G1 Mundo

Após escândalo, Portugal abole serviço de fronteira; funcionários planejam greve na Páscoa

today7 de abril de 2023 6

Fundo
share close

O governo de Portugal aprovou na quinta-feira (6) a abolição do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que passa por uma crise desde 2020. A Assembleia da República aprovou a extinção da entidade em 2021, mas o processo só foi concluído agora.

A crise da instituição começou há três anos, quando o ucraniano Ihor Homeniuk foi espancado até à morte enquanto estava sob custódia do SEF no aeroporto de Lisboa. Em 2021, três policiais foram condenados a vários anos de prisão pelo assassinato.

Além do escândalo, o SEF tem sido acusado de ineficiência e demora no atendimento. Em diversos casos, migrantes tiveram de esperar anos para serem atendidos.



Os oficiais da instituição, incertos sobre o futuro, pretendiam discutir ações industriais durante uma greve de cinco dias que começaria na quinta-feira. O sindicato, entretanto, suspendeu o primeiro dia de ação para manter as negociações com o governo sobre pacotes de compensação e outras questões. Não ficou claro se a greve continuará a partir desta sexta-feira (7).

Greves anteriores do SEF obrigaram passageiros a esperar horas em filas, e representantes do setor do turismo receiam que uma paralisação durante a Páscoa tenha um impacto significativo no fluxo de entrada e saída do país.

O governo disse na quinta-feira que as funções do SEF, como controles de fronteira e investigações de tráfico de pessoas, serão divididas entre as polícias regulares até que seja criado um novo órgão, a Agência Portuguesa para as Minorias, Migração e Asilo.

“Há uma separação clara, com a polícia de um lado que vai ter a sua função e o órgão que vai representar a visão da política de acolhimento e integração [dos imigrantes]”, disse Ana Catarina Mendes, ministra dos Assuntos Parlamentares.

Haverá um período de transição de seis meses, e os oficiais do SEF vão ajudar a formar os substitutos.

No entanto, grupos de defesa dos migrantes expressaram preocupação com o plano de usar outras forças policiais, anteriormente acusadas de abusos e racismo, para supervisionar as fronteiras do território português.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

trump-indiciado:-o-que-aconteceu-quando-outros-paises-processaram-ex-lideres

G1 Mundo

Trump indiciado: o que aconteceu quando outros países processaram ex-líderes

A lista de países com histórico de ex-líderes que foram presos inclui o Brasil. Antes de seu atual mandato, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) passou 580 dias preso e ficou impedido de disputar a eleição presidencial de 2018. Em 2021, ele teve suas condenações na operação Lava Jato anuladas em 2021 pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Relembre o caso. Confira outros países onde ex-mandatários viraram réus e saiba o […]

today7 de abril de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%