G1 Mundo

Atol de Bikini: o incrível santuário marinho criado acidentalmente após testes de bombas nucleares

today12 de agosto de 2023 7

Fundo
share close

Era o verão de 2016. Palumbi, professor de ciências marinhas na Universidade de Stanford, na Califórnia, estava mergulhando em alto mar durante uma expedição para avaliar um trecho obscuro do recife de corais no Pacífico Central.

O que Palumbi e seus colegas encontraram foi um mundo esquecido de abundância impressionante: um cardume de peixes-papagaio, florestas de corais ramificados de oito metros de altura, grandes bodiões e tubarões.

Muitos tubarões. “Para qualquer lugar que você olhava via um ou dois”, diz.



No entanto, havia também uma atmosfera anormal: pistas misteriosas de que aquele lugar era diferente.

“Toda vez que você se virava, algo estranho acontecia”, diz Palumbi.

Como uma fenda misteriosa no recife. Fissuras pequenas e irregulares não são incomuns, mas esta desenhou uma linha perfeitamente reta: um abismo ordenado de pelo menos um quilômetro e meio de comprimento.

E também houve um incidente de navegação.

Mais cedo, sua equipe estava no barco de mergulho, prestes a ancorar em uma lagoa a vários quilômetros da costa mais próxima, quando o sistema de navegação disparou.

Segundo os cálculos do aparelho, eles haviam encalhado. Mas isso não tinha acontecido.

Palumbi estava mergulhando em um dos lugares mais radioativos da Terra: o Atol de Bikini, no Arquipélago Marshall. Há quase 70 anos, foi nesta faixa de ilhas em forma de anel, um paraíso tropical, que a bomba atômica foi testada.

Por 12 anos, nas décadas de 1940 e 1950, os Estados Unidos bombardearam suas águas calmas e as de um atol vizinho com 67 armas nucleares equivalentes a 210 megatons de TNT, mais de 7.000 vezes a força usada em Hiroshima, em agosto de 1945.

O sistema de navegação de Palumbi estava errado porque algumas ilhas, ainda registradas em mapas antigos, foram completamente destruídas pelas explosões.

Esse passado sombrio deixou um legado devastador para o povo de Bikini, que desde então não pode mais voltar para casa.

A vida marina na lagoa de Bikini é abundante, possivelmente como resultado de décadas sem pescar. — Foto: Alamy via BBC

No entanto, também criou um santuário acidental: um lugar onde a vida selvagem é protegida pela própria toxicidade da área e onde não é possível pescar há quase sete décadas.

À medida que a população mundial aumenta, aumenta também a quantidade de peixes selvagens e mariscos que consumimos, que agora constituem uma parte significativa das dietas de 3 bilhões de pessoas em todo o mundo.

No entanto, esse bufê à vontade teve consequências radicais.

Em menos de um século, ecossistemas outrora prósperos se transformaram em desertos. O atum rabilho, um dos peixes favoritos dos consumidores, está à beira da extinção. No leste do Canadá, até 810 mil toneladas de bacalhau que eram pescadas historicamente a cada ano desapareceram.

De fato, os humanos transformaram completamente os oceanos, reduzindo a biomassa total de peixes em aproximadamente 100 milhões de toneladas desde os tempos pré-históricos.

Acredita-se que 90% dos estoques de peixes do planeta foram esgotados.

No entanto, há um movimento crescente para mudar esse cenário.

Neste ano, a ONU (Organização das Nações Unidas) assinou um acordo histórico: o Tratado de Alto Mar, que visa proteger a vida marinha em áreas de mar aberto que não são controladas por nenhum país.

Essa vasta faixa da superfície da Terra, que representa mais de dois terços dos oceanos do mundo, não será mais um bem comum onde vale tudo.

Pelo menos, esse é o plano.

Claro, não se pretende abandonar completamente a pesca.

Mas como seriam os mares se decidíssemos deixá-los livres definitivamente? Fazer essa pergunta simples pode fornecer uma visão incrível do profundo impacto que temos no maior ecossistema do planeta e revelar o que podemos fazer para ajudá-lo a se recuperar.

As armas químicas detonadas no atol Bikini acabaram com três ilhas — Foto: Alamy via BBC

Durante décadas após os experimentos do Atol de Bikini, as ilhas eram um lugar fantasma: além dos zeladores, nenhum ser humano viveu lá desde a década de 1950.

Quando Palumbi partiu em seu barco para a lagoa central do atol em 2016, junto com sua colega Elora López-Nandam, pesquisadora de pós-doutorado na Academia de Ciências da Califórnia, eles não tinham ideia do que encontrariam.

Afinal, até os cocos espalhados pelas praias locais são radioativos.

O casal estava mergulhando na cratera Bravo, uma bacia de 75 metros de profundidade e 1,5 quilômetro de largura no norte do arquipélago. A água ali tem radiação relativamente baixa, semelhante aos níveis encontrados no fundo do mar na maior parte do mundo.

No entanto, o sedimento no fundo conta outra história: ainda possui altas concentrações de plutônio, amerício e bismuto radioativos, maiores do que em qualquer outra área das Ilhas Marshall.

Naquele local, na manhã de 1º de março de 1954, os Estados Unidos realizaram o maior teste termonuclear de sua história.

Mais de seis décadas depois, Palumbi e seu colega ficaram surpresos com o que viram. O centro da cratera mal tem uma espessa camada de lodo.

Nas extremidades, eles encontraram um refúgio escondido, onde cardumes de pequenos peixes arco-íris cercavam corais rochosos do tamanho de pequenos carros e tubarões de pontas pretas e cinzas de recife estavam por toda parte.

“É incrível”, diz Palumbi. Apesar de lutar contra os efeitos da radiação, que se presume ter criado uma população de tubarões mutantes sem segundas barbatanas dorsais, o recife estava muito vivo.

Os peixes eram gigantescos, pelo menos em comparação com os vistos em locais regularmente usados pela pesca.

Esta é a consequência mais óbvia de desistir da pesca: haveria mais peixes, e eles seriam muito maiores do que as gerações modernas têm visto.

Em março de 2006, o então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, assistiu na televisão a um documentário sobre as ilhas do noroeste havaiano, um arquipélago remoto no Pacífico.

Aparentemente, ele ficou tão feliz que imediatamente começou a procurar maneiras de protegê-los.

Com a ajuda de uma lei centenária, ele criou o Monumento Nacional Marinho de Papahānaumokuākea, hoje a maior área de conservação marinha do mundo.

Ao contrário de vastas extensões de outras áreas marinhas protegidas, onde as zonas de exclusão total representam apenas um quinto da área, a nova reserva impôs uma proibição total da pesca.

O impacto foi quase imediato. “Começamos a ver os efeitos depois de cerca de um ano e meio”, diz John Lynham, professor de economia da Universidade do Havaí especializado em recuperação oceânica.

Em geral, havia mais vida marinha. Espécies que antes eram as mais exploradas agora estão se recuperando mais rapidamente, explica ele.

Surpreendentemente, os atuns albacora e patudo foram os primeiros a responder. Embora sejam predadores de ponta e adultos com pelo menos 1,8 metros de comprimento, eles estão crescendo rapidamente.

O Monumento Nacional Marinho Papahānaumokuākea é o lar de um dos mamíferos marinhos mais raros da Terra, a foca monje do Havaí — Foto: Getty Images via BBC

Semelhante ao Atol de Bikini, outras recuperações são notáveis.

Nos seis anos seguintes ao início da Segunda Guerra Mundial, em setembro de 1939, ninguém pescou no Mar do Norte.

Com designs grandes e robustos e convexos claros e abertos, os barcos de pesca eram relativamente fáceis de converter em caçadores de minas: navios de guerra que navegavam pelos oceanos em busca de minas para descarregar.

Devido aos perigos representados por conflitos civis por minas, navios de guerra e bombardeios, havia muito poucos barcos de pesca ativos durante a guerra.

Como resultado, a população de peixes no Mar do Norte disparou.

Os peixes mais velhos foram os primeiros a se beneficiar. Em vez de serem aprisionados, eles tiveram que procriar e aumentar sua população para a próxima geração.

Quando as operações de pesca foram retomadas, ficou comprovado que a abundância de peixes nascidos durante a guerra contribuiu para um boom da economia da pesca que levou a uma exploração sem precedentes no mundo.

Claro, não importa o quão seriamente a humanidade leve uma proibição de pesca, alguns danos nunca serão revertidos.

A tragédia da pesca excessiva significa que muitas espécies marinhas já desapareceram dos oceanos para sempre. Mesmo para aqueles que permanecem, existem muitas outras barreiras no caminho para a recuperação total, desde a perda de habitat até extinções locais.

No entanto, talvez o efeito mais impressionante de uma moratória global sobre a pesca seja sobre os tubarões.

Em um canto do Museu de Zoologia na cidade suíça de Lausanne, empoleirado em um pedestal, está um grande tubarão branco de aparência ligeiramente estranha. Com um focinho arrebitado e maxilares curvos, contém tudo o que resta de um espécime capturado em 1956.

A maior parte do corpo deste tubarão é uma réplica, uma representação um tanto artística do animal da vida real, completo com suas barbatanas e dentes.

Com 5,9 metros de comprimento, era quase do tamanho de uma lancha. Mas o que é particularmente notável sobre esse gigante é onde ele foi encontrado: não na África do Sul, Austrália, Flórida ou em qualquer uma das águas infestadas de tubarões.

Foi detectado perto de Sète, na costa sudeste da França. Este foi um dos últimos grandes tubarões brancos da Europa.

De fato, acredita-se que o Mediterrâneo já foi infestado de tubarões.

Tubarões-martelo, azuis, cavalas e debulhadores coexistiram com uma antiga população de grandes tubarões-brancos que habitou a área por 450 mil anos.

Em 2010, um estudo liderado por Chrysoula Gubili, pesquisadora do Instituto Grego de Pesquisa Pesqueira, concluiu que eles podem ter chegado lá originalmente quando uma fêmea solitária tomou um caminho errado.

Ainda existem alguns grandes tubarões à espreita no Mediterrâneo, incluindo o ocasional tubarão-branco nativo. Eles estão em perigo de extinção, com poucos avistamentos para calcular quantos existem.

Na Europa, as populações de espécies de tubarões para as quais existem dados disponíveis diminuíram entre 96% e 99,99% desde que os registros começaram no início do século 19.

Os principais beneficiários desses tubarões desaparecidos são as presas, principalmente peixes menores. Uma análise, usando dados que remontam a 1880, estimou que a biomassa total de peixes predadores nos oceanos caiu dois terços apenas no último século, enquanto, ao mesmo tempo, a biomassa de espécies menores aumentou.

Em um mundo sem peixes, o professor John Lynham acredita que essas espécies perdidas aumentariam sua população rapidamente, pelo menos aquelas que ainda não foram extintas. Começaríamos então a ver um reequilíbrio do ecossistema oceânico.

“Provavelmente, com o tempo, haverá mais predadores de topo (de cadeia alimentar) e isso pode levar a uma menor abundância das espécies das quais se alimentam”, explica ele.

Os peixes que se beneficiaram da ausência dos tubarões do Mediterrâneo podem descobrir repentinamente que são parte do jantar.

E embora a maioria dos tubarões seja pacífica, com pouco interesse em consumir humanos, também é possível que o afastamento da pesca leve a um pequeno aumento no já baixo número de ataques de tubarões a humanos.

Por exemplo, alguns especialistas acreditam que o sucesso de um programa de conservação de tubarões em Long Island, nos Estados Unidos, pode ter contribuído para um aumento no número de ataques a humanos nos últimos anos, embora nenhum tenha sido fatal.

No entanto, também haveria algumas consequências mais surpreendentes para os oceanos do mundo. Uma delas é a redução do plástico.

Há um grande número de caranguejos de coco no Atol de Bikini, embora sejam radioativos — Foto: Getty Images via BBC

Embora sacolas plásticas, garrafas e embalagens de alimentos afoguem, enredem e envenenem milhões de animais marinhos a cada ano e contribuam para a contaminação da cadeia alimentar por microplásticos, a grande maioria dos grandes plásticos nos oceanos não é lixo comum. Vem da pesca.

Veja, por exemplo, o giro subtropical do Pacífico Norte, um vasto sistema de correntes oceânicas circulantes que abriga algumas das mais belas espécies selvagens dos oceanos, incluindo baleias, tubarões, tartarugas marinhas e peixes.

Este ecossistema de mar aberto está localizado a mais de 1.600 quilômetros da costa. No entanto, é famoso por ser um vórtice de lixo, um sistema que retém quantidades impressionantes de lixo humano.

É conhecida como a grande mancha de lixo do Pacífico Norte.

De acordo com um estudo publicado no ano passado, mais de três quartos dos maiores detritos capturados nesta pilha de lixo flutuante vêm da pesca “fantasma”: redes, cordas e linhas que perseguem a vida selvagem do oceano muito depois de serem descartados de um barco de pesca.

Claro, em um mundo sem pesca, o lixo não iria simplesmente desaparecer dos mares.

O processo de decomposição do plástico que chega ao fundo do oceano pode ser especialmente lento.

Segundo uma estimativa, o polietileno pode levar até 292 anos para se degradar completamente no fundo do mar, enquanto outros plásticos provavelmente durarão muito mais tempo.

Com o tempo, a quantidade de plástico em nossos mares diminuiria, desde que os humanos não despejassem mais resíduos no oceano.

Mas mesmo se parássemos de poluir os oceanos amanhã, a última linha de pesca não se degradaria totalmente até o ano de 2623, segundo outro estudo.

Enquanto isso, acredita-se que a poluição plástica mate cerca de um milhão de animais marinhos a cada ano.

Na ausência de pesca, muitos animais marinhos se beneficiam de mais alimentos, habitats mais saudáveis ​​e um risco reduzido de serem capturados — Foto: Getty Images via BBC

Por fim, há as mudanças climáticas.

Os oceanos profundos são um cemitério: quando criaturas como peixes grandes, tubarões ou baleias morrem, elas afundam, muitas vezes enterradas em sedimentos anóxicos, um conservante natural que impede sua decomposição total e retém carbono em seus corpos por milênios.

No entanto, ao longo do século passado, a humanidade esvaziou os oceanos de seus gigantes. Como resultado, esse sumidouro de carbono não está operando em sua capacidade normal, e um número sem precedentes de peixes remanescentes no oceano vai acabar liberando seu carbono na atmosfera.

De acordo com um estudo, isso significa que a pesca liberou pelo menos 730 milhões de toneladas de dióxido de carbono desde 1950, quase o mesmo que todas as emissões da Alemanha em 2021.

Isso sem falar no poder destrutivo de técnicas específicas de pesca, como o de arrasto, que desorganizam os sedimentos que retêm carbono no fundo do mar, gerando emissões anuais equivalentes às de toda a indústria aeronáutica.

No entanto, Palumbi enfatiza que um mundo sem pesca também teria grandes desvantagens, principalmente para aqueles que dependem dos oceanos para obter renda ou fontes de proteína.

“Se estivéssemos falando apenas de frotas pesqueiras oceânicas industriais mecanizadas é uma coisa. Mas também temos que lembrar que existem centenas de milhões de pessoas que dependem da pesca de subsistência em pequena escala”, explica.

“A pesca desempenha um papel muito importante na vida de muitas pessoas.”

Uma saída possível é a aquicultura ou criação e cultivo de espécies aquáticas, que já produz mais da metade dos frutos do mar consumidos atualmente.

A abordagem apresenta muitos desafios, desde a infestação do salmão selvagem com piolhos do mar até a dificuldade de monitorar o bem-estar dos animais de criação debaixo d’água.

No entanto, muitas organizações, incluindo a ONU, alertam que isso pode ajudar a tornar nossa exploração dos oceanos mais sustentável.

Por outro lado, encorajar práticas mais sustentáveis ​​pode ter um impacto impressionante na produtividade dos oceanos, com benefícios tanto para as pessoas quanto para a vida selvagem.

Se esses parâmetros fossem adotados em escala global, a captura de animais poderia aumentar em 16 milhões de toneladas, o suficiente para alimentar mais 75 milhões de pessoas, segundo estimativa do Marine Stewardship Council.

Há outras boas notícias. Ao contrário de muitos dos animais terrestres que os humanos exploram, os peixes têm uma incrível capacidade de regeneração.

Enquanto uma chita só pode ter um punhado de bebês por vez, grávida de três meses e cerca de 18 meses por ninhada para treiná-los para sobreviver, um predador de topo equivalente nos oceanos, como um atum, pode produzir até 30 milhões de ovos por vez.

“Muitos desses ovinhos não sobrevivem, claro, mas o potencial de uma população se recuperar geração após geração é enorme”, diz Palumbi.

No momento, a ideia da humanidade deixar os oceanos é tão improvável quanto controversa.

Mas se grandes áreas dos oceanos puderem retornar à sua antiga abundância, como o Atol de Bikini e o Monumento Nacional Marinho no Havaí, o século passado pode ser apenas uma pequena pedra no caminho da longa e próspera história dos mares.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

sobe-para-80-o-numero-de-mortos-apos-os-incendios-na-ilha-de-maui,-no-havai

G1 Mundo

Sobe para 80 o número de mortos após os incêndios na ilha de Maui, no Havaí

Os incêndios que atingiram a ilha de Maui, no Havaí, já vitimaram 80 pessoas, disseram as autoridades neste sábado (12). Com esse número, esse se tornou o desastre natural mais mortífero da história do Havaí. Anteriormente, em 1960, um tsunami atingiu a maior das ilhas do arquipélago e matou 61 pessoas. O governador do estado, Josh Green, havia alertado anteriormente que o número de mortos provavelmente aumentaria à medida que […]

today12 de agosto de 2023 19

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%