G1 Mundo

Carenagem do motor, pedaços de asa e painel do assento: os rastros deixados pelo avião que desapareceu em 2014; INFOGRÁFICO

today8 de março de 2024 7

Fundo
share close

Ao todo, 239 pessoas, dos quais 227 passageiros e 12 tripulantes, estavam a bordo da aeronave da Malaysia Airlines —que saiu de Kuala Lumpur rumo a Pequim. O avião, porém, desapareceu subitamente das telas do radar e jamais foi encontrado.

O relatório de investigação sobre o acidente, publicado em 2 de julho de 2018, listou 27 objetos encontrados entre 2015 e 2017 associados ou com chance provável de ser da aeronave, dos quais:

  • 3 foram confirmados como sendo do voo MH370 (flaperon, pedaço de flap e pedaço do flap direito);
  • 7 são quase certamente da aeronave (carenagem do flap, painel do estabilizador, duas carenagens do motor, pedaço da porta traseira, painel interno da cabine e painel do estabilizador vertical);
  • 8 foram classificados como chance altamente provável de ser do avião (pedaços do flap e da asa, painel da parte de trás do assento, painel da asa direita, porta do trem de pouso dianteiro, carenagem da asa traseira, aileron direito e carenagem do flap da asa direita);
  • 2 provavelmente eram do voo (carenagem da asa e pedaço do estabilizador horizontal);
  • 7 não puderam ser identificados nem associados ao avião.



Os destroços foram encontrados principalmente na África (Moçambique, África do Sul, Ilhas Maurício, Madagascar e Tanzânia), a milhares de quilômetros da última localização conhecida do avião. O primeiro deles foi achado em 29 de julho de 2015, na Ilha de Reunião, no Oceano Índico, um ano e quatro meses após a aeronave sumir dos radares.

Os materiais foram analisados em laboratórios de Canberra, na Austrália, e na Malásia. Os investigadores levaram em conta um manual que identifica todas as peças do Boeing 777 para comparar os achados, além de verificar sinais de ruptura condizentes com um provável impacto da aeronave com o mar.

Trecho de relatório que aponta a que parte do avião as peças encontradas pertencem — Foto: Reprodução

O g1 fez um infográfico que mostra os destroços, onde e quando foram encontrados. Estão listados os 20 objetos classificados pelos investigadores como “provavelmente”, altamente provável”, “quase certamente” pertencentes ao avião, além das peças relacionados como “confirmadas”.

O misterioso caso do avião que desapareceu há 10 anos com 239 pessoas a bordo

O misterioso caso do avião que desapareceu há 10 anos com 239 pessoas a bordo

Era madrugada de 8 de março de 2014, horário local, quando o voo MH370 da Malaysia Airlines desapareceu 40 minutos após a decolagem, em Kuala Lumpur, na Malásia — as condições meteorológicas eram consideras boas no momento. O sumiço repentino do avião completa uma década nesta sexta-feira (8) —no que, ainda hoje, é um dos maiores mistérios da aviação mundial.

Ao todo, 239 pessoas, dos quais 227 passageiros e 12 tripulantes, estavam a bordo do Boeing 777-200 que deveria chegar a Pequim seis horas mais tarde — a maioria dos passageiros era chinesa. O avião desapareceu subitamente das telas do radar e jamais foi encontrado.

Nesta semana, autoridades malaias disseram que podem renovar as buscas pelo voo MH370 após uma empresa que tentou encontrá-lo em 2018 propor, agora, uma nova ronda no sul do Oceano Índico, onde acredita-se que a aeronave tenha caído. A proposta, entretanto, ainda não foi aprovada por autoridades.

A possibilidade traz algum ânimo aos familiares das vítimas, principalmente de membros da tripulação, que sofreram com acusações e teorias conspiratórias quando o voo desapareceu.

Ao jornal britânico “The Guardian”, um amigo do piloto disse que a família dele “ainda espera fortemente por respostas”. “Ainda não há conclusão sobre isso. Deve haver uma explicação para o que aconteceu. […] Todo mundo precisa de um encerramento”, disse o homem.

“É com o coração pesado e com profunda dor que declaramos oficialmente, em nome do governo da Malásia, que o voo MH370 Malaysia Airlines foi vítima de acidente”, disse, na época, o chefe da aviação civil malaia, Azharuddin Abdul Rahman.

A decisão de suspender as buscas “não foi tomada tranquilamente, nem sem tristeza”, dizia o comunicado dos três países. “Não perdemos a esperança de que um dia sejam obtidas novas informações e de que em algum momento no futuro a aeronave seja localizada”, acrescentou.

Imagem de arquivo mostra um veículo submarino sendo colocado no oceano em busca de sinais dos destroços do voo MH370 da Malaysia Airlines. — Foto: AP Photo

Local da queda e áreas de buscas

Nos dias seguintes ao desaparecimento do voo, as informações eram tão poucas que a área de buscas se estendia do Cazaquistão, na Ásia Central, até à Antártida. A região a se concentrar as buscas só foi se afunilando à medida que dados de satélite, rastreamento por radar e análises de correntes oceânicas começaram a ganhar mais corpo.

Não se sabe exatamente onde foi a queda até hoje. Mas o maior consenso é de que o avião tenha caído no sul do Oceano Índico.

O motivo da queda também é ainda hoje um mistério. E vão desde teorias da conspiração, como a de que o avião teria sido abatido por causa de uma carga sensível ou de uma pessoa a bordo, a motivos “menos dramáticos”, como falha elétrica, incêndio ou despressurização repentina da cabine.

Tela de informações mostra a mensagem “Oremos pelo vôo MH370” da Malaysia Airlines — Foto: Samsul Said/Reuters

De acordo com os relatórios, o piloto tinha uma boa capacidade em lidar com o estresse no trabalho e em casa, não havia qualquer relato de problemas com ansiedade ou irritabilidade e não houve mudanças significativas em seu estilo de vida, conflitos interpessoais ou familiares. Ele tinha mais de 18 mil horas de voo e fazia parte dos quadros da Malaysia Airlines desde 1981.

As imagens do circuito interno do Aeroporto de Kuala Lumpur também foram analisadas na tentativa de encontrar alguma movimentação suspeita de cada uma dos 239 pessoas que estavam no voo. Sabe-se que duas pessoas embarcaram com passaportes falsos (os documentos haviam sido roubados de um austríaco e um italiano). Mas, de novo, nada além disso foi descoberto.

Perguntas e respostas (e perguntas sem respostas)

Qual foi o último contato com o controle de tráfego aéreo? As últimas palavras conhecidas do piloto foram “boa noite, Malaysian três sete zero”. A informação sobre mensagem, entretanto, sofreu um vaivém de versões. Antes dessa confirmação, autoridades da Malásia haviam dito que a última mensagem foi um despreocupado “tudo bem, boa noite”.

É importante lembrar… O primeiro-ministro da Malásia era Najib Razak, que anos depois foi preso por acusações de corrupção que não têm a ver com desaparecimento da aeronave. Mas a má comunicação pública na época e as hesitações por parte do governo malaio dificultaram os esforços de buscas.

Como foram as buscas? As buscas no Oceano Índico cobriram uma área de milhões de quilômetros na superfície do mar a oeste da Austrália, depois que uma pesquisa subaquática mapeou 710 quilômetros quadrados no fundo do mar em uma profundidade de mais de 6 mil metros. Foram as maiores buscas do tipo na história da aviação, segundo o relatório final da investigação.

O que diz o relatório oficial das buscas? O relatório divulgado pelo escritório de Segurança do Transporte da Austrália em 2017 apontou que o mistério sobre o destino do avião e das 239 pessoas a bordo é “quase inconcebível”. O relatório afirmava que as autoridades não estavam mais perto de saber o motivo do desaparecimento da aeronave.

E o “relatório independente”? Paralelo às buscas oficiais, uma investigação independente também foi feita na Malásia. O relatório não chegou a uma conclusão sobre o que aconteceu a bordo da aeronave, mas indicou que não havia evidência de comportamento anormal ou de estresse dos do piloto e do co-piloto. O relatório foi elaborado por 19 representantes de oito países.

Outra tragédia pouco depois… Quatro meses depois, em 17 de julho, outro Boeing 777 do voo MH17 da Malaysia Airlines foi derrubado com 298 pessoas a bordo. A aeronave sobrevoava uma área de conflito entre governo e rebeldes no leste da Ucrânia. Segundo o Conselho de Segurança Holandês em seu relatório final sobre o acidente, o voo foi derrubado por um míssil Buk de fabricação russa.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

em-discurso-do-estado-da-uniao,-joe-biden-diz-que-liberdade-esta-em-risco-e-critica-trump-sem-citar-o-nome-do-ex-presidente

G1 Mundo

Em discurso do Estado da União, Joe Biden diz que liberdade está em risco e critica Trump sem citar o nome do ex-presidente

Este foi o último discurso do atual mandato de Biden como presidente dos Estados Unidos. Ele deve concorrer à reeleição em novembro, provavelmente repetindo a disputa de 2020 contra Trump. Biden abriu o discurso fazendo uma piada, dizendo que estaria em casa, se fosse esperto. Na sequência, o presidente relembrou um discurso de Franklin D. Roosevelt, em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, ao qual afirmou que a democracia e […]

today8 de março de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%