G1 Santos

Casa de repouso é alvo de ação do Ministério Público por irregularidades no litoral de SP

today7 de dezembro de 2023 6

Fundo
share close

Em julho deste ano, a Vigilância Sanitária constatou que o Residencial Bassi apresentava irregularidades operacionais, administrativas, organizacionais e estruturais. Segundo o parecer obtido pelo g1, a casa no bairro Nova Itanhaém não tinha contrato de prestação de serviço com os idosos ou responsável legal, e não servia a quantidade mínima de seis refeições diárias.

Além de não terem acessibilidade para Pessoas com Deficiência (PCDs), alguns ambientes não respeitavam as normas estipuladas para ILPIs. Na primeira vistoria, os produtos de higiene pessoal não eram individualizados e as camas e armários estavam em más condições de uso, de acordo com o MP.

Representantes da Vigilância Sanitária municipal e do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) registraram um boletim de ocorrência no 3º Distrito Policial (DP) de Itanhaém em outubro deste ano sobre o caso. O MP pediu antecipação de tutela por entender que há risco aos idosos, mas a ação tramita normalmente.



A Vigilância Sanitária esteve no local mais duas vezes desde julho. Foi constatado que o estabelecimento abrigava os idosos sem laudo técnico, licença sanitária e cadastro no Conselho Municipal do Idoso. Um dos moradores ainda não tinha 60 anos, então não poderia viver ali na teoria.

Os funcionários são, majoritariamente, da mesma família. Enquanto um rapaz é o responsável legal, a mãe dele, uma enfermeira, realiza os cuidados com outros parentes. Em outubro, após a terceira vistoria, foram constatadas “novas e graves irregularidades” e determinada uma nova autuação. Segundo o MP, o espaço continuou funcionando sem ajustes.

As vistorias apontaram que a pressão dos idosos era aferida diariamente, mas mesmo ao apresentarem necessidades médicas urgentes eles não eram encaminhados a atendimento médico. Ainda de acordo com a ação civil, as técnicas contratadas eram instruídas a dar “dipirona”.

Antes de ser repassado à família em junho, o espaço pertencia a uma mulher que já enfrentou problemas com a vigilância sanitária em Mongaguá. Em novembro, o MP requereu liminarmente que a Justiça determine o fim das atividades no local até que todas as irregularidades sejam sanadas e a transferência dos idosos abrigados a outra ILPI, com auxílio da prefeitura.

A ação mostrou que o comércio ligado ao CNPJ do estabelecimento é referente a equipamentos de telefonia e comunicação, não uma casa equipada para acolher idosos. Pela suposta falta de documentos e contratos disponíveis, as equipes de vigilância não conseguiram contatar os familiares.

“A inconstitucionalidade desta situação insustentável ainda se perfaz presente quando se constata a afetação da função social da entidade, posto que contraria seu fim estatutário, qual seja, a satisfação das necessidades primárias e vitais dos idosos”, diz um trecho.

Ao g1, o advogado Caio Fagundes afirmou que o negócio é familiar e os donos querem regularizar o espaço desde que assumiram, mas há dificuldades burocráticas. Segundo ele, ainda não havia conhecimento sobre a ação civil pública.

O profissional ingressou com uma ação cautelar fiscal em outubro deste ano para evitar a interdição da ILPI. Ele disse à reportagem que a Vigilância Sanitária não orientou adequadamente sobre as mudanças que precisam ser feitas e os órgãos estaduais também não facilitam, pois estariam desconsiderando os pedidos da defesa.

“O pior é [fazerem] uma correlação com pessoas anteriores que tinham clínicas irregulares, que não é o caso. Ela não tem nenhuma relação com os anteriores […]. Como que eu saio de uma clandestinidade se eu dependo desse órgão para que ele me dê o alvará e eu possa promover a abertura da empresa, informar os órgãos regularmente?”, questionou.

Em nota, a Prefeitura de Itanhaém confirmou que o local foi interditado, mas que segue atuando irregularmente. Existe em andamento uma ação de força-tarefa que inclui as secretarias municipais de Assistência e Desenvolvimento Social, Comércio e Vigilância Sanitária, que atua junto à promotoria de justiça, para que sejam tomadas as providências para o cumprimento da interdição.

“Quanto à transferência de idosos para outra ILPI, a Prefeitura de Itanhaém esclarece que, até o presente momento, não foi notificada oficialmente e tampouco teve acesso à ação civil pública”.

O g1 entrou em contato com o Ministério Público para verificar o andamento da ação civil, mas ainda não obteve retorno.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

guaruja,-sp,-prorroga-prazo-para-moradores-aderirem-ao-refis

G1 Santos

Guarujá, SP, prorroga prazo para moradores aderirem ao Refis

A Prefeitura de Guarujá, no litoral de São Paulo, prorrogou a adesão ao Programa de Recuperação Fiscal (Refis) em 90 dias. Para aderir ao programa, que concede isenção de até 100% sobre multas e juros, o pedido deve ser feito até o dia 26 de fevereiro, pela internet (confira abaixo) De acordo com a Prefeitura de Guarujá, o Refis tem o objetivo de incentivar o desenvolvimento econômico do município. Desde […]

today7 de dezembro de 2023 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%