G1 Mundo

Deputados protestam contra armas no Tenessee, nos EUA, e são expulsos da Câmara

today7 de abril de 2023 10

Fundo
share close

Em um ato incomum de retaliação política, os deputados estaduais republicanos do Tennessee, nos Estados Unidos, expulsaram na quinta-feira (6) dois legisladores democratas da Câmara local por terem liderado um protesto pedindo mais controle de armas.

Uma terceira democrata que também participou do ato foi poupado por pouco por uma margem de um voto.

Os votos geraram ainda acusações de racismo, já que os dois legisladores expulsos, os deputados Justin Jones e Justin Pearson, são negros, e a deputada Gloria Johnson, absolvida, é branca. A liderança republicana negou que a raça fosse um fator, no entanto.



A galeria dos visitantes explodiu em gritos e vaias após a votação final. Os manifestantes gritaram “Vergonha!” e “fascistas!”.

A expulsão é um mecanismo que a Câmara estadual usou apenas algumas vezes desde a Guerra Civil. A maioria das legislaturas estaduais dos Estados Unidos têm o poder de expulsar membros, mas geralmente isso é reservado como punição para legisladores acusados ​​de má conduta grave, e não usado como arma contra oponentes políticos.

Após a expulsão, a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, anunciou que viajará ao Tennesse para tentar resolver a crise.

Os líderes do Partido Republicano disseram que as ações de quinta-feira foram necessárias para evitar estabelecer um precedente de que as interrupções dos legisladores nos procedimentos da Câmara por meio de protestos sejam toleradas.

O deputado republicano Gino Bulso acusou os três democratas de “conduzir um motim”.

Em um comício noturno, Jones e Pearson prometeram voltar ao Capitólio na próxima semana defendendo mudanças.

“Em vez de aprovar leis que proíbem armas e verificações universais de antecedentes, eles aprovaram resoluções para expulsar seus colegas”, disse Jones. “E eles acham que o problema acabou. Nos vemos na segunda-feira.”

Jones, Pearson e Johnson se juntaram aos protestos na semana passada, quando centenas de manifestantes lotaram o Capitólio para pedir a aprovação de medidas de controle de armas.

A cena se desenrolou dias depois do tiroteio na Escola Covenant, uma escola cristã particular onde seis pessoas foram mortas, incluindo três crianças.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ortega-cancela-mais-de-tres-mil-procissoes-de-semana-santa-na-nicaragua

G1 Mundo

Ortega cancela mais de três mil procissões de Semana Santa na Nicarágua

No capítulo mais recente da história macabra de perseguição do regime de Daniel Ortega à Igreja Católica estão as procissões deste ano da Semana Santa. Mais de três mil comemorações de rua foram proibidas, calcula a advogada e investigadora Martha Molina, autora do livro “Nicarágua: uma Igreja perseguida?”. As celebrações são permitidas apenas no interior de templos, num país em que 60% da população expressa a fé católica. As igrejas […]

today7 de abril de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%