G1 Santos

Cantor sertanejo afirma ter pagado propina a prefeitos do litoral de SP em depoimento à Polícia Federal

today6 de setembro de 2022 10

Fundo
share close

Segundo a PF, Mattias é dono e controlador de entidades que se qualificam como Organizações Sociais (OS). A corporação acrescentou que elas firmavam contrato de gestão com as prefeituras para atuarem na administração da Saúde.

No depoimento à Polícia Federal, obtido pela TV Tribuna, emissora afiliada à Rede Globo, Mattias detalhou pedidos milionários de propina por parte das duas administrações municipais. Ele alegou ter sido diretor da Organização Social (OS) Revolução durante seis anos e firmado contratos públicos em cidades no interior de São Paulo. Leia o posicionamento das prefeituras no fim desta matéria.

Segundo o empresário, dois contratos foram firmados com a Prefeitura de Cubatão, um para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Jardim Casqueiro e outro para “atenção básica”. No depoimento, ele relatou que os acordos foram feitos na gestão da ex-prefeita Márcia Rosa (PT).

Os contratos, ainda segundo Mattias, permaneceram durante nove meses no período de posse de Ademário Oliveira. O empresário alegou que o atual prefeito teria pedido R$ 100 mil na época para campanha política e mais R$ 30 mil mensais até o final do acordo. O pagamento, segundo ele, era feito em dinheiro para “Cesar”, que seria o chefe de gabinete de Cubatão, Cesar Silva Nascimento, segundo o declarante.

Almir Mattias (à direita) alega ter feito pagamento de propina para o Ademário Oliveira (à esquerda) — Foto: A Tribuna Jornal e Reprodução/Redes Sociais



À PF, o empresário relatou, ainda, que Ademário Oliveira chegou a oferecer a continuidade da gestão da UPA do Jardim Casqueiro pela quantia mensal de R$ 30 mil. Porém, para isso, ele deveria trocar de Organização Social.

A gestão foi passada para a OS Imegas, a qual o empresário nega participação. Mesmo assim, ele disse saber que a próxima a ser contratada será a OS Caminho de Damasco, que, ainda de acordo com o depoimento de Mattias, vai gerar vantagem ilícita para o atual prefeito por conta do contrato.

No depoimento, o empresário afirmou também que foi diretor comercial da OS Pró-Vida, responsável por administrar unidades de saúde de Guarujá (SP). Mattias confirmou à PF as denúncias de pagamento de propina que levaram o prefeito Válter Suman para a cadeia em setembro de 2021.

Segundo o declarante, inicialmente, o político teria pedido a ele R$ 1 milhão pela contratação. A ‘oferta’ teria sido negada por Mattias, e o contrato teria sido iniciado com o empresário pagando entre R$ 70 e R$ 80 mil mensais de propina para o prefeito.

Além disso, o empresário e cantor sertanejo revelou detalhes sobre um contrato emergencial firmado com a Pró-Vida para a colocação de tendas para o tratamento de Covid-19 ao lado da UPA Rodoviária. O acordo seria de aproximadamente R$ 1 e R$ 2 milhões, e que o prefeito teria pedido vantagem indevida de R$ 500 a R$ 700 mil mensais.

Almir Mattias (à direita) alega ter feito pagamento de propina para Válter Suman (à esquerda) — Foto: Matheus Tagé/A Tribuna Jornal e Reprodução/Redes Sociais

Mattias alegou não ter fechado esse acordo, mas revelou um pagamento de R$ 200 mil entregues nas mãos de “Fabrício”, que seria o chefe de gabinete de Guarujá, Fabricio Henrique Maia, também investigado em operação da PF.

Almir Mattias disse ter entregado mais de R$ 2 milhões em propina para Válter Suman, a esposa dele, Fabricio e o ex-secretário de educação, Marcelo Nicolau.

O que diz a Prefeitura de Cubatão

Por meio de nota, o prefeito de Cubatão (SP), Ademário Oliveira, e o secretário de governo, César Nascimento, alegam que as acusações são falsas e infundadas. Além disso, afirmam que “nunca receberam qualquer tipo de vantagem indevida”.

A Prefeitura de Cubatão informou também que a organização social já prestava serviços antes do ‘Governo Ademário’ assumir, em 2017. A nota termina dizendo que o prefeito e o secretário estão colaborando com as investigações.

O que diz a Prefeitura de Guarujá

Também por meio de nota, a administração municipal de Guarujá informou que investigou irregularidades cometidas pela “Pró-Vida” em 2021, que acabou com a desqualificação da organização social. Isso teria acontecido três meses antes da ‘Operação Nácar’ e, ainda segundo a prefeitura, impediu que a organização volte a contratar com qualquer esfera do poder público.

O município conclui que constatou irregularidades, como atraso no pagamento de salários e falhas na prestação de contas, situações que motivaram uma ação civil pública contra a “Pró-Vida”, que pede o ressarcimento aos cofres públicos de R$ 150 milhões.

Segundo a PF, Mattias é empresário, dono e controlador de entidades que se qualificam como Organizações Sociais. Uma delas foi contratada para gerenciar o atendimento nas principais unidades de saúde de Guarujá entre os anos de 2018 a 2021.

As OS’s firmavam contrato de gestão com as prefeituras para atuarem na administração da Saúde, realizam contratações públicas de modo simplificado e acabam firmando contratações superfaturadas. Os recursos por serviços não prestados são repassados para empresas fantasmas.

De acordo com a Polícia, Cleide Rosa da Silva, esposa de Almir, é coparticipante na organização criminosa, sendo a pessoa que controla a movimentação bancária da empresa por onde foi desviada verba pública e é feita a lavagem de dinheiro.

PF de Santos prende Almir Mattias em operação contra fraudes na compra de respiradores para Covid-19 — Foto: Arquivo pessoal

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

policia-federal-incinera-3,7-toneladas-de-cocaina-em-santos,-sp

G1 Santos

Polícia Federal incinera 3,7 toneladas de cocaína em Santos, SP

Maior quantidade da droga foi apreendida em 2022. Polícia Federal incinera 3,7 toneladas de cocaína em Santos (SP) nesta terça-feira (6) — Foto: Polícia Federal de Santos/Divulgação A Polícia Federal (PF), com apoio da Polícia Militar (PM), incinerou 3,7 toneladas de cocaína em Santos, no litoral de São Paulo, nesta terça-feira (6). Segundo a PF, a maior quantidade da droga foi apreendida em 2022 em operações policiais. De acordo com […]

today6 de setembro de 2022 17

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%