Gospel Prime

Como evangélicos de direita estão invertendo o polo moral da discussão nacional

today19 de janeiro de 2023 12

Fundo
share close

Alguns dias depois dos eventos tristes do domingo, 8 de janeiro, percebo pouca clareza nos comentaristas evangélicos mais atuantes nas redes sociais.  A poeira vai se assentando mas a confusão ainda impera. Como julgar os atos dos “patriotas” que violaram o coração do “espaço sagrado” reservado a nosso governo? Que responsabilidade têm as autoridades, inclusive o Ministro da Defesa, que sabiam dos planos e dos ônibus chegando a Brasília e nada fizeram para proteger os monumentos públicos? Que responsabilidade têm os patriotas pegos inadvertidamente no meio de protestos que se tornaram violentos, à revelia de sua vontade? E o que dizer dos protestadores profissionais que se infiltraram entre a gente do bem, encarregados de depredar, tocar fogo, pixar, apenas para emporcalhar a reputação até então impoluta dos mal falados Bolsonaristas?

Mas a pergunta que não quer calar, para alguém como eu, do ramo da filosofia moral, é essa: “Se colocarmos Deus no meio como ele tem sempre estado no transcorrer desse despertamento político brasileiro, – e é de Deus que o Bem nasce afinal de contas – de que lado ele ficaria?”

A revista evangélica Christianity Today, desonra sua tradição e publica um artigo infame sobre o dia oito de Janeiro- chamando o acontecido de “o pior dia da democracia no país”- sério mesmo, Sr. Gutierres Ferandes Siqueira (quem assina o artigo). Ele segue daí para pior e afirma sem se preocupar em fornecer evidências de espécie alguma a não ser em artigos de sua própria lavra, que me parecem ter a mesma natureza, cheios de afirmações subjetivas e conclusões apressadas- “[o] extremismo que atingiu seu auge no domingo foi plantado e cultivado, em parte, por igrejas evangélicas que apoiaram e fizeram campanha para Bolsonaro nas últimas eleições, e ajudaram a aprofundar a polarização, o discurso de ódio e a radicalização.” O artigo só piora à partir daí, porque para o autor insultos ad hominem e afirmações carregadas de conteúdo emocional mas sem âncora em fatos fazem as vezes de argumentos lógicos. Interessante que esse Sr. Siqueira, tão preocupado com a ordem democrática,  não tenha falado nada sobre a prisão ilegal de mais de 1200 pessoas, sobre o confinamento sofrido por elas, sem água, sem banheiros, sem processo. Não falou  nada sobre a decisão monocrática de um juiz de remover do cargo de um governador em exercício eleito por milhões de pessoas,  e a de prender um secretário de segurança sem processo e sem provas.

A internet, rica em difamadores profissionais da fé fantasiados de teólogos populares, oferece a sua quota de sandices. O teólogo de internet Yago Martins, pinça um comentário em seu Twitter, para ele a principal treta de sua semana, tema ideal para quem vive de cliques: “Nos acampamentos bolsonaristas, muita gente fazia oração, evocava a Deus, compartilhava conteúdos bíblicos e, com o desmonte de alguns acampamentos, pessoas faziam orações e evocavam textos bíblicos.” Termina pedindo vídeos das orações para fazer seus comentários. Quem conhece o caráter e a dimensão diminuta da inteligência desse infeliz que foi confrontado pelo Olavo e pelo Küster e devidamente colocado em seu lugar, sabe o que vem por aí. Espere por condenação moral veemente para quem se atreveu a orar por integridade eleitoral, quem espera transparência e honestidade da parte do governo e tem essas coisas como um direito civil ligado sim- porque não?-  ao exercício social de uma fé holística e íntegra- que torna o protesto contra o abuso autoritário não apenas um direito, mas um dever do cristão.

Não vou me deter aqui a comentar Yago, o grande amigo da tchurma do MBL, ex-associado (?) do Instituto Mises Brasil (pasmem- a que se presta o nome do pobre Mises) ou pelo menos ele assim se apresentava, e atual diretor de um tal Instituto Schaeffer de Teologia e Cultura, porque no Brasil institutos é como o “derrier” cada um tem um para chamar de seu, e os nomes e hipotéticas filiações conceituais que eles se referem não faz absolutamente nenhum sentido. A referência aqui é Francis Schaeffer, influente na América, um culturalista famoso por desconstruir o modernismo para a massa evangélica, fornecendo para o crente comum ferramentas hermenêuticas para entender as mudanças que aconteciam nas décadas finais do século XX. De Schaeffer o projeto de Yago não parece ter herdado muita coisa, sendo que a sua preocupação principal é combater seu próprios pares evangélicos e pentecostais- se alçando a um papado auto-nomeado onde todas suas opiniões e doutrinas são ex-Cathedra.



Deixando o infame Gutierres e o moleque Yago de lado, me ocupo com as opiniões de um teólogo evangélico que me interessa mais. Como eu vivo defendendo o movimento político da direita, e localizo sua origem no despertamento da fé, não me interessa a opinião de ateus, de esquerdistas, ou até de evangélicos de esquerda. Dois exemplos dessa linha nefasta são o mentiroso profissional Ronilson Pacheco, e o lambe-botas de comunista Ariovaldo Ramos.  Esses são que são e ninguém se confunde. Mas quero analisar  a opinião possivelmente emitida de maneira apressada por um evangélico, Pedro Dulci,  da ala dos  “inteligentinhos” que se dizem de direita e que são, querendo eu ou não, influentes na formação de um consenso conservador evangélico.

Pedro Dulci é um jovem teólogo que atrai um número razoável de gente séria oferecendo cursos online de teologia. No domingo fatídico, Dulci se apressou em seu perfil do @instagram a lamentar os acontecimentos. Essa rapidez em comentar o que ainda não se entende é bem típica dos certinhos morais da Intelligentsia evangélica a qual Dulci pertence. Eles se projetam como aqueles que sempre sabem qual é o lado correto da questão, e a expressam copiosamente com textos ricos em citações eruditas, a maioria de autores conhecidos apenas pelos iniciados na sapiência política e teológica dos reformadores holandeses, segundo eles a pedra Rosetta da qual o Brasil não pode prescindir para a interpretação adequada do momento político atual. Vai entender- tudo o que esses pensadores reformados geraram a longo prazo foi o país mais perdido moralmente e mais secular da Europa.

Dulci ilustra seu post com a imagem de um homem erguendo uma bandeira do Brasil manchada de sangue e diz que lamenta o acontecido. Até aí tudo bem, eu também lamento. Mas a imagem aponta para o alvo de seu “lamento.” O teólogo não lamenta a resposta autoritária e fora da legalidade do governo, não lamentou depois a prisão de inocentes por dias confinados em um ginásio sem água e sem banheiros. Não lamenta em nenhum momento o claro curso ditatorial tomado pelo governo PT. Não lamenta tão pouco, como eu o faço hoje, a ingenuidade quase infantil dos patriotas ao cair na armadilha que caíram. Fica claro na imagem e no texto que ele condena mesmo são os patriotas. Ele segue citando  um holandês  G. Groen van Prinsterer, para construir um argumento contra os patriotas cujo cerne é um engano de compreensão, desses que um curso com o velho Olavo teria lhe poupado de cometer.

Para Dulci quem protesta contra o governo, não importa a sua natureza,  é revolucionário, logo, não é conservador. Qualquer resistência à tirania  é por natureza anti-conservadora. A confusão de Dulci é com o termo revolucionário, que ele entende como um termo amplo que abriga qualquer tipo de rebelião contra o status-quo ou até reação contra a tirania. Analfabetismo funcional como dizia o velho. Se o movimento conservador se definisse pela necessidade de uma paralisia total diante do mal já não existiria mais, seria na verdade o contrário do que é – um apelo ao conformismo servil e não a busca do bem.

Dulci usa Prinsterer para dizer que a reação dos patriotas abriga a incredulidade, porque quem é parte desse espírito “revolucionário” é um incrédulo, porque “abre mão de qualquer confiança a não ser a força de seu próprio braço.” Não preciso dizer que aqui ele comete um pecado capital contra todos os cristãos que ao longo da história se atreveram a erguer suas vozes contra a opressão e a injustiça. Ao se manifestarem, coitados, estavam faltando com a fé, ao invés de agir em fé. Ai dos mártires que morreram defendendo inocentes, contestando regimes ou líderes  tirânicos e cruéis, deveriam ter ficado quietinhos, protegido sua própria vida covardemente porque isso sim seria um sinal de fé no Senhor.

E como não podia deixar de ser, o fecho que Dulci dá ao post consegue piorar ainda seu argumento:

Tal circunstância irá enfraquecer qualquer credibilidade de cristãos, conservadores, nacionalistas ou liberais fora de seus círculos. As críticas se tornarão legítimas. A radicalização torna-se justificada.

Ademais, a dose da reação dos três poderes será igualmente desmedida. Não é difícil imaginar para os próximos dias a hipertrofia do STF, como também medidas de vigilância ostensiva sobre o pensamento e a liberdade de expressão. Todos nós seremos afetados.

Tudo isso sem mencionar as críticas ao testemunho cristão, que assistiu hoje o nome de Deus ser usado em vão. No dia do SENHOR, no horário em que a maioria das igrejas estava em culto, tinham pessoas que acreditavam poder fazer justiça com as próprias mãos.

Novamente a incapacidade de raciocínio de  Dulci fica patente. Ao ignorar o que leva as pessoas à rebelião, ele inverte o polo moral da questão. Para esse teólogo brasileiro, o quebra-quebra justificaria uma reação dura do governo. A vítima não só passa a ser culpada pelos crimes cometidos contra ela, mas começa a merecê-los.  O racicíonio de Dulci é esse- se um cidadão resiste a uma assalto por exemplo, não pode reclamar se o bandido “radicalizar” na violência,  afinal quem mandou resistir ao crime? Nesse falso argumento moral todo governo se justifica ao perseguir e punir quem se atrever a protestar contra ele. E pra terminar com chave de ouro, Dulci se preocupa consigo e com os seus- os limpinhos- que serão afetados pela ação dos “incrédulos,” e lamenta que num domingo, “dia do Senhor”- ao invés de estarem nas igrejas – como deve fazer todo bom cristão – esses patriotas estavam “fazendo justiça com as próprias mãos.” Nem se tivesse sido escrito pelo Ronilson Pacheco esse texto não conseguiria ser pior. Dulci entende conservadorismo cristão como uma subespécie do cristianismo pietista- voltado para a alma e o individuo- cuja prioridade é seus próprios ritos. A fé nesse tipo de cristianismo é um produto meramente subjetivo, como já denunciou o sociólogo americano James D Hunter, preocupado com o futuro do evangelicalismo na América. Se Pedro Dulci quer vender essa versão de Cristianismo, tem a liberdade (ou tinha até alguns dias atrás) a liberdade de fazê-lo. Só não me chame esse mexidão ideológico de reflexão biblíca e muito menos de pensamento “conservador.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a Gospel Prime.

Por: Braulia Ribeiro

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

delegado-quer-ex-presidente-do-santos-fora-de-prisao-da-policia-por-temer-‘queima-de-arquivo’;-defesa-e-contra-transferencia;-video

G1 Santos

Delegado quer ex-presidente do Santos fora de prisão da Polícia por temer ‘queima de arquivo’; defesa é contra transferência; VÍDEO

Recentemente, ao ser interrogado por promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), Rollo disse ter informações sobre o tráfico internacional de drogas e que pretende colaborar com as investigações. O depoimento foi obtido pela TV Tribuna, afiliada da Globo. (veja o vídeo abaixo) "Tenho informações sobre tráfico de drogas, tráfico internacional de drogas envolvendo outras […]

today19 de janeiro de 2023 24

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%