um ano e meio sem contato, Danilyuk disse à irmã que havia se mudado para o norte ártico da Rússia. Ela disse que suas mensagens eram curtas e ele falava pouco sobre sua vida.

“Suspeitei, então, que algo havia acontecido, que ele poderia ter alguns problemas sobre os quais não queria ou não podia falar por algum motivo”, disse ela à Reuters, falando em ucraniano, em um telefonema do Dnipro. A cidade é agora um importante centro logístico para o exército ucraniano que luta no Donbass e um alvo constante de mísseis russos.

Um amigo próximo de Yury Danilyuk falou à Reuters sob condição de anonimato. Ele disse que Danilyuk mentiu para a irmã, a quem amava profundamente, para não perturbá-la com a notícia de sua prisão. Na verdade, ele havia sido condenado em 2016 a nove anos e oito meses de prisão por tráfico de drogas. Os dois homens foram encarcerados juntos na Colônia Penal nº 6 da região de Krasnodar.

O amigo disse que falou com Danilyuk pela última vez em setembro de 2022 e ouviu no final daquele mês por outros presos que ele havia se juntado ao Grupo Wagner. Olga Romanova, ativista pelos direitos dos prisioneiros do grupo de vigilância Rússia Atrás das Grades, disse à Reuters que Yevgeny Prigozhin visitou a Colônia Penal nº 6 para recrutar presos em duas ocasiões distintas. A Reuters não pôde verificar independentemente essas visitas.

O amigo disse que durante seu tempo na prisão, Danilyuk se envolveu com uma facção de prisioneiros que se recusam a cooperar com as autoridades prisionais por princípio – um fenômeno comum no sistema penitenciário da Rússia. Isso significava que Danilyuk perdeu a chance de ser solto antecipadamente por bom comportamento. A fonta também disse que a decisão do amigo de se juntar aos milicianos foi motivada pelo conhecimento de que, de outra forma, ele provavelmente cumpriria integralmente sua longa sentença.

De acordo com seu túmulo, Yury Danilyuk morreu em 30 de novembro de 2022. Ele tinha 28 anos.

A irmã de Danilyuk, Svitlana, disse que não sabia nada sobre a sentença de prisão de seu irmão, serviço com o Grupo Wagner e eventual morte durante a guerra da Rússia contra seu país natal, até ser contatada por jornalistas da Reuters. Holyk disse: “O fato de Yury ter morrido eu soube por você. Reli sua mensagem várias vezes quando você me escreveu. De alguma forma, não pude acreditar”.

O amigo recluso lembrava-se de Danilyuk como um patriota feroz de Donbass, sua terra natal, apaixonado por carros.

“Eu culpo tudo por ele não querer cooperar com as autoridades da prisão. Se ele tivesse concordado, ele estaria vivo. Mas ele recusou, então ele é um tolo”, disse.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘czar-da-fronteira’-acelerara-a-construcao-do-muro-entre-os-eua-e-o-mexico

G1 Mundo

‘Czar da fronteira’ acelerará a construção do muro entre os EUA e o México

O governador do Texas, Greg Abbott, nomeou um "czar da fronteira" nesta segunda-feira (30) para acelerar a construção do muro na fronteira sul dos Estados Unidos com o México, uma resposta à "recusa" do governo Biden em conter a imigração. "É um trabalho de tempo integral, que exige um líder cujo único foco seja responder às políticas de fronteira aberta do presidente Joe Biden", disse Abbott antes de supervisionar a […]

today31 de janeiro de 2023 17

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%