G1 Mundo

Como funciona o ‘eixo da resistência’ comandado pelo Irã no Oriente Médio

today18 de janeiro de 2024 6

Fundo
share close

Em ataques do chamado “eixo da resistência” em múltiplas arenas no Oriente Médio, o Irã tenta mostrar poder e a sua rede de influência regional contra os EUA e Israel sem precisar entrar em conflito direto. A atuação dessa frente de aliados vem ganhando destaque desde o massacre do Hamas em Israel, em 7 de outubro, seguido da guerra na Faixa de Gaza, e extrapolou as fronteiras do enclave palestino, com conflitos em Iraque, Síria, Iêmen, Líbano e, mais recente, no Paquistão.

O “eixo” coordenado pelo Irã é predominantemente formado por milícias xiitas e tem entre os pilares principais Hezbollah, Houthis, Hamas (o único sunita) e facções de apoio no Iraque e na Síria. O regime dos aiatolás opera fornecendo armamento e treinamento para a rede de aliados, que não respondem ou se submetem a governos.

Dessa forma, o regime procura atingir indiretamente seus alvos (novamente EUA e Israel), encorajando os parceiros em confrontos por procuração. Tem sido assim no envolvimento direto do Hezbollah no conflito entre Israel e Hamas, com ataques sucessivos na fronteira com o Líbano, o que levou o Exército israelense a remanejar forças para o Norte.



Os rebeldes Houthis, que controlam parte do Iêmen, atuam com drones e mísseis para impedir a circulação marítima da navegação comercial pelo Mar Vermelho. A coalizão liderada pelos EUA já realizou três ataques na última semana contra bastiões rebeldes no Iêmen.

Desde o início da guerra, milícias apoiadas pelo Irã vêm atacando bases e forças americanas no Iraque e na Síria, aumentando a instabilidade na região. Nesta terça-feira, o Irã lançou mísseis contra alvos no Norte do Iraque e abriu uma nova frente ao bombardear bases de um grupo terrorista sunita no Paquistão.

As milícias aliadas do regime iraniano também aproveitam o conflito Israel-Hamas para chamar atenção e ampliar as suas conquistas políticas. “O eixo da resistência é uma máquina aparentemente bem lubrificada guiada pelo Irã, apesar das declarações de Teerã e das organizações aliadas de que operam de forma independente, sem orientação ou ditames do regime dos aiatolás” pondera o analista Zvi Bar’el, do jornal israelense “Haaretz”.

No seu entender, quanto mais durar a guerra em Gaza, mais ficará claro que cada um dos elos deste eixo explora a parceria com o Irã para promover seus próprios interesses. “E eles não são necessariamente os mesmos da República Islâmica”, acrescenta Bar’el.

Os pesquisadores Narges Bajoghli e Vali Nasr, da Escola de Estudos Internacionais da Universidade Johns Hopkins, consideram que a guerra em Gaza mudou o Oriente Médio e deu ao eixo da resistência a sua maior oportunidade até agora para desencadear um ataque militar e de comunicações ao Ocidente.

“Uma imensa raiva pública foi despertada, e a animosidade em relação ao Ocidente poderá desencadear um novo extremismo e instabilidade política. Para os governantes da região, mesmo os que Washington considera aliados, a guerra mudou pressupostos fundamentais sobre a sua própria segurança e as relações com o Ocidente”, ponderam, em artigo publicado pela revista “Foreign Affairs”.

A análise dos pesquisadores é seguida de um alerta: “Os EUA não podem desmantelar facilmente o eixo nem derrotar as ideias que geraram.” Uma prova disso é que esta rede de influência iraniana sobreviveu ao assassinato de Qasem Suleimani, ex-comandante da Força Quds da Guarda Revolucionária Iraniana e principal arquiteto do eixo da resistência.

Quatro anos depois da morte do general, num ataque aéreo ordenado pelo ex-presidente Trump, seu legado se mostra atuante e com potencial para desestabilizar o cenário regional.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

paquistao-retira-embaixador-do-ira-apos-ataque-de-teera-em-solo-paquistanes

G1 Mundo

Paquistão retira embaixador do Irã após ataque de Teerã em solo paquistanês

Governo iraniano afirmou nesta quarta que bombardeou bases do grupo rebelde Jaish al Adl em território paquistanês porque grupo tem ligação com Israel. Paquistão disse também que vai impedir entrada de embaixador iraniano, que está fora do país. Manifestantes protestam contra ataques do Irã ao Paquistão e mostram fotos de uma criança que o governo paquistanês diz ter morrido no bombardeio, em 16 de janeiro de 2024. — Foto: Julia […]

today18 de janeiro de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%