G1 Mundo

Candidata cotada para ser vice de Trump assassinou a tiros o próprio cão

today30 de abril de 2024 6

Fundo
share close

Cotada para ser companheira de chapa de Donald Trump na disputa pela Casa Branca, a governadora de Dakota do Sul, Kristi Noem, mostra a que veio em seu próximo livro, que será publicado na semana que vem, no qual ela se gaba de ter abatido o próprio cachorro, a filhote Cricket, de 14 meses, simplesmente por ser indomável.

“Eu odiava aquele cachorro”, descreve a governadora, ao definir o animal como “intreinável e perigoso”. Antecipado pelo jornal britânico “The Guardian”, que obteve trechos do livro, o detalhado e cruel relato de Noem repercutiu mal e movimentou a campanha presidencial americana, atraindo vozes críticas tanto de seus partidários quanto de opositores.

Políticos se apressaram a postar fotos com seus animais de estimação e rapidamente viralizou a hashtag “Justice4Cricket”. “Ela não pode ser vice-presidente agora. Você não pode atirar no seu cachorro e depois ser vice-presidente”, resumiu a ativista de extrema direita Laura Loomer.



A campanha de Joe Biden publicou fotos do presidente em companhia de Commander, o pastor alemão da Casa Branca que não é exemplo de bom comportamento, por já ter mordido agentes de segurança em mais de 24 ocasiões. Nem por isso foi abatido.

Ex-congressista republicana, Noem é fiel seguidora de Trump e, como ele, coleciona histórias polêmicas. Recentemente, ela fez um vídeo agradecendo e elogiando a equipe de dentistas que remodelou sua arcada dentária. A governadora é banida em uma área equivalente a 15% do próprio estado, ocupada por quatro tribos indígenas americanas, depois que associou líderes tribais a cartéis de drogas mexicanas.

Cabra abatida por ‘mau cheiro’

Além de Cricket, Noem conta em seu livro de memórias que matou uma cabra na fazenda da família por considerá-la “má, nojenta e malcheirosa”.

Quanto à cachorrinha, ela alega que estava treinando a filhote da raça Pointer para ajudá-la em caçadas a faisões, mas Cricket se revelou, em suas palavras, “menos que inútil como cão de caça.”

A governadora relata que tentou domá-la, mas ela se comportava como “um assassino treinado”. O estopim para a decisão de matá-la foi uma mordida e o ataque, até a morte, às galinhas de uma família vizinha. Ela levou Cricket para uma pedreira e, sem hesitar, alvejou a filhote.

Aproveitou também para dar conta da cabra, que tinha como hábito perseguir e perturbar os três filhos. O animal resistiu ao primeiro tiro, e Noem precisou voltar à caminhonete para pegar mais munição e terminar o serviço.

“Acho que se fosse um político melhor não contaria a história aqui”, ela pondera no livro. Diante do impacto de suas revelações, ela se disse amparada numa lei estatal que permite a morte de cães que atacam e matam outros animais domésticos.

A governadora se defende, alegando que tentou passar uma atitude de coragem em situações difíceis. “Seja administrando a fazenda ou na política, nunca passei minhas responsabilidades para outra pessoa, mesmo que seja difícil e doloroso. Eu segui a lei, fui mãe e vizinha responsável.” Há controvérsias, mas resta saber se elas serão um empecilho na escolha de Trump.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

Notícias

Manifestantes pró-Palestina invadem prédio da Universidade de Columbia; presos em protestos chegam a 1.000

Nesta terça, autoridades dos EUA disseram que mais de 1.000 pessoas, entre estudantes, professores e pessoas que se uniram aos atos já foram presas durante os protestos em todo o país, que começaram a respingar na corrida eleitoral para a Casa Branca deste ano (leia mais abaixo). Os manifestantes entraram no prédio acadêmico de Hamilton Hall, quebrando janelas e portas. Imagens registradas pela imprensa no local mostram os invasores transportando cadeiras pelas escadas do prédio histórico (veja foto acima). Até […]

today30 de abril de 2024 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%