G1 Mundo

Conheça a pílula abortiva que gerou batalha judicial nos EUA

today8 de abril de 2023 8

Fundo
share close

Algumas horas depois, em uma dramática reviravolta jurídica na direção oposta, um juiz federal de Washington afirmou que a FDA deve manter a disponibilidade da pílula abortiva em pelo menos 12 estados.

Entenda abaixo detalhes sobre a pílula e seu uso nos EUA:

Quão utilizada é a pílula abortiva?



Segundo o Instituto Guttmacher, a pílula representou mais da metade (52%) dos 930.160 abortos registrados em 2020 por esta organização que pesquisa políticas públicas e de saúde reprodutiva nos Estados Unidos.

Em 2008, a cifra era de 17% e em 2017 de 39%

Apesar do número dos chamados aborto por medicação ter registrado um aumento expressivo nos Estados Unidos nos últimos anos, ainda não é tão predominante como em várias nações europeias.

Na França, por exemplo, os abortos deste tipo representaram 70% do total em 2020.

A pílula abortiva é diferente da pílula do “dia seguinte”, que as mulheres podem utilizar logo depois de uma relação sexual para evitar uma gravidez.

A mifepristona é utilizada para induzir um aborto, após a confirmação da gravidez.

Na verdade, envolve mais de uma pílula. A primeira, mifepristona, conhecida também como RU 486, detém a continuidade da gravidez ao bloquear a produção do hormônio progesterona.

Outro medicamento, o misoprostol, é tomado 48 horas depois e provoca cólicas, sangramento e esvazia o útero.

As pílulas abortivas podem ser usadas em casa e não necessitam de assistência médica.

Quando a pílula abortiva foi aprovada?

A FDA aprovou a mifepristona e o misoprostol em 2000.

O uso foi aprovado até a 10ª semana de gravidez. Após este período de gestação, a mulher precisa abortar por outros métodos, como a aspiração intrauterina.

O custo médio de um medicamento abortivo na organização Planned Parenthood é de 580 dólares, mas pode superar US$ 800.

O uso da pílula abortiva durante o período de tempo especificado é considerado seguro e eficaz por especialistas médicos.

A gravidez é interrompida com êxito em mais de 95% dos casos em que a pílula é usada, segundo estudos.

Complicações sérias, como sangramento excessivo, febre, infecção ou reação alérgica, que exigem consulta médica, são incomuns.

O medicamento não funciona para a gravidez ectópica, quando um óvulo fertilizado cresce fora do útero. Esse tipo de gravidez representa aproximadamente 2% do total.

Pelo menos 13 estados americanos proibiram a maioria dos abortos, inclusive os que exigem medicamentos, desde que Suprema Corte revogou em junho do ano passado o direito federal à interrupção da gravidez.

Apesar das proibições, várias organizações se mobilizaram para fornecer pílulas abortivas a mulheres em estados onde o aborto enfrenta restrições.

O alcance dos esforços é difícil de avaliar.

Nos estados onde o aborto é legal, a FDA recentemente flexibilizou as restrições de acesso a mifepristona, com a permissão para o envio por correspondência com prescrição médica ou a venda direta nas farmácias como qualquer outro medicamento.

Manifestantes protestam em frente à Suprema Corte contra revogação de direito ao aborto

Manifestantes protestam em frente à Suprema Corte contra revogação de direito ao aborto




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

pelo-menos-20-migrantes-seguem-desaparecidos-apos-naufragio-de-barco-na-tunisia

G1 Mundo

Pelo menos 20 migrantes seguem desaparecidos após naufrágio de barco na Tunísia

Tunísia substituiu a Líbia como o principal ponto de partida para pessoas que fogem da pobreza e dos conflitos na África e no Oriente Médio. Pelo menos 20 migrantes africanos estão desaparecidos neste sábado (8), depois que seu barco afundou na Tunísia enquanto tentavam cruzar o Mar Mediterrâneo em direção à Itália. A guarda costeira resgatou outras 17 pessoas na cidade de Sfax, no sul do país, do mesmo barco, […]

today8 de abril de 2023 24

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%