Destaques

Chanceler britânico diz que Israel decidiu retaliar ataque iraniano

today17 de abril de 2024 2

Fundo
share close

Israel decidiu retaliar o Irã após os ataques com mísseis e drones, declarou o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, David Cameron, durante sua visita a Israel nesta quarta-feira (17). Este aviso enfático indica que mais ataques podem estar por vir, aumentando a escalada regional.

Depois dos ataques do Irã na noite de sábado, que envolveram centenas de mísseis e drones, as potências mundiais estão buscando evitar um conflito mais amplo no Oriente Médio. Este foi o primeiro ataque direto do Irã contra Israel após décadas de confrontos indiretos.

Os drones foram lançados pelo Irã em resposta a um suposto ataque aéreo israelense ao complexo de sua embaixada em Damasco em 1º de abril, que resultou na morte de dois generais e dois oficiais iranianos.

Após mais de seis meses de conflito entre Israel e o Hamas, um grupo militante palestino apoiado pelo Irã, os diplomatas estão tentando evitar um confronto direto entre Israel e o Irã.

Embora a maioria dos mísseis e drones iranianos lançados no sábado tenha sido interceptada por Israel e aliados, causando apenas danos menores, Israel afirma que precisa retaliar para manter a credibilidade de seus meios de dissuasão. O Irã declarou que considera o assunto encerrado por enquanto, mas promete retaliar novamente se Israel o fizer.



“Está claro que os israelenses estão decididos a agir”, disse Cameron aos repórteres no início de sua visita a Jerusalém. “Esperamos que eles ajam de forma a contribuir o mínimo possível para a escalada.”

Washington e outros governos ocidentais estão buscando impor novas sanções econômicas contra o Irã para convencer Israel a limitar sua retaliação. Cameron destacou que o Reino Unido deseja ver sanções coordenadas contra o Irã pelo Grupo dos Sete, que se reunirá esta semana na Itália.

“Eles precisam receber uma mensagem clara e inequívoca do G7”, afirmou.

Israel deve discutir sua resposta ao Irã em uma reunião do gabinete de guerra liderada pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que inclui rivais de centro levados ao governo como um gesto de unidade após os ataques do Hamas a Israel em 7 de outubro.

Washington planeja impor novas sanções contra o programa de mísseis e drones do Irã nos próximos dias, esperando que seus aliados sigam o exemplo, disse o conselheiro de Segurança Nacional Jake Sullivan em comunicado na terça-feira.

Anteriormente, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, afirmou que os Estados Unidos usariam sanções e trabalhariam com aliados para continuar a interromper a “atividade maligna e desestabilizadora” do Irã.

O chefe de Política Externa da União Europeia, Josep Borrell, disse em Bruxelas, após uma videoconferência de emergência dos ministros das Relações Exteriores da União Europeia (UE), que alguns Estados-membros pediram que as sanções contra o Irã fossem ampliadas.

Borrell afirmou que a proposta ampliaria um regime de sanções destinado a restringir o fornecimento de drones iranianos para a Rússia, incluindo também o fornecimento de mísseis, e poderia abranger ainda entregas a representantes iranianos no Oriente Médio.

Desde que os combatentes do Hamas desencadearam a guerra em Gaza ao atacar o sul de Israel, resultando na morte de 1.200 pessoas e na captura de 253 reféns, segundo registros israelenses, confrontos também ocorreram entre Israel e grupos alinhados ao Irã no Líbano, Síria, Iêmen e Iraque.

Dentro da Faixa de Gaza, Israel lançou uma ofensiva aérea e terrestre maciça, resultando na morte de quase 34 mil palestinos e deixando milhares de outros presos nos escombros.




Todos os créditos desta notícia pertecem a Destaques.

Por: Michael Caceres

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

alagamentos-em-dubai:-‘semeadura-de-nuvens’-pode-ser-causa-da-pior-chuva-na-historia-da-cidade,-diz-agencia

G1 Mundo

Alagamentos em Dubai: ‘Semeadura de nuvens’ pode ser causa da pior chuva na história da cidade, diz agência

Em pleno deserto, a cidade de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, parou na última terça (16) devido a um problema incomum: a chuva. Nesta quarta (17), ainda era possível ver dezenas de carros abandonados em largas avenidas de Dubai, ainda cobertos quase por completo pelas águas. Veículos abandonados permanecem alagados em Dubai um dia depois de chuva histórica na cidade — Foto: Jon Gambrell/AP Photo Segundo a agência de notícias […]

today17 de abril de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%