G1 Mundo

Trump indiciado: o que aconteceu quando outros países processaram ex-líderes

today7 de abril de 2023 4

Fundo
share close

A lista de países com histórico de ex-líderes que foram presos inclui o Brasil. Antes de seu atual mandato, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) passou 580 dias preso e ficou impedido de disputar a eleição presidencial de 2018. Em 2021, ele teve suas condenações na operação Lava Jato anuladas em 2021 pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Relembre o caso.

Confira outros países onde ex-mandatários viraram réus e saiba o que aconteceu com eles.

Primeiro-ministro da Itália por quatro mandatos, Silvio Berlusconi já enfrentou vários processos criminais e já afirmou que é “o homem mais perseguido em toda a história do mundo”.



Em 2013, Berlusconi foi condenado por ter pagado para ter relações sexuais com uma menor de idade — caso que ficou conhecido como “bunga bunga”. Após um recurso, ele foi inocentado.

Os promotores do caso alegaram que testemunhas foram subornadas — acusação da qual o ex-primeiro-ministro foi novamente absolvido, em fevereiro deste ano.

Por casos anteriores, Berlusconi cumpriu um ano de serviço comunitário por fraude fiscal em 2012 e foi condenado a um ano de prisão por quebra de confidencialidade, depois de conseguir que uma escuta policial de um de seus rivais políticos vazasse e fosse publicada no jornal.

Ele não cumpriu pena na prisão devido à sua idade.

Berlusconi disse que se tornou alvo de promotores de esquerda de Milão, que buscariam vingança contra ele.

nesta semana, ele foi internado em uma unidade de terapia intensiva (UTI) em Milão por problemas cardiovasculares.

Park Geun-hye chega ao escritório do promotor em Seul — Foto: Kim Hong-ji / AFP Photo

Park Geun-hye foi a primeira mulher presidente da Coreia do Sul e a primeira pessoa eleita democraticamente para o cargo forçada a deixá-lo.

Ela sofreu impeachment em 2017 e posteriormente foi condenada por abuso de poder e coerção por conluio com um amigo próximo, Choi Tae-min, líder pseudocristão apelidado de “o Rasputin coreano”.

Foi descoberto que Choi usou sua conexão com Park para pressionar conglomerados por milhões de dólares em doações.

No entanto, no final de 2021, Park foi perdoada pelo então presidente Moon Jae-in e libertada da prisão.

Nicolas Sarkozy, ex-presidente da França, participa de cerimônia no Arco do Triunfo, em Paris, em 11 de novembro de 2019 — Foto: Ludovic Marin/Pool via AP

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy foi condenado à prisão em 2021, quando recebeu uma sentença de três anos por tentar subornar um juiz.

Dois dos anos de prisão foram suspensos durante o processo, e Sarkozy ainda não cumpriu sua pena depois de apelar da sentença. O julgamento do recurso deve levar anos.

O ex-presidente francês Jacques Chirac também foi considerado culpado por corrupção em 2011. A sentença de dois anos de prisão foi suspensa.

Jacob Zuma, ex-presidente da África do Sul, comparece ao Supremo Tribunal em Pietermaritzburg em 15 de outubro de 2019 — Foto: Michele Spatari/Pool via AP

O ex-presidente Jacob Zuma foi condenado a 15 meses de prisão depois que ele deixou de comparecer a um interrogatório sobre acusações de corrupção durante sua presidência.

Ele se entregou à polícia e foi preso, mas não antes de manifestantes se envolverem em protestos violentos que levaram à morte de mais de 300 pessoas.

Zuma já havia enfrentado outras acusações de corrupção e fraude. Ele foi preso quando já tinha por volta de 70 anos de idade por crimes que ocorreram enquanto foi presidente, de 2009 a 2018.

O ex-primeiro-ministro da Malásia Najib Razak deixa tribunal em Kuala Lumpur, na Malásia — Foto: Mohd Rasfan/AFP

O ex-primeiro-ministro Najib Razak foi condenado a 12 anos de prisão no primeiro de vários processos sobre supostos esquemas multimilionários de corrupção dos quais é acusado de envolvimento. O escândalo sobre um fundo de investimento estatal revelou uma rede global de fraude e corrupção.

Najib nega todas as irregularidades e diz que foi enganado por consultores financeiros — em particular pelo empresário foragido Jho Low.

Razak se declarou inocente dos crimes de quebra de confiança, lavagem de dinheiro e abuso de poder e, após ser condenado, apresentou recurso — rejeitado por um tribunal. Em agosto, ele iniciou sua pena de prisão.

Ehud Olmert em foto de abril de 2010 — Foto: Reuters

O ex-primeiro-ministro de Israel Ehud Olmert foi condenado a 2 anos e 3 meses de prisão por fraude. Ele foi solto no início de 2017.

Desde então, Olmert se aposentou da política, mas foi considerado culpado de difamação em novembro do ano passado por comentários que fez sobre o atual primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

Netanyahu, por sua vez, está atualmente sendo julgado por acusações de suborno, fraude e quebra de confiança.

Tailândia: Yingluck Shinawatra

Ex-premiê da Tailândia Yingluck Shinawatra chega a tribunal em Bangcoc, em setembro de 2015 — Foto: Chaiwat Subprasom/ Reuters

A ex-primeira-ministra tailandesa Yingluck Shinawatra foi acusada de negligência por não ter evitado perdas excessivas e corrupção em um esquema de subsídios ao arroz durante seu mandato.

O governo de Yingluck foi derrubado pelos militares em 2014, e ela sofreu impeachment por causa de seu papel no esquema do arroz um ano depois. Ela defende que o julgamento teve motivação política.

Em agosto de 2017, ela deixou o país secretamente. Depois, Yingluck Shinawatra foi condenada à revelia a cinco anos de prisão.

Yingluck é irmã do ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, que foi deposto pelos militares em 2006.

Jeanine Áñez dá entrevista em La Paz, em 14 de novembro de 2019 — Foto: Marco Bello/Reuters

Jeanine Áñez está cumprindo uma sentença de 10 anos de prisão pelo que os promotores dizem ter sido um golpe para derrubar seu antecessor, Evo Morales.

Morales renunciou e fugiu da Bolívia depois que o chefe do exército pediu que ele renunciasse em meio a protestos por alegações de fraude eleitoral no pleito de 2019. Áñez assumiu como presidente interina.

Mas o partido de Morales ganhou novas eleições no ano seguinte, abrindo caminho para que ele voltasse da Argentina e assumisse a liderança do partido na Bolívia. Seu colega Luis Arce foi eleito presidente.

Áñez disse repetidamente que é vítima de uma vingança política.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

governo-dos-eua-culpa-gestao-trump-por-saida-caotica-de-exercito-americano-do-afeganistao-em-2021

G1 Mundo

Governo dos EUA culpa gestão Trump por saída caótica de exército americano do Afeganistão em 2021

O governo dos Estados Unidos fez uma análise sobre a saída das tropas do Afeganistão, em 2021, e, no texto, afirma que a culpa pela forma caótica que os soldados deixaram o país foi culpa do ex-presidente Donald Trump. Segundo o texto, o atual presidente, Joe Biden, estava severamente limitado pelas ações de seu antecessor. Para a gestão atual, a saída das tropas deveria ter se iniciado antes. O governo […]

today7 de abril de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%