G1 Mundo

Brasil adia ancoragem de navios de guerra iranianos no Rio até depois de reunião entre Lula e Biden

today10 de fevereiro de 2023 13

Fundo
share close

A decisão do Brasil foi um gesto na direção de relações mais próximas com o governo Biden, após os laços entre EUA e Brasil azedarem durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada apesar da longeva oposição de Lula às sanções dos EUA contra o Irã, defendendo uma política externa neutra.

O presidente Lula desembarcou em Washington ao lado da primeira-dama, Janja da Silva — Foto: Reprodução



Em 13 de janeiro, o Brasil concedeu permissão para que os navios IRIS Makran e IRIS Dena atracassem no porto do Rio entre 23 e 30 de janeiro, segundo uma publicação no Diário Oficial.

Essa janela foi posteriormente rejeitada, e agora os navios estão autorizados a atracar entre 26 de fevereiro e 3 de março, segundo o Ministério das Relações Exteriores.

Uma autoridade dos EUA com conhecimento direto da situação disse que a perspectiva de navios de guerra iranianos no Rio antes da reunião de Lula com Biden era “algo desagradável que queríamos evitar”.

“Houve muitas conversas de bastidores sobre isso em muitos níveis diferentes”, disse a autoridade, acrescentando que era uma boa notícia que as datas não estavam mais coincidindo.

Uma fonte do Exército brasileiro confirmou que o governo federal, via Ministério das Relações Exteriores, mudou as datas e bloqueou a ancoragem dos navios iranianos.

Lula já está nos Estados Unidos para se reunir com Joe Biden

Lula já está nos Estados Unidos para se reunir com Joe Biden

“É verdade que houve um veto (do governo)”, disse a fonte, sob condição de anonimato. “Os navios iranianos não puderam vir durante este período”.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Brasil disse que era uma “suposição equivocada” dizer que Washington pressionou o Brasil.

“Os navios não virem entre 23 e 30 de janeiro não teve nada a ver conosco, e depois foi remarcado para 26 de fevereiro a 3 de março”, disse o porta-voz. “Nada a ver com os EUA”.

O Departamento de Estado dos EUA não respondeu de imediato a um pedido de comentários.

A diplomacia com o Irã foi um dos destaques das tentativas de Lula de reforçar a posição internacional do Brasil durante o seus mandatos anteriores como presidente.

Em 2010, ele buscou mediar um acordo nuclear entre Irã e Estados Unidos, viajando a Teerã para se reunir com o então presidente Mahmoud Ahmadinejad.

Lula se afastou das sanções dos EUA contra o Irã e se recusou a escolher lado na guerra Rússia-Ucrânia, dizendo que o Brasil é neutro e quer diálogo para atingir a paz.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘gratidao-e-absoluto-dever-em-auxiliar-as-pessoas-que-nao-tiveram-a-mesma-sorte’,-diz-brasileira-que-mora-em-area-nao-afetada-pelo-terremoto-na-turquia

G1 Mundo

‘Gratidão e absoluto dever em auxiliar as pessoas que não tiveram a mesma sorte’, diz brasileira que mora em área não afetada pelo terremoto na Turquia

A empresária brasileira Andy Santos, de 29 anos, passou a integrar uma rede de solidariedade na Turquia, país onde vive há cerca de dez anos, para ajudar as vítimas do terremoto que atingiu regiões turcas e da Síria na última segunda-feira (6) e matou mais de 20 mil pessoas até o momento. A jovem, que mora em uma área turca não atingida pelo desastre, afirmou ao g1 que o seu […]

today10 de fevereiro de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%