G1 Mundo

Até que ponto funcionou o acordo de grãos Ucrânia-Rússia?

today20 de março de 2023 11

Fundo
share close

Como advertiram especialistas em segurança alimentar, essa estratégia era potencialmente catastrófica para os países mais pobres, por gerar escassez de grãos e consequente aumento de preços. Em julho, por fim, Kiev e Moscou firmaram um acordo a respeito, sob mediação da Turquia e da Organização das Nações Unidas.

A Iniciativa dos Grãos do Mar Negro tem sido basicamente respeitada, apesar de alguns percalços, como as ameaças russas de se retirar. Em 18 de março, ela expirou, e negociações para renová-la estão em curso. Poucos dias antes, Moscou declarou-se disposto a estendê-la por mais 60 dias – a metade do prazo acordado na última prorrogação, em novembro – alegando restrições a suas próprias exportações agrícolas.

Embora as vendas de alimentos russos não tenham sido diretamente penalizadas, as autoridades do país invasor afirmam que sanções secundárias à logística e segurança dificultaram suas atividades exportadoras, e há meses têm expressado descontentamento a respeito.



William Moseley, membro do Painel da ONU de Peritos de Alto Nível em Segurança Alimentar e Nutrição (HLPE-FSN, na sigla em inglês), rebate em parte tais alegações: de fato, sob o acordo a Rússia tem tido dificuldades para exportar fertilizantes. Por outra lado, suas vendas de trigo duplicaram, sugerindo que o país está indo “muito bem”.

Essa avaliação evidencia como é complexo analisar a Iniciativa do Mar Negro, oito meses após sua entrada em vigor. No início de março, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que o pacto “contribuiu para reduzir o custo global dos alimentos, proporcionando alívio crítico”. Para o diretor do Programa Alimentar Mundial (WFP), David Beasley, é “crítico” renová-lo.

O presidente do HLPE-FSN, Bernard Lehmann, confirma que o pacto sobre os grãos teve efeito significativo para minorar a fome tanto em partes do norte e leste da África, como no Oriente Médio e Ásia.

“Sem o acordo, teria ocorrido escassez desse artigo de importação, e os preços teriam subido ainda mais, tornando a compra de trigo muito, muito cara para esses países. Então, no geral, ele acalmou o mercado, e esses países se beneficiaram.”

Moseley descreve a iniciativa como “um sucesso confirmado”, que contribuiu para uma redução de 8% dos preços internacionais dos cereais e permitiu à Ucrânia ampliar sua capacidade de armazenamento e continuar produzindo. Portanto, “o acordo pode ser considerado bem-sucedido, sobretudo se a meta era aplacar os medos e estabilizar os preços”.

No entanto, ele frisa que os preços não retornaram a seus níveis de antes da guerra, e o acordo expôs a grande vulnerabilidade de certos países africanos a turbulências no abastecimento e volatilidade dos preços dos cereais. O professor de geografia do Macalester College de Minnesotta, EUA, aponta que os países que produzem seus próprios grãos, mesmo espécies tradicionais menores, como painço ou sorgo, atravessaram bem melhor a crise recente.

“Produção mais localizada de uma diversidade de grãos em diversos países africanos é a melhor solução, no longo prazo. A crise alimentar é também mais aguda nas áreas sob o impacto de conflitos, como a Somália e o Iêmen. Esse acordo não ajuda em tais situações, embora historicamente o Programa Alimentar Mundial, que intervém em situações emergenciais, tenha obtido da Ucrânia grande parte de seus cereais.”

Uma crítica persistente à iniciativa para os grãos é que as nações mais ricas, inclusive várias da União Europeia, receberam mais cereais ucranianos, após o bloqueio, do que as de regiões mais pobres.

Moseley confirma essa acusação. Porém muito do que foi exportado através da iniciativa era milho, não trigo. Além disso, a principal meta do acordo seria seu impacto nos mercados internacionais de cereais, mais do que o fluxo a partir da Ucrânia, em si.

“O mais importante é os grãos entrarem no mercado. Isso, mais o aplacamento dos medos, exerce pressão negativa sobre os preços, para o benefício de todos, mas sobretudo dos países mais pobres, mais inseguros do ponto de vista alimentar, que não são importadores líquidos.”

Agora o foco está em conseguir renovar o pacto nos próximos meses: um fracasso nesse sentido resultaria em enorme encarecimento, o que pressionaria ainda mais as regiões já sujeitas a insegurança alimentar, alerta Lehmann. Essa é uma ameaça que está atingindo de forma aguda 328 milhões de habitantes de 82 países, registra o WFP, descrevendo a situação como uma “crise global de fome de proporções inéditas”.

Não obstante, o presidente do HLPE-FSN está confiante que é do interesse russo renovar o pacto. Moseley concorda, comentando que essa seria uma maneira de Moscou conquistar boa vontade para com seus aliados na África.

Por outro lado, mesmo sendo benéfica no curto prazo, a Iniciativa do Mar Negro não aborda o problema estrutural de diversos países pobres, de depender de um número reduzido de grãos – apenas trigo, milho e arroz –, de uns poucos fornecedores.

“No prazo mais longo, precisamos de um sistema alimentar global mais resiliente, alimentado por uma palheta mais ampla de grãos, de fontes mais diversificadas”, urge Lehmann.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

torre-de-igreja-ressurge-apos-reservatorio-secar-na-espanha

G1 Mundo

Torre de igreja ressurge após reservatório secar na Espanha

Uma igreja ressurgiu na vila de San Roman, na Catalunha, nordeste da Espanha, por conta da seca que afeta a região — há 36 meses as chuvas estão abaixo da média. A construção fica no reservatório de Sau, que tem seu menor volume de água desde 1990. A situação, no entanto, não deve melhorar tão cedo, segundo a Agencia Estatal de Meteorologia (Aemet). A primavera de 2023, que começa nesta […]

today20 de março de 2023 13

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%