G1 Santos

Criança com doença rara tem remédio milionário garantido na Justiça, mas não poderá receber o tratamento; entenda

today27 de março de 2024 10

Fundo
share close

Samuel mora com a família em Praia Grande (SP) e foi diagnosticado com AME tipo 2. Essa é a forma intermediária da doença, que é rara e pode afetar a capacidade de caminhar, correr e até respirar.

Os pacientes têm baixos níveis da proteína SMN e o remédio Nusinersena (Spinraza) serve para aumentar a produção, mas só o Zolgensma é capaz de neutralizar os efeitos da doença.

O Sistema Único de Saúde (SUS) liberou o Nusinersena para a terapia de Samuel, cujo tratamento custa algo em torno de R$ 1,4 milhão no primeiro ano e R$ 711 mil a partir do segundo. Ele terá que receber o medicamento pelo resto da vida.



O Zolgensma, por sua vez, seria administrado uma única vez por infusão intravenosa. A mãe precisou acionar a Justiça para garantir o medicamento e, meses depois, em fevereiro deste ano, recebeu a decisão favorável no Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Com a vitória na Justiça, o menino foi submetido a novos exames para receber a infusão do Zolgensma. O resultado, no entanto, não foi o esperado. Os anticorpos anti-AAV9 vieram positivos.

Ao g1, o médico neurologista Rodrigo de Holanda Mendonca, que atende Samuel, explicou: “Significa que ele tem anticorpos que neutralizam o Zolgensma. Não pode receber o medicamento agora“.

Criança com doença rara aguardou há meses por remédio milionário e descobriu que ainda não poderá tomá-lo — Foto: Arquivo pessoal

O médico neurologista acrescentou que o Governo Federal comprou o medicamento, mas ele ainda está nos Estados Unidos. O envio depende da solicitação de Mendonca, que vai repetir os exames no próximo mês para confirmar a condição.

De acordo com a carta de aprovação do remédio emitida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Zolgensma é produzido a base de vírus AAV e o uso do medicamento em pacientes com anticorpos anti-AAV9 não é aceitável porque não há experiência clínica.

A presidente nacional da Associação Brasileira de Atrofia Muscular Espinhal, Fátima Braga, explicou ao g1 que são raras as pessoas com AME que têm esse anticorpo. Ela acrescentou que ainda não há muitos estudos sobre a aplicação do Zolgensma nesses pacientes.

Mãe conseguiu na Justiça remédio milionário a filho, mas ele não pode tomar devido a anticorpos que neutralizam o efeito do remédio — Foto: Arquivo pessoal

A revendedora e moradora de Praia Grande (SP), Thauany Corrêa, de 22 anos, afirmou à equipe de reportagem que acredita na cura do filho. “Eu pensava que [a cura] era através dessa medicação […]. Se eu acabar me desesperando, não vou conseguir cuidar dele. Eu prefiro confiar”.

Thauany explicou que Samuel continuará fazendo sessões de fonoaudiologia, fisioterapia respiratória, motora e aquática. O paciente também segue recebendo o Nusinersena que, de acordo com ela, tem ajudado no desenvolvimento motor do menino.

“Desde a primeira dose [do Nusinersena], eu vejo coisas que ele está fazendo que eu fico chocada […]. Eu coloco ele no chão para ficar em pé e, às vezes, endurece a perninha e depois amolece de novo. Mas, ele não fazia isso. Era totalmente molinho”, disse a mãe.

Infográfico explica funcionamento do remédio Zolgensma — Foto: Arte/Ben Ami Scopinho/NSC

Em nota, o Ministério da Saúde afirmou ao g1 que adotou as medidas cabíveis para o cumprimento da decisão judicial que determinou a entrega do medicamento Zolgensma a Samuel. A decisão judicial, porém, não determinou o custeio da aplicação.

Atrofia Muscular Espinhal

Ao g1, a presidente nacional da Associação Brasileira de Atrofia Muscular Espinhal, Fátima Braga, explicou que AME é uma doença rara, degenerativa, passada de pais para filhos.

“[A doença] interfere na capacidade do corpo de produzir uma proteína essencial para a sobrevivência dos neurônios motores, responsáveis pelos gestos voluntários vitais simples do corpo, como respirar, engolir e se mover”, afirmou.

No Brasil, de acordo com Fátima, existem aproximadamente 2,5 mil pacientes com a doença. Para ela, por mais que ainda seja um grande desafio, o diagnóstico precoce é essencial para transformar o futuro dos pacientes com AME.

“O cenário ideal seria identificar a AME já nas primeiras semanas de vida do bebê, na fase pré-sintomática da doença, que pode acontecer tanto devido ao histórico familiar ou por uma política pública estruturada de triagem neonatal”, finalizou.

VÍDEOS: g1 em 1 minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

biologo-tatua-o-aedes-aegypti-na-pele-e-diz-que-o-mosquito-e-‘parceiro’-de-trabalho-em-quase-30-anos-estudos

G1 Santos

Biólogo tatua o Aedes aegypti na pele e diz que o mosquito é ‘parceiro’ de trabalho em quase 30 anos estudos

Um biólogo resolveu tatuar na pele um mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue e outras tantas doenças. Ao contrário do medo que o inseto representa a tantas pessoas, que foram infectadas ou perderam entes queridos, Fábio Lopes, de 58 anos, enxerga no vetor um 'parceiro' de trabalho, que é estudado por ele há quase 30 anos. "Metade da minha vida estou dedicando ao Aedes. Ano que vem […]

today27 de março de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%