G1 Mundo

Como uma improvável cidade na Europa está atraindo nômades digitais

today6 de outubro de 2023 12

Fundo
share close

Cegonhas fazem ninhos nos postes telefônicos, grupos de avós com lenços na cabeça conversam atrás das macieiras nas esquinas e ciganos em carroças lançam seus chicotes sobre os cavalos pelas ruas.

Acima dos telhados vermelhos, os picos nevados das Montanhas Pirin elevam-se sobre as encostas cobertas de pinheiros, dominando a cidade e sua estação de esqui como um dragão agachado com as asas abertas.

Mas, em um dia quente no início do verão, mais de 700 empresários e freelancers lotaram os cafés daquela cidade provinciana de 10 mil habitantes. Era possível ouvir os mais variados idiomas, do hebraico até o japonês.



Em uma imóvel na praça central, um jovem alemão enumerava os benefícios da semana de trabalho de quatro dias para um auditório lotado, enquanto, no parque local, centenas de nômades digitais observavam seus companheiros discutirem temas variados, como inteligência artificial, estratégias de formação de redes e dicas de saúde.

À noite, um grupo agitado de pessoas dançava e bebia em um bar a céu aberto.

Agora no seu quarto ano, a Festa Nômade de Bansko (Bansko Nomad Fest, em inglês) começou como uma pequena reunião e hoje é a maior celebração anual do estilo nômade digital do mundo.

O festival dura uma semana e inclui dezenas de palestras transmitidas ao vivo, jantares em grupo e atividades como festas à beira da fogueira e rafting — tudo organizado por um pequeno exército de voluntários.

A crescente população nômade digital de Bansko é mais visível durante o festival, mas esta é apenas uma parte da história. Segundo o portal Nomad List, há cinco anos, a cidade é “o centro de trabalho remoto com crescimento mais estável do mundo”.

Desde 2018, ela cresceu 231% – mais do que Madri, na Espanha; que a capital da Polônia, Varsóvia; e que Talin, a queridinha da imprensa de tecnologia, na Estônia.

Esta parece ser uma situação um tanto atípica: afinal, as pesquisas indicam que os nômades digitais costumam preferir cidades litorâneas (como Lisboa ou Barcelona), ilhas e praias (como a ilha da Madeira, Canárias ou Bali, na Indonésia). Por que cada vez mais pessoas procuram um pequeno retiro montanhoso no interior da Bulgária?

Esta história começou com o empresário alemão Matthias Zeitler. Ele chegou a Bansko em 2016, quando pesquisava lugares para organizar um espaço de coworking.

A região atraiu Zeitler por suas belezas naturais e benefícios práticos: Wi-Fi rápido, custo de vida acessível e baixos impostos — apenas 10% para pessoa física e jurídica, um dos níveis mais baixos da Europa.

“Viemos aqui no verão com alguns amigos, alugamos uma casa e decidimos que este poderia ser um bom lugar para formar uma base”, segundo Zeitler

Em 2016, ele abriu o primeiro espaço de coworking da cidade, chamado Coworking Bansko. O empreendimento cresceu rapidamente e, em 2020, ele lançou a Festa Nômade de Bansko. E, três anos depois, os 729 ingressos disponíveis para o festival simplesmente se esgotaram.

Um grande atrativo de Bansko é sua localização, próximo ao Parque Nacional Pirin — Foto: Alastair Gill via BBC

Atualmente, Bansko abriga mais de 300 trabalhadores remotos em qualquer mês do ano — e o pico da população nômade ocorre durante a estação de esqui.

Passar a manhã nas encostas das montanhas e trabalhar no horário de almoço certamente é parte dos atrativos da cidade. Mas Bansko também tem outras vantagens.

Quando a neve derrete, as florestas, os lagos azul-turquesa e os picos acidentados do vizinho Parque Nacional de Pirin — patrimônio da Unesco — oferecem diversas oportunidades de recreação ao ar livre, desde caminhadas até passeios a cavalo ou de bicicleta.

“O que realmente diferencia a cidade de Bansko é como a comunidade é descontraída, amistosa e acolhedora por aqui”, afirma a gerente de marketing francesa Camille Poire. Ela viaja para a cidade com seu parceiro desde 2018.

“Nós relembramos isso todos os anos, quando voltamos de viagem e nos conectamos com a vida social de Bansko”, ela conta.

A oferta de eventos sociais é desconcertante. Eles incluem aulas de salsa, jantares, jogos de tabuleiro, esportes, viagens às fontes termais, concursos e churrascos. Muitos desses eventos são abertos para todos, sejam nômades digitais ou não.

“Quando aparecem pela primeira vez, muitas pessoas dizem: ‘oh, é um pouco calmo demais. Não tenho certeza se irá haver algo para mim'”, conta Becky Bottjer, proprietária do espaço de coworking Altspace. Mas, “depois de dois ou três dias, eles estão dizendo ‘não quero mais sair, preciso até de um dia de descanso.'”

“Os moradores de Bansko gostam dessa atmosfera internacional”, segundo a vice-prefeita Sashka Vuchkova. Ela explica que o aumento do número de famílias estrangeiras e mistas na cidade (incluindo refugiados ucranianos) vem criando uma atmosfera multicultural nas escolas.

“Temos uma classe com alunos de oito países”, ela conta. “Todos eles falam búlgaro, alguns não tão bem. Mas são crianças e irão aprender.”

Nômades digitais que adotaram a cidade estão formando laços com a comunidade local. É o caso do empresário holandês-colombiano José Fiallo, proprietário do centro cultural e cafeteria BanskoLab, que oferece aulas de idioma e oficinas educativas para as crianças.

É claro que a comunidade estrangeira de Bansko inclui coaches e gurus de bem-estar, que costumam participar do movimento dos nômades digitais. Mas há também desenvolvedores, produtores de vídeo, humoristas, designers, professores de inglês, artistas, tradutores e até cientistas, representando dezenas de nacionalidades diferentes.

À medida que a população nômade aumenta, o ecossistema também se expande. Existem agora nove espaços de coworking na cidade, operados por quatro companhias. Eles variam desde o Coworking Bansko, alegre e voltado às interações sociais, até os espaços de escritório operados pela Nestwork e a atmosfera de acampamento de férias do Four Leaf CloverCoLive.

A Nestwork abriu recentemente um segundo local, bastante amplo, e é o mais novo espaço de coworking de Bansko.

Os profissionais de TI búlgaros Dimitar Durchov e Dimitar Vichev voltaram do exterior para abrir o negócio, depois que descobriram a necessidade de um espaço de coworking inteligente e com estilo corporativo — “um lugar acolhedor onde você se sente em casa, mas não tão em casa a ponto de distraí-lo do trabalho”, segundo Vichev.

Eles explicam que Bansko não atrai apenas nômades digitais do exterior. Os búlgaros também estão aproveitando a cidade, mudando-se da capital, Sófia, ou até voltando do exterior.

“Morei em Londres com minha família desde que tinha 12 anos de idade e achei que nunca iria viver novamente na Bulgária”, conta Vladimir Dimitrov, búlgaro de nascimento, que se mudou cinco anos atrás para Bansko.

Ele percebeu que, ali, conseguiria combinar o trabalho online com o snowboard e o ciclismo nas montanhas. “E, ainda por cima, o custo de vida era muito menor, foi muito fácil tomar a decisão.”

O caso de Dimitrov ilustra uma tendência em crescimento. Alguns nômades apreciam tanto o estilo de vida tranquilo de Bansko que estão criando raízes na cidade.

Os imóveis são baratos pelos padrões ocidentais e os preços, embora estejam aumentando, continuam acessíveis.

Um apartamento de um quarto custa de 40 mil a 70 mil euros (cerca de R$ 218 mil a 380 mil). Qualquer pessoa pode comprar um apartamento na Bulgária, embora apenas pessoas com residência permanente possam comprar terras.

O aluguel mensal também é relativamente barato. Os apartamentos de um quarto custam de 300 a 500 euros (cerca de R$ 1,6 mil a R$ 2,7 mil).

Segundo a corretora de imóveis Eli Tsoneva, da imobiliária local Plus Property, os nômades representam cerca de 5% das vendas de imóveis em Bansko. Outros investidores estrangeiros dominam o mercado.

“Trinta por cento dos compradores da nossa imobiliária são búlgaros”, afirma ela.

Quanto a Matthias Zeitler, ele está em busca do seu próprio sonho: transformar um enorme hotel abandonado da era comunista no espaço residencial comum definitivo para os nômades digitais na floresta próxima.

Com 200 apartamentos, um lobby com vários andares, piscina, auditório e vistas panorâmicas, o espaço comunitário Coliving Semkovo será “uma comunidade para a comunidade”.

‘Há uma espécie de magia aqui’, disse um residente de Bansko — Foto: Bansko Nomad Fest via BBC

O Coliving Semkovo será um espaço apenas para adultos, mas Becky Bottjer já observa uma tendência: “famílias nômades digitais” estão se mudando para Bansko.

“Acho que será o próximo grande passo, especialmente com o custo de vida aumentando em lugares como o Reino Unido e os EUA”, afirma ela.

Para Bottjer, depois de conhecerem a vida em Bansko, a tendência das pessoas é retornar à cidade.

“Existe uma espécie de magia por aqui”, ela conta. “Não sei o que é, mas as pessoas parecem estar sempre voltando.”

Conheça os jargões em inglês mais usados no ambiente de trabalho

Conheça os jargões em inglês mais usados no ambiente de trabalho

Na vida nômade, o conceito ‘menos é mais’ se aplica a tudo, inclusive ao bolso

Na vida nômade, o conceito ‘menos é mais’ se aplica a tudo, inclusive ao bolso




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

quem-e-narges-mohammadi,-ganhadora-do-premio-nobel-de-2023

G1 Mundo

Quem é Narges Mohammadi, ganhadora do prêmio Nobel de 2023

Ela iniciou sua militância quando era estudante de física, nos anos 1990. A ativista defendia a igualdade e os direitos humanos das mulheres. Após concluir os estudos, trabalhou como engenheira e também era colunista em vários jornais locais. Mohammadi nasceu em Zanjan, no noroeste do Irã. No começo dos anos 2000, envolveu-se com o Centro de Defensores dos Direitos Humanos em Teerã (capital do Irã), uma organização fundada pela ganhadora […]

today6 de outubro de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%