G1 Mundo

Após morte de chefe da Jihad Islâmica, centenas de foguetes são lançados de Gaza

today11 de maio de 2023 10

Fundo
share close

Ali Ghali foi o quarto comandante sênior da Jihad Islâmica morto desde que Israel começou a atacar Gaza nesta semana.

O ataque foi respondido com o lançamento de centenas de foguetes da Faixa de Gaza contra Israel, na pior escalada da violência em meses.

O Egito, tradicional mediador do conflito, trabalha para obter um cessar-fogo que ponha fim à escalada, a mais grave entre grupos armados palestinos em Gaza e Israel desde agosto de 2022.



Por volta das 21h locais, no entanto, houve novos disparos de foguetes a partir de Gaza. “A resistência palestina continua atacando as cidades” israelenses, afirmaram as Brigadas al-Qods, braço armado da Jihad Islâmica.

Estas declarações respondem ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que afirmou em pronunciamento na TV: “Estamos no meio da campanha contra a Jihad Islâmica”.

Desde o primeiro lançamento de foguetes, no começo da tarde, sirenes de alerta soaram nas localidades israelenses em torno da Faixa de Gaza, mas também até Beersheba, no leste, e Tel Aviv, no norte.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse estar “muito preocupado” com a escalada da violência, segundo um porta-voz da instituição, que afirmou que a ONU quer se assegurar “que não haverá mais uma escalada” na região.

A Liga Árabe, que realizou uma reunião extraordinária sobre o tema, condenou “com firmeza os crimes generalizados israelenses”.

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, relatou mais de 400 lançamentos de foguetes a partir de Gaza. “Nenhum civil israelense foi ferido”, afirmou Netanyahu, que pediu às pessoas nas áreas de fronteira com Gaza que permaneçam em abrigos, já que alguns foguetes causaram danos materiais.

A Jihad Islâmica, organização considerada terrorista por Israel, União Europeia e Estados Unidos, tem sido alvo de ataques israelenses desde a véspera.

O grupo havia prometido uma “resposta na mesma escala dos crimes contra” seu povo e seus combatentes, depois que três de seus líderes militares foram mortos em ataques israelenses que deixaram 15 mortos ontem na Faixa de Gaza, entre eles quatro crianças.

O Ministério da saúde palestino em Gaza relatou sete mortes nesta quarta em ataques israelenses, incluindo a de uma menina de 10 anos, cujos restos foram vistos por um jornalista da AFP no hospital Shifa.

Quatro dos mortos hoje eram combatentes da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), segundo o grupo.

O Egito interveio para tentar apaziguar a situação.

“O país tenta facilitar a obtenção de um cessar-fogo”, declarou à AFP um funcionário israelense, que não quis ser identificado. Em Gaza, fontes ligadas ao Hamas e à Jihad Islâmica confirmaram esta iniciativa, assim como uma fonte egípcia.

A Faixa de Gaza, um território palestino empobrecido, tem 2,3 milhões de habitantes. É governada pelo movimento islâmico Hamas desde 2007 e está sob bloqueio de Israel. Desde 2008, foi cenário de várias guerras com Israel.

“As pessoas em Gaza esperam o pior”, disse Monther Abdullah, que vive em Gaza. “Sinto que uma guerra se aproxima. Há tensão e medo, seja aqui ou lá (em Israel)”, declarou o homem, de 50 anos.

Os habitantes da região do enclave palestino se refugiaram em abrigos e as escolas foram fechadas em um raio de 40 quilômetros ao redor do território, segundo a rádio pública israelense.

Amos Guetta, de 58 anos, morador de Askhelon, disse que estava “angustiado e satisfeito por algo ter sido feito para impedir” os disparos de foguetes.

“Estamos preparados para uma possível operação reforçada e ataques intensos em Gaza”, disse o premier Benjamin Netanyahu em reunião com autoridades no sul de Israel.

Na semana passada, foguetes foram disparados entre grupos de Gaza e Israel, após a morte de um líder do movimento islâmico que passou mais de 80 dias em greve de fome em uma penitenciária israelense.

Na Cisjordânia, território ocupado por Israel desde 1967, dois membros do braço armado da Jihad Islâmica foram mortos hoje durante uma incursão de Israel perto de Jenin.

Desde o começo do ano, 132 palestinos, 19 israelenses, um ucraniano e um italiano morreram em atos de violência relacionados ao conflito israelense-palestino, de acordo com um balanço da AFP baseado em fontes oficiais israelenses e palestinas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

brasil-condena-‘violacao’-territorial-da-ucrania,-mas-e-contra-isolamento-da-russia,-diz-chanceler

G1 Mundo

Brasil condena ‘violação’ territorial da Ucrânia, mas é contra isolamento da Rússia, diz chanceler

Mauro Vieira participou de audiência na Comissão de Relações Exteriores do Senado. Ministro afirmou que Brasil não está interessado em 'tomar lados' na guerra, mas em 'preservar canais'. O ministro Mauro Vieira (Relações Exteriores) durante audiência no Senado — Foto: Pedro França/Agência Senado O chanceler deu as declarações durante audiência na Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado. "Com relação ao conflito em curso na Ucrânia, temos buscado manter uma […]

today11 de maio de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%