G1 Mundo

Coreia do Norte vai pagar o ‘preço’ se fornecer armas à Rússia, diz EUA

today5 de setembro de 2023 12

Fundo
share close

Ele disse que os norte-coreanos vão pagar um preço por na comunidade internacional.

O governo dos EUA tem dito que a Coreia do Norte quer vender armas à Rússia para a guerra na Ucrânia.

De acordo com reportagens de jornais dos EUA, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, vai se encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin.



O que a Coreia do Norte pode oferecer à Rússia?

Os EUA afirmaram na semana passada que, apesar de negar, a Coreia do Norte já forneceu foguetes e mísseis de infantaria a Moscou em 2022 para o grupo paramilitar Wagner no conflito na Ucrânia.

Joseph Dempsey, pesquisador do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, afirma que o governo russo tem interesse em projéteis de artilharia que possam ser facilmente integrados.

“A Coreia do Norte provavelmente tem as maiores reservas de projéteis de artilharia e de artilharia herdada da era soviética, que poderiam ser usadas para reabastecer os estoques russos esgotados no conflito da Ucrânia”, afirmou Dempsey.

O governo da Coreia do Norte conseguiu fornecer munições à Rússia porque “se prepara para a guerra há 70 anos”, diz Cho Han-bum, principal pesquisador do Instituto Coreano para a Unificação Nacional.

Presidente russo, Vladimir Putin, e líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, posam para foto durante encontro em Vladivostok — Foto: Alexander Zemlianichenko/Pool via REUTERS

O que a Coreia do Norte quer em troca?

Segundo analistas, a Rússia tem tudo o que a empobrecida Coreia do Norte precisa.

“A Rússia é um país exportador de alimentos, um país exportador de fertilizantes, um país exportador de energia”, explica Cho.

A Coreia do Norte também poderia procurar transferir “tecnologias-chave, conhecimento e capacidade de produção para promover a indústria de armas da Coreia do Norte e torná-la mais sustentável”, acrescenta Dempsey.

Um relatório da ONU de 2022 destaca o papel que um diplomata norte-coreano teve em Moscou na aquisição de tecnologias de mísseis balísticos e na tentativa de obter cerca de 3.000 quilos de aço para o programa de submarinos de Pyongyang.

Quais reuniões realizaram no passado?

O apoio da Rússia, um aliado histórico de Pyongyang, foi crucial durante décadas para sair do isolamento e as suas relações começaram na fundação da Coreia do Norte.

Mas na década de 1980, quando quis reconciliar-se com a Coreia do Sul, a União Soviética reduziu o seu financiamento ao Norte. O fim da URSS foi um golpe duro para Pyongyang.

A Federação Russa e a Coreia do Norte realizaram a sua primeira cúpula em 2000, quando assinaram uma declaração conjunta sobre cooperação econômica e trocas diplomáticas.

A assinatura do acordo entre o presidente russo, Vladimir Putin, e o falecido Kim Jong Il, pai e antecessor do atual líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, estabeleceu um marco na revitalização das relações bilaterais.

Kim Jong-un fez a sua primeira visita oficial à Rússia em 2019, quando procurava estreitar laços com o seu aliado tradicional, em meio à crise com Washington sobre armas nucleares. Não houve declaração conjunta naquela ocasião.

Kim tem sido firme no seu apoio à invasão russa da Ucrânia e, segundo os EUA, forneceu foguetes e mísseis a Moscou. Putin elogiou o “apoio constante de Pyongyang às operações militares especiais contra a Ucrânia” em julho.

O que significaria um acordo entre a Coreia do Norte e a Rússia?

EUA, Reino Unido, Coreia do Sul e Japão afirmaram na semana passada, nas Nações Unidas, que qualquer acordo para aumentar a cooperação entre Rússia e Coreia do Norte violaria as resoluções do Conselho de Segurança, que proíbem acordos de armas com a Coreia do Norte- resoluções que foram endossadas pela Rússia.

Para evitar acusações de violação das resoluções, é provável que os dois aliados “cheguem a um acordo a portas fechadas, sem qualquer anúncio oficial”, diz Cheong Seong-chang, diretor de estudos norte-coreanos do Instituto Sejong.

“Espera-se que Kim e Putin simplesmente digam que concordaram em cooperar em uma ampla gama de áreas, sem especificar quais são”, afirma.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

entenda-por-que-a-india-pode-mudar-o-proprio-nome-e-passar-a-se-chamar-bharat

G1 Mundo

Entenda por que a Índia pode mudar o próprio nome e passar a se chamar Bharat

No sábado (9) começa o encontro dos líderes dos países que compõem o G20, o grupo de maiores economias do mundo na cidade de Nova Delhi, no país de Bharat. Esse é o nome de país que vai constar nos convites para o jantar entre os chefes de Estado, mas trata-se da mesma nação conhecida como Índia. O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, mudou o nome de Índia para a palavra […]

today5 de setembro de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%