G1 Mundo

Após terremoto, ajuda não chega para sírios em meio à guerra

today16 de fevereiro de 2023 7

Fundo
share close

Quase uma semana depois que o devastador terremoto de magnitude 7,8 atingiu o norte da Síria e a vizinha Turquia, a ONU reconheceu o fracasso internacional em prover auxílio para as vítimas sírias.

Em Atareb, uma cidade ainda sob poder dos rebeldes depois de anos de confrontos com as tropas do governo, os sobreviventes vasculharam os escombros de suas casas no domingo (12). Recolhendo os restos de suas vidas destruídas, eles procuram formas de se recuperar do mais recente entre os desastres humanitários que se abateram sobre a região, desgastada pela guerra que começou em 2011.

Escavadeiras erguiam o entulho e moradores destruíam as colunas com pás e picaretas para nivelar um prédio demolido.



Dezenas de famílias recém-desabrigadas se reuniram para receber refeições quentes oferecidas por voluntários e pelo governo local de oposição. Um cidadão foi de barraca em barraca para distribuir maços de dinheiro em um abrigo improvisado – o equivalente a cerca de US$18 (R$94) para cada família.

Os sírios estavam fazendo o que aprimoraram ao longo de anos de crise: dependendo uns dos outros para juntar os pedaços e seguir em frente.

“Estamos lambendo nossas próprias feridas”, disse Hekmat Hamoud, que já foi desalojado duas vezes pelo conflito em curso na Síria antes de ficar preso por horas sob os escombros.

O enclave controlado pelos rebeldes no noroeste da Síria, onde mais de 4 milhões de pessoas vêm a custo lidando com ataques aéreos e pobreza crescente, foi atingido em cheio pelo terremoto de 6 de fevereiro.

Segundo a ONU, 6 mil pessoas morreram no território sírio por conta dos tremores, 4,4 mil no noroeste controlado pelos rebeldes. Esse número é maior do que o relatado pelas autoridades do governo em Damasco e pela defesa civil no noroeste, que registraram 1.414 e 2.274 mortes, respectivamente.

Muitas das pessoas na região já haviam sido deslocadas pelo conflito existente, e moravam em assentamentos lotados de barracas ou em edifícios comprometidos por bombardeios anteriores. Agora, os tremores desalojaram muitas outras pela segunda vez, obrigando algumas a dormirem sob os olivais em pleno inverno.

“Perdi tudo”, disse Fares Ahmed Abdo, de 25 anos, pai de dois filhos, que sobreviveu ao terremoto. Sua casa nova e a oficina onde trabalhava consertando motocicletas foram destruídas. Mais uma vez praticamente sem abrigo, e também sem energia elétrica, nem banheiros, ele, sua esposa, os dois meninos e sua mãe doente estão amontoados em uma pequena barraca.

“Aguardo qualquer ajuda”, afirmou.

“Até agora, falhamos com as pessoas do noroeste da Síria”

Ao visitar a fronteira entre Turquia e Síria no domingo, o subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários, Martin Griffiths, reconheceu em uma declaração que os sírios ficaram “esperando uma ajuda internacional que não veio”.

“Até agora, falhamos com as pessoas do noroeste da Síria. Elas se sentem abandonadas, e com razão”, disse. “Meu dever e nossa obrigação é corrigir essa falha o mais rápido possível.”

O noroeste da Síria depende quase inteiramente de ajuda humanitária para sobreviver, mas a assistência internacional pós-terremoto vem demorando a chegar na região. O primeiro comboio da ONU, vindo da Turquia, chegou na quinta-feira (9) – três dias depois do terremoto.

Antes disso, a única carga que vinha atravessando a passagem Bab al-Hawa na fronteira entre Síria e Turquia era um fluxo constante de corpos de vítimas do terremoto voltando para casa para serem velados: refugiados sírios que haviam fugido da guerra em seu país e se instalado na Turquia, mas morreram no desastre.

Voluntários distribuem pão e outros alimentos para aqueles que perderam suas casas em um acampamento em Killi, Síria, domingo, 12 de fevereiro de 2023. — Foto: Foto AP/Hussein Malla

A ajuda turca enviada à Síria pela ONU só está autorizada a entrar pela passagem de Bab al-Hawa, e a logística foi complicada pela pressão nas estradas, muitas delas destruídas pelo terremoto. Embora, tecnicamente, a ajuda internacional também possa ser enviada das áreas controladas pelo governo sírio para as áreas controladas pelos rebeldes no noroeste, esse trajeto tem seus próprios obstáculos e representaria um volume mínimo.

Críticos do presidente Bashar al-Assad dizem que a ajuda canalizada pelas áreas controladas pelo governo na Síria enfrenta burocracia e o risco de que as autoridades se apropriem indevidamente ou desviem a carga para apoiar pessoas próximas ao governo.

Um comboio levando ajuda da ONU que no domingo deveria atravessar da região controlada pelo governo para Idlib, controlada pelos rebeldes, foi cancelado, porque sua entrada foi impedida pelos rebeldes do Hayat Tahrir al-Sham, ligado à al-Qaeda, que domina a área. Um braço administrativo do grupo deu uma declaração se recusando a receber assistência de regiões do governo.

Enquanto isso, partes do norte da Síria são controladas por diversos grupos que às vezes entram em conflito, dificultando ainda mais a chegada de auxílio. Por exemplo, rebeldes apoiados pela Turquia impediram que comboios de ajuda humanitária enviados por grupos curdos rivais de regiões vizinhas, apoiados pelos Estados Unidos, chegassem às vítimas do terremoto.

“Estamos tentando dizer a todos, deixem a política de lado. É hora de nos unirmos em um esforço comum para oferecer apoio ao povo sírio”, disse Geir Pedersen, enviado especial das Nações Unidas para a Síria.

Na ONU, a enviada dos EUA, Linda Thomas-Greenfield, convocou uma votação urgente do Conselho de Segurança para autorizar a abertura de novos pontos de travessia de fronteira para o noroeste da Síria.

“As pessoas nas áreas atingidas estão contando conosco”, declarou ela. “Estão recorrendo à nossa humanidade compartilhada para ajudá-las em um momento de necessidade. Não podemos decepcioná-las.”

Embora a ajuda esteja demorando a chegar ao noroeste, vários países que haviam cortado relações com Damasco durante a guerra civil na Síria enviaram ajuda às áreas controladas pelo governo. Países árabes como o Egito e os Emirados Árabes Unidos estão colaborando. O ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes visitou Damasco e se reuniu com Assad no domingo.

“Não temos mais esperança”

Raed al-Saleh, líder dos Capacetes Brancos, um grupo de defesa civil que opera no noroeste sírio, considerou que a visita de Griffith foi “tarde demais”. Ele disse que os pedidos de auxílio internacional pelas equipes locais de resgate foram ignorados por dias, “e durante esse tempo, inúmeras vidas foram desnecessariamente perdidas”.

Al-Saleh se reuniu com Griffiths para solicitar a abertura de rotas adicionais de travessia de fronteiras para que a ajuda humanitária possa entrar sem aguardar autorização do Conselho de Segurança da ONU.

Abdel-Haseeb Abdel-Raheem vasculhava os escombros do prédio destruído de quatro andares onde morava sua tia, na cidade de Atareb, da província de Alepo, ao norte, controlada pela oposição. Ele havia retirado dos escombros os corpos de sua tia e do marido, horas após o terremoto. Retornava agora para buscar objetos de valor, usando as mãos e mergulhando o corpo nos escombros do prédio destruído para puxar cobertores e travesseiros, além de algumas roupas.

O homem de 34 anos disse não ter a ilusão de que a assistência humanitária vá resolver seus problemas.

“Não temos mais esperança”, disse.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

terremoto-na-turquia:-a-adolescente-resgatada-apos-10-dias-sob-escombros

G1 Mundo

Terremoto na Turquia: a adolescente resgatada após 10 dias sob escombros

Aleyna Olmez, de 17 anos, foi retirada dos escombros em Kahramanmaraş, uma cidade do sul do país e próxima do epicentro do tremor. “Nunca vamos esquecer vocês”, disse o tio da garota, chorando, e abraçando os socorristas. Aleyna sobreviveu por 10 dias, ferida e com um clima bastante frio. Mas resgates como o dela estão se tornando cada vez mais raros. O terremoto de magnitude 7.8 matou mais de 41 […]

today16 de fevereiro de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%