G1 Mundo

Contra China, Austrália compra submarinos nucleares dos EUA; conheça modelos

today14 de março de 2023 17

Fundo
share close

As aquisições fazem parte de um projeto ambicioso para fortalecer a presença militar do Ocidente na região Ásia-Pacífico que os dois países e o Reino Unido acabam de lançar.

Na cerimônia, com um submarino nuclear americano classe ‘Virginia’ ao fundo, Biden disse que os Estados Unidos “salvaguardarão a estabilidade na Ásia-Pacífico por décadas” e que a aliança fortaleceria “as expectativas de paz pelas próximas décadas”.

Os modelos de submarino que o governo australiano vai adquirir são os seguites:



  • Os submarinos ‘Virgínia’ de propulsão nuclear e armados convencionalmente “ao longo da década de 2030”, com “a possibilidade de aumentar até cinco, se necessário”, segundo Sullivan.
  • O novo modelo, também de propulsão nuclear e com armas convencionais, é um projeto de mais longo prazo, e irá se chamar SSN-Aukus, e será fabricado com base em um projeto britânico, com tecnologia americana e “investimentos significativos nas três bases industriais”.

Conhecida por seu acrônimo em inglês, Aukus, a associação entre Austrália, Reino Unido e Estados Unidos permitirá ao governo australiano substituir sua frota de submarinos por uma de propulsão nuclear, que agregará uma força substancial à aliança ocidental, que busca conter a expansão militar da China.

O governo australiano calcula que o projeto, de várias décadas, custará quase US$ 40 bilhões (cerca de R$ 209 bilhões) nos primeiros dez anos e criará quase 20.000 empregos.

Albanese disse que se trata “do maior investimento individual na capacidade de defesa da Austrália, e destacou que os três países estão “unidos, acima de tudo, por um mundo onde a paz, estabilidade e segurança garantam uma prosperidade maior”.

O assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse que o projeto ilustra o compromisso a longo prazo de Washington de proteger “a paz e estabilidade” na região Ásia-Pacífico.

A associação com a Austrália, que envolve o compartilhamento de tecnologia nuclear secreta anteriormente concedida apenas ao Reino Unido, é “um compromisso de décadas, talvez de um século”, declarou Sullivan.

Embora a Austrália tenha descartado a implantação de armas atômicas, o projeto submarino marca uma nova e significativa etapa da tentativa liderada pelos Estados Unidos de combater o poderio militar crescente de Pequim na região.

Diante do desafio chinês, que inclui a construção de uma frota naval sofisticada e a conversão de ilhas artificiais em bases em alto-mar, e da invasão russa à Ucrânia, o Reino Unido também busca reforçar sua capacidade militar, informou hoje o gabinete de Sunak.

A China advertiu que o desenvolvimento do Aukus ameaça desencadear uma corrida armamentista, e acusou os três países de atrasarem os esforços de não proliferação nuclear.

“Pedimos a Estados Unidos, Reino Unido e Austrália que abandonem a mentalidade da Guerra Fria e os jogos de soma zero, cumpram as obrigações internacionais de boa-fé e façam mais coisas que levem à paz e estabilidade regionais”, declarou em Pequim a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Mao Ning.

O líder do país comunista, Xi Jinping, fez uma declaração dura na semana passada, acusando os Estados Unidos de liderarem um esforço ocidental de “contenção, aproximação e supressão da China“.

Mas Washington afirma que Pequim alarma os países da região Ásia-Pacífico com suas ameaças de invadir a democracia autônoma de Taiwan, ao mesmo tempo que ressalta a ameaça da Coreia do Norte e de suas armas nucleares.

“O que temos visto é uma série de medidas provocativas que a China empreendeu sob a liderança de Xi Jinping nos últimos cinco a dez anos”, disse Sullivan. “Esta é uma tentativa de defender e proteger o sistema operacional Indo-Pacífico.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

europa-esta-se-armando-em-peso:-relatorio-revela-mudancas-no-mercado-belico-apos-inicio-da-guerra-na-ucrania

G1 Mundo

Europa está se armando em peso: relatório revela mudanças no mercado bélico após início da guerra na Ucrânia

Entre as duas tendências mais importantes do relatório, o pesquisador Pieter Wezeman explica à DW que "as transferências de armas para Estados europeus cresceram significativamente" e que "o papel dos EUA como fornecedor global de armas aumentou de forma igualmente significativa". No quadriênio analisado, de 2018 a 2022, o comércio internacional de armas diminuiu pouco mais de 5% em comparação ao período anterior, de 2013 a 2017. Por outro lado, […]

today14 de março de 2023 13

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%