G1 Santos

Bailarina morta em acidente com motos aquáticas estava na garupa e teria sido atingida entre o peito e o rosto, diz delegado

today13 de março de 2024 1

Fundo
share close

De acordo com a Marinha do Brasil, o acidente aconteceu na altura do Canal de Bertioga, que cruza Guarujá. A mulher chegou a ser socorrida ao Hospital Santo Amaro (HSA), também na cidade, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

As informações foram apuradas junto ao delegado Antônio Sucupira, da Delegacia de Polícia Sede de Guarujá. Segundo ele, apesar das investigações estarem no começo, a corporação já identificou cinco envolvidos no caso, entre investigados e testemunhas.

O delegado explicou que, no momento, a Polícia Civil trabalha com a informação de que Juliana tenha sido atingida entre o rosto e o peito por uma moto aquática. Em seguida, ela caiu na água, sendo socorrida e levada à unidade de saúde.



“Essas informações serão confirmadas quando for elaborado o laudo necroscópico, que é quando o médico vai definir as lesões e a causa da morte”, acrescentou o delegado.

Juliana Carvalho Nasser era bailarina profissional e morava em São Paulo (SP) — Foto: Reprodução/Facebook

O delegado explicou também que a Polícia Civil trabalha com dois investigados: os condutores das motos aquáticas envolvidas no acidente.

A dupla, até a publicação desta reportagem, não havia se apresentado na delegacia para prestar depoimento. O g1 apurou que, caso isto não aconteça, a corporação poderá intimá-los.

O delegado afirmou, ainda, que as motos aquáticas envolvidas no acidente foram localizadas pela Polícia Civil um dia após o ocorrido, também em Guarujá (SP).

De acordo com Sucupira, os veículos passaram por perícia e, em seguida, a corporação vai investigar mais sobre o uso deles no momento da colisão.

“Quem é o dono de direito? Quem está no documento? Em qual situação as motos aquáticas estavam na água? São perguntas que serão respondidas no decorrer da investigação”, finalizou ele.

Juliana Carvalho Nasser morreu durante suposto acidente entre motos aquáticas no litoral — Foto: Reprodução/Facebook

Solteira e sem filhos, a bailarina vivia na capital paulista e estava na cidade a passeio. Ela faria 28 anos em junho deste ano. Um familiar ouvido pela reportagem, que preferiu não se identificar, contou que a jovem tinha o costume de visitar Guarujá.

Juliana Nasser tinha licenciatura em Artes, com Habilitação em Dança e formação em balé clássico, além de um MBA em Gestão Estratégica de Negócios pela universidade Anhembi Morumbi. Ela era coach pela Sociedade Brasileira de Coaching. Já foi professora em diversas escolas de dança e ganhou prêmios em festivais.

O Instituto Médico-Legal (IML) de Praia Grande, para onde ela foi levada para exames necroscópicos, liberou o corpo após a família realizar o reconhecimento. Uma seguradora transportou o corpo para São Paulo nesta terça-feira, mas não há previsão exata para o sepultamento.

Vítima estava em uma moto aquática que saiu da Marina Tropical (foto). — Foto: Marina Tropical/Divulgação

O acidente aconteceu no fim da tarde de domingo (10). A vítima estava em uma moto aquática, que saiu da Marina Tropical, e se chocou com outra. A mulher foi lançada ao mar após a batida e perdeu a consciência.

De acordo com o boletim de ocorrência, uma amiga disse que elas estavam na Praia do Iporanga antes de pegarem as motos aquáticas. A Marinha do Brasil informou que a colisão ocorreu na altura do Canal de Bertioga, que cruza Guarujá.

Após ser resgatada da água, a vítima foi levada na caçamba de uma caminhonete para um condomínio fechado dentro da Praia do Iporanga, onde uma médica de plantão a atendeu por volta das 18h e, após avaliação, orientou a condução ao Hospital Santo Amaro.

Em nota, o hospital informou que foram realizadas manobras de reanimação na jovem, que não respondeu e morreu na unidade.

A Prefeitura de Guarujá informou que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionado, mas ao chegar no local os envolvidos no acidente já tinham sido removidos para atendimento médico.

A Capitania dos Portos de São Paulo enviou peritos ao local para apurar as causas e possíveis responsáveis pelo acidente. Já nesta terça-feira, a Polícia Civil informou que já identificou e deve intimar os envolvidos para o esclarecimento dos fatos.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

policia-investiga-desaparecimento-de-mulher-apos-deixar-filhos-com-amiga-em-sp

G1 Santos

Polícia investiga desaparecimento de mulher após deixar filhos com amiga em SP

Amanda de Castro Lancha Lara, de 31 anos, é de Santos e enviou uma mensagem à amiga antes de sumir. Amanda de Castro Lancha Lara, de 31 anos, desapareceu em 5 de março em Itaquera, na zona leste de SP — Foto: Arquivo Pessoal A 5ª Delegacia de Pessoas Desaparecidas da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga o desaparecimento da santista Amanda de Castro Lancha Lara, de […]

today13 de março de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%