G1 Mundo

Conselho de Segurança rejeita resoluções dos EUA e Rússia sobre conflito Israel-Hamas

today25 de outubro de 2023 7

Fundo
share close

As votações deixaram clara a discrepância de opiniões entre os cinco membros permanentes do grupo (Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China).

Para ser adotada, uma resolução exige a aprovação de pelo menos nove dos 15 membros do Conselho e sem veto de nenhum dos cinco membros permanentes.



Guga Chacra: 'A grande saída era a resolução da semana passada'

Guga Chacra: ‘A grande saída era a resolução da semana passada’

A resolução norte-americana foi vetada pela China e pela Rússia, que criticaram a falta de um pedido por cessar-fogo no texto.

Veja abaixo como os países votaram:

  • A favor: 10 (Albânia, França, Equador, Gabão, Gana, Japão, Malta, Suíça, Reino Unido, EUA)
  • Contra: 3 (Rússia, China, Emirados Árabes Unidos)
  • Abstenções: 2 (Brasil, Moçambique)

“Os EUA simplesmente não querem que as decisões do Conselho de Segurança da ONU tenham qualquer tipo de influência para a possível ofensiva por terra de Israel em Gaza”, disse Vasily Nebenzya, embaixador da Rússia na ONU, antes da votação.

A resolução russa não obteve o número mínimo de votos necessários (9) para ser aprovada. O texto teria sido vetado de qualquer forma, pois os EUA, que é um membro permanente do grupo, votaram contra a proposta.

Veja como votaram os países:

  • A favor: 4 (China, Gabão, Rússia, Emirados Árabes Unidos)
  • Contra: 2 (Reino Unido, EUA)
  • Abstenções: 9 (Albânia, Brasil, Equador, França, Gana, Japão, Malta, Moçambique, Suíça)

“Não vale a pena perder mais tempo discutindo a má-fé da resolução da Rússia. Todos vemos que a Rússia não está fazendo nada para envolver quaisquer partes relevantes ou apoiar esforços diplomáticos (inclusive por parte das Nações Unidas) para obter mais ajuda para Gaza”, afirmou o representante dos EUA após a votação da proposta russa.

Segunda tentativa de encontrar uma resolução

Na semana passada, os Estados Unidos vetaram uma resolução elaborada pelo Brasil, que havia recebido 12 votos a favor. Washington criticou a falta de menção ao “direito de Israel de se defender“.

De acordo com a AFP, a nova resolução russa volta a pedir “o estabelecimento imediato de um cessar-fogo humanitário duradouro e plenamente respeitado” e condena “toda a violência e hostilidades contra civis”.

Diferentemente do texto que recebeu votos de apenas cinco países na semana passada, a nova proposta menciona especificamente o Hamas e “condena os abomináveis ataques” do grupo em Israel, em 7 de outubro.

Membros do Conselho de Segurança da ONU votam durante reunião sobre o conflito entre Israel e Hamas — Foto: David ‘Dee’ Delgado/Reuters




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

biden-diz-que-israel-tem-o-direito-de-se-defender,-mas-precisa-proteger-civis-inocentes

G1 Mundo

Biden diz que Israel tem o direito de se defender, mas precisa proteger civis inocentes

O presidente dos EUA, Joe Biden, afirmou, nesta quarta-feira (25), que Israel tem o direito de defender seus cidadãos mas, ao mesmo tempo, proteger civis palestinos na Faixa de Gaza, que são vítimas do conflito entre Israel e Hamas. "Israel tem que fazer tudo ao seu alcance, por mais difícil que seja, para proteger civis inocentes", disse Biden durante uma entrevista na Casa Branca ao lado do primeiro-ministro australiano, Anthony […]

today25 de outubro de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%