G1 Mundo

Congresso dos EUA: deposição de presidente republicano mergulha Câmara em caos

today4 de outubro de 2023 12

Fundo
share close

Na terça-feira (3), um republicano — Matt Gaetz — fez exatamente isso. E, com a ajuda dos democratas, conseguiu tirar McCarthy do cargo.

Agora, a maioria dos republicanos está perguntando qual será o rumo da Casa. Quase todos votaram para manter McCarthy no cargo, mas bastaram alguns rebeldes para mergulhar a Câmara no caos.

Por meses, McCarthy trabalhou para manter a direita sob seu comando.



Mas todos os seus esforços foram em vão. Quando o presidente da Câmara precisou contar com o apoio democrata para evitar o chamado shutdown (paralisação dos pagamentos federais em função da falta de aprovação do novo orçamento), seu destino político mudou.

McCarthy ainda poderia ter lutado para reconquistar o poder — por exemplo convencendo os republicanos que se viraram contra ele a mudarem de ideia, como fez em janeiro. Mas parece que restavam poucas opções, e na noite de terça-feira (3), ele indicou que não concorreria novamente.

O cargo de presidente da Câmara que ele buscou durante grande parte de sua carreira política acabou sendo um cavalo de Troia — e, após o término da votação para destituí-lo, ele parecia quase aliviado quando colegas republicanos foram lhe cumprimentar.

Não importa qual republicano venha a substituí-lo, as divisões dentro do partido, que tem maioria na Casa, permanecerão. E os desafios para gerir a Câmara continuam os mesmos.

Embora a destituição tenha sido histórica — McCarthy foi o primeiro presidente da Câmara a ser retirado por votação na Casa —, ela também é sintoma de uma luta feroz entre os republicanos, divididos entre uma ala tradicional e uma base radical que surgiu com o movimento Tea Party, de 2010.

É um embate entre pureza de valores e pragmatismo; entre trabalhar dentro do sistema e mudá-lo.

Matt Gaetz foi o responsável pela moção que derrubou o presidente da Câmara, republicano como ele — Foto: JIM LO SCALZO/EPA-EFE/REX/SHUTTERSTOCK/via BBC

Foi por pouco que McCarthy conseguiu ser eleito presidente da Câmara em janeiro, graças ao apoio de alguns poucos rebeldes republicanos. E foram justamente esses rebeldes republicanos que derrubaram McCarthy na terça-feira.

Mas o grande protagonista da noite foi seu rival, Matt Gaetz, que entrou com a “moção para desocupar a cadeira”.

Enquanto os republicanos que defendiam McCarthy se revezavam durante uma hora de debate antes da votação final, foi Gaetz — posicionado no lado democrata da Câmara, mas conversando com seus colegas republicanos — quem aproveitou a maior parte do tempo para defender a destituição de seu correligionário e antagonista.

O que ficou claro foi que ambos os lados da divisão republicana acham que Washington está com um grave problema financeiro.

Para Gaetz, o processo pelo qual os gastos federais são aprovados é o maior motivo para isso. Ele criticou a forma como o Congresso aprova projetos de lei de grandes gastos para diferentes partes do governo federal, que muitas vezes são negociados a portas fechadas e depois votados em um grande pacote.

Ele também criticou McCarthy por fazer concessões aos democratas — que controlam o Senado e a Casa Branca — durante as negociações sobre o orçamento e o limite da dívida. Gaetz defendeu que, se o seu partido não adotasse uma linha mais dura, nada em Washington mudaria.

Sala da Câmara agitada; no centro, aparece McCarthy, que foi destituído nessa terça-feira (03) — Foto: JIM LO SCALZO/EPA-EFE/REX/SHUTTERSTOCK via BBC

Os defensores de McCarthy, por outro lado, disseram que chegar a um acordo faz parte do processo — e que o então presidente da Casa tinha conseguido, apesar de tudo, avançar com a agenda conservadora.

O congressista republicano Kelly Armstrong acusou políticos como Gaetz de colocar a arrogância e a arrecadação de fundos acima da governabilidade.

“Nos rebaixamos para um lugar onde cliques, o sucesso na TV e a busca incessante pelo gosto mais medíocre das celebridades impulsionam decisões e incentivam o comportamento juvenil.”

Neste momento, a Câmara dos Representantes dos EUA é uma instituição em crise — sem presidente e sem um caminho claro para se eleger um novo nome para o cargo.

O processo de destituição terminou na tarde de terça-feira. Os republicanos, parecendo em estado de choque, encontraram-se a portas fechadas para pensar no que querem fazer agora.

Já os democratas riram de tudo — aparentemente com a crença de que este caos os beneficiará.

Mas a Casa está navegando por águas desconhecidas. E com a iminência de uma paralisação do governo em meados de novembro, deve haver mais turbulência no horizonte.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

teste-de-emergencia:-por-que-todos-os-celulares-nos-eua-vao-acionar-alarmes-as-15h20-desta-quarta

G1 Mundo

Teste de emergência: por que todos os celulares nos EUA vão acionar alarmes às 15h20 desta quarta

Todos os celulares dos Estados Unidos vão acionar alarmes às 14h20 desta quarta-feira (4), pela hora da Costa Leste americana, 15h20 em Brasília. A operação é parte de um teste de segurança realizado pela Agência Federal de Gerenciamento de Emergências dos EUA (Fema, na sigla em inglês). O alerta nacional será realizado em duas partes: a WEA, que será direcionada a todos os telefones celulares; e a EAS, com mensagens […]

today4 de outubro de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%