G1 Mundo

Como crise do Credit Suisse manchou reputação de estabilidade da Suíça

today21 de março de 2023 6

Fundo
share close

“Com a aquisição do Credit Suisse pelo UBS, foi encontrada uma solução para garantir a estabilidade financeira e proteger a economia suíça nesta situação excepcional”, diz um comunicado do Banco Nacional da Suíça, que observou que o banco central trabalhou com o governo suíço e a Autoridade de Supervisão do Mercado Financeiro Suíço para promover a fusão dos dois maiores bancos do país.

Apesar disso, as ações do Credit Suisse voltaram a cair e valem hoje menos do que US$ 1 (R$ 5,23).

Foi uma reviravolta que poucos imaginariam acontecer, quando em 2008, no auge da crise financeira que varreu o mundo, o Credit Suisse, embora afetado como o restante dos bancos, conseguiu resistir à tormenta sem um resgate do governo, ao contrário do UBS, que agora virou seu salvador.



Mais recentemente, o “rosto” do Credit Suisse tem sido o deus do tênis suíço, Roger Federer. Ele sorri em cartazes nos aeroportos do país, um símbolo de força, excelência, resistência e confiabilidade.

Mas por trás da campanha brilhante havia alguns grandes problemas. Gestão divisiva, exposição cara à empresa financeira Greensill Capital, que entrou em colapso em 2021, um caso decadente de lavagem de dinheiro e uma perda da confiança do cliente nos últimos meses. Resultado: bilhões foram retirados do banco.

A debandada acabou ganhando força após o Banco Nacional Saudita, o maior acionista do Credit Suisse, com quase 10% de participação, indicar que não aumentaria seu investimento.

As ações do Credit Suisse entraram em queda livre, e mesmo uma declaração de confiança do Banco Nacional da Suíça e uma oferta de US$ 50 bilhões (R$ 260 bilhões) em apoio financeiro não conseguiram estabilizar a situação.

Dormiu ao volante? Como isso pode ter acontecido?

Após a crise financeira, há 15 anos, a Suíça introduziu as chamadas leis “grandes demais para falir” para seus maiores bancos.

Era um recado claro às instituições financeiras: nunca mais o contribuinte suíço resgataria um banco do país, como aconteceu com o UBS.

Mas o Credit Suisse é um banco “grande demais para falir”. Em teoria, tinha capital para evitar a catástrofe desta semana.

Também em teoria, os reguladores financeiros suíços e o Banco Nacional Suíço devem estar de olho nesses bancos sistemicamente importantes e podem intervir antes que ocorra um desastre.

Foi estranho, na semana passada, ver o restante do mundo reagir com preocupação real quando as ações do Credit Suisse despencaram e ignorar, a princípio, o que a Suíça estava falando.

Até mesmo a mídia suíça parecia não se importar com as manchetes do Financial Times e parecia mais interessada no debate contínuo sobre quanto apoio a neutra Suíça deveria oferecer à Ucrânia.

No momento em que todos se deram conta, tamanho dano já havia sido causado que o Credit Suisse não tinha mais salvação.

As consequências começaram a ameaçar não apenas todo o setor financeiro da Suíça, mas também da Europa.

Enquanto o governo se reunia em sessão de emergência para tentar encontrar uma solução, quase dava para sentir o cheiro do pânico em Berna.

Ao anunciar a aquisição do banco, o presidente suíço, Alain Berset, disse que “um colapso descontrolado do Credit Suisse levaria a consequências incalculáveis para o país e para o sistema financeiro internacional”.

É difícil evitar a conclusão, dizem alguns suíços, de que as mesmas pessoas que deveriam ter agido para evitar o colapso do Credit Suisse estavam dormindo ao volante.

Reputação da Suíça prejudicada

Essa falta de atenção vai custar muito caro. A aquisição do UBS, pela insignificante soma de US$ 3 bilhões (R$ 16 bilhões), além de ser uma humilhação total para o Credit Suisse, provavelmente deixará seus acionistas um pouco mais pobres.

Haverá também perdas de empregos, talvez na casa dos milhares. Existem agências do Credit Suisse e do UBS em quase todas as cidades suíças. Assim que a aquisição estiver concluída, não fará sentido o UBS mantê-las.

Mas talvez o dano mais caro de todos seja a reputação da Suíça como um lugar seguro para investir.

Apesar dos escândalos ao longo dos anos relacionados às contas bancárias secretas de ditadores (incluindo o filipino Ferdinand Marcos e o congolês Mobutu Sese Seko, além de muitos outros), ou a lavagem de dinheiro para traficantes e sonegadores de impostos, os bancos suíços mantiveram essa reputação personificada na figura de Roger Federer: forte e confiável.

E agora? Um sistema que permite que um banco de 167 anos vá à falência, em poucos dias, à custa de muitos empregos e perdas maciças no valor das ações?

Isso pode causar enormes danos à reputação. O setor bancário suíço, os reguladores financeiros da Suíça e seu governo dizem que a aquisição é a melhor solução.

No último minuto, foi a única solução. Nos próximos dias, haverá algumas perguntas difíceis de responder.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

eua-em-suspense-diante-de-possivel-indiciamento-e-detencao-de-donald-trump

G1 Mundo

EUA em suspense diante de possível indiciamento e detenção de Donald Trump

Em lolcalidades como Nova York, Atlanta e Palm Beach, na Flórida, as autoridades estão fazendo seu planejamento para responder a manifestações depois que Trump convocou protestos no fim de semana para se opor ao que ele mesmo chamou de sua prisão iminente. A imprensa americana aponta que os promotores de Manhattan estão avaliando acusar Trump de falsificação de registros comerciais relacionada a um pagamento clandestino que seu advogado fez à […]

today21 de março de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%