G1 Mundo

“Atacam civis e ninguém está ligando”, afirma palestino em Nablus após nova ofensiva israelense

today22 de fevereiro de 2023 8

Fundo
share close

Pelo menos dez palestinos morreram e dezenas ficaram feridos vítimas de um ataque militar das forças israelenses nesta quarta-feira (22) em Nablus, no norte da Cisjordânia ocupada. Nos últimos meses, as tropas de Israel aumentaram operações apresentadas como “antiterroristas” para procurar “suspeitos” nos territórios palestinos.

O ataque aconteceu no centro de Nablus, cidade considerada, junto com Jenin, um dos principais bastiões palestinos. Os disparos visam uma zona urbana, densamente povoada. Segundo os primeiros relatos, pelo menos 80 pessoas foram levadas para os hospitais da região.

“Ninguém liga para os civis”, desabafa o palestino Salem Hantoli, enquanto tenta se proteger no hotel onde trabalha.



“Dezenas de tanques israelenses entraram em Nablus. Eles dispararam dois foguetes contra uma casa e estão cercando o local. De onde estou, ouço os embates e os tiros”, conta.

“É muito raro ver uma operação dessas, organizada pelas forças especiais israelenses, em plena luz do dia”, explica.

Salem Hantoli critica a falta de ação da comunidade internacional diante desse tipo de ofensiva.

“Ninguém está ligando. Dez palestinos podem morrer diariamente e isso não é visto como um problema para ninguém. Há muitos de nós nesta terra. Nossa mera presença aqui é um erro”, afirma.

O Exército israelense anunciou pouco antes das 10h30 (5h30 de Brasília) a operação em Nablus, mas não revelou detalhes. Correspondentes das agências de notícias confirmaram ter visto soldados israelenses lançar granadas de gás lacrimogêneo contra jovens palestinos.

Segundo testemunhos dos moradores, a cidade está parcialmente sitiada. Jovens palestinos tentam bloquear o avanço dos israelenses. Pneus foram incendiados e objetos lançados contra os soldados.

Desde o início do ano, o conflito palestino-israelense provocou as mortes de 53 palestinos – 35 apenas em janeiro – na Cisjordânia.

“Impedir mais violência é uma prioridade urgente”, afirmou na segunda-feira (20) Tor Wennesland, mediador da ONU para o Oriente Médio.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

justica-da-coreia-do-sul-reconhece-direitos-de-casais-homoafetivos

G1 Mundo

Justiça da Coreia do Sul reconhece direitos de casais homoafetivos

A Justiça da Coreia do Sul decidiu, na terça-feira (21), reconhecer pela primeira vez os direitos de um casal homoafetivo. Ativistas afirmam que o veredicto é uma grande vitória para a comunidade LGBTQIA+. Agora, o Supremo Tribunal do país vai tomar uma decisão final. O processo foi movido por um casal de homens, So Seong-wook e Kim Yong-min, que moram juntos e realizaram uma cerimônia de casamento em 2019. A […]

today22 de fevereiro de 2023 15

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%