G1 Mundo

Daniel Alves chora em depoimento e diz que bebeu demais

today7 de fevereiro de 2024 5

Fundo
share close

Ao responder as perguntas da sua própria advogada de defesa, ele chorou e afirmou que bebeu excessivamente naquela noite. De acordo com o relato do “Marca”, ele chorou a ponto de ter dificuldade para completar as frases.

Daniel Alves afirmou que não é um homem violento e que não forçou a denunciante a acompanhá-lo ao banheiro.

Além disso, disse que mentiu na primeira versão, quando afirmou que não teve contato nenhum com a mulher do caso, porque não queria que a sua esposa soubesse.



O brasileiro disse que só soube pela imprensa que era acusado de estupro e que está praticamente arruinado porque suas contas bancárias foram bloqueadas e ele perdeu contratos no Brasil.

O brasileiro afirmou que chegou às 2h30 da madrugada na discoteca e que haviam mudado o camarote que ele deveria ocupar. Por razões de segurança, havia um banheiro em uma área reservada da boate.

Ele afirmou que dançou um tempo com duas mulheres, que depois convidaram outras três –entre elas, a denunciante.

Depoimentos finais e sentença

Depois da fala de Daniel Alvez, o Ministério Público e a advogada de defesa expuseram seus argumentos pela última vez.

Depois de escutar todas as partes, o caso agora vai para a fase de sentença, o que deve demorar cerca de dez dias. Veja abaixo:

O Ministério Público pede 9 anos de prisão, e a denunciante já falou em 12 anos.

  • O que disse o Ministério Público
  • O que disse a advogada de defesa
  • Todas as versões de Daniel Alves sobre o caso

Promotora faz alegações finais

A promotora do caso afirmou que a suposta vítima disse que foi voluntariamente ao banheiro, mas que não sabia o que havia no local.

Ela também afirmou que o relato da denunciante é totalmente verossímil e que há indícios que corroboram com a descrição que ela fez dos eventos daquela noite. Além disso, a suposta vítima não mudou nada em sua história desde o primeiro momento.

Já Daniel Alves deu diversas versões sobre o caso –no julgamento, ele falou pela primeira vez que bebeu muito álcool naquela noite (veja abaixo todas as diferentes explicações que ele já deu).

Em seguida, a representante do Ministério Público relembrou alguns detalhes do depoimento da mulher: ela disse que Daniel Alves a penetrou pela frente e por trás, ejaculou dentro e fora dela e, quando ela estava no chão, deu tapas em seu rosto e disse que ela era “a putinha dele”.

Para o Ministério Público, nada indica que houve consentimento. Ela teria pedido para que Daniel Alves parasse, e ele foi violento: deu tapas e puxou o cabelo dela.

A promotora disse que havia um outro banheiro, mais reservado, com um sofá, mas que Daniel Alves levou a denunciante para um banheiro “asqueroso” e “sujo” porque sabia que a mulher não queria ter relações sexuais com ele.

Por fim, em sua argumentação, a promotora disse que na saída da boate a denunciante estava sendo consolada e apontava para os próprios joelhos quando Daniel Alves passou por ela e se esquivou, com pressa para ir embora.

A advogada de defesa, Inés Guardiola, afirmou que o depoimento da denunciante é evasivo, parcial, não se ajusta à realidade e incoerente.

Guardiola disse que a prima da mulher, que estava na boate, reconheceu o futebolista e quis tirar fotos com ele. A advogada afirmou que os dois dançaram juntos e próximos e que, em duas ocasiões, a denunciante foi até Daniel Alves para recomeçar a “paquera corporal”.

Para a advogada de defesa, a sexualização do comportamento entre a denunciante e o denunciado é clara, porque ´durante a dança ela esfregou suas nádegas nas partes íntimas do réu.

Para Guardiola, os dois estavam dançando juntos e fazendo movimentos que indicavam que havia interesse e atração.

A defesa também disse que Daniel Alves estava bêbado –ele teria tomado seis drinks e suas capacidades cognitivas foram comprometidas a ponto de ele ser impedido de dirigir.

5 de fevereiro de 2024 – Daniel Alves no 1º dia de julgamento na Espanha — Foto: David ZORRAKINO / POOL / AFP

Vinte e oito testemunhas foram convocadas para os depoimentos entre eles a jovem espanhola que acusa o brasileiro, além do próprio ex-jogador.

As versões de Daniel Alves

Antes do começo do julgamento, Daniel Alves apresentou quatro versões sobre o que aconteceu na boate Sutton. Durante o julgamento, ele contou algo diferente: pela primeira vez, afirmou que estava muito embriagado.

Veja abaixo os diferentes relatos que ele já deu sobre o caso.

  • No início de janeiro de 2023, em um vídeo enviado ao canal espanhol Antena 3 depois que o caso veio a público, o jogador negou ter ocorrido relação sexual e disse que sequer conhecia a denunciante. “Nunca vi essa senhora na vida”, afirmou.
  • Dias depois, em um primeiro depoimento à polícia, Daniel Alves declarou ter entrado no banheiro junto com a espanhola, mas negou ter havido qualquer relação entre os dois.
  • Em 20 de janeiro, convocado a um segundo depoimento em uma delegacia de Barcelona, quando foi preso em flagrante, o jogador Alves alegou que a jovem praticou sexo oral nele, porém de forma consensual. O atleta mudou a versão ao ser confrontado pela polícia com imagens da boate.
  • Em 17 de abril de 2023, já preso, Daniel Alves declarou à juíza responsável pelo caso que manteve relações sexuais consensuais com penetração (àquela altura, exames periciais haviam encontrado sêmen do jogador na espanhola). O brasileiro, que era casado com modelo espanhola Joanna Sanz quando ocorreu o episódio na boate, argumentou ter mentido, em um primeiro momento, para ocultar uma relação extraconjugal.
  • No dia 7 de janeiro de 2024, durante seu julgamento, ele foi interrogado pela própria advigada. Nesse depoimento, ele chorou e e afirmou que bebeu excessivamente naquela noite.

Foto de arquivo mostra ex-jogador Daniel Alves durante entrevista coletiva em 1 de dezembro de 2022 — Foto: Andre Penner/AP




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

netanyahu-rejeita-proposta-de-nova-tregua-e-insiste-em-‘vitoria-absoluta’-sobre-grupo-terrorista-hamas

G1 Mundo

Netanyahu rejeita proposta de nova trégua e insiste em ‘vitória absoluta’ sobre grupo terrorista Hamas

Em entrevista coletiva, Netanyahu rejeitou os termos do cessar-fogo e também insistiu na vitória sobre o Hamas, que aconteceria nos próximos meses. Em reação, um oficial do Hamas disse que a resposta de Netanyahu à proposta de trégua evidencia a vontade do primeiro-ministro israelense de protagonizar conflitos na região. O novo cessar-fogo proposto pelo Hamas tem duração de quatro meses e meio, liberação de todos os reféns, retirada das tropas […]

today7 de fevereiro de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%