G1 Mundo

Desfile nu, dieta e algema na campanha: em meio a candidatos atípicos, Meloni segue favorita na Itália

today8 de junho de 2024 7

Fundo
share close

A manobra visa desfrutar da sua popularidade para impulsionar seu partido e reforçar a extrema-direita europeia com o grupo Conservadores e Reformistas Europeus. Meloni espera que o Parlamento Europeu dê uma guinada para a extrema direita frisando que é “uma mudança de rumo que a Europa espera há muito tempo”.

A campanha da chefe do governo, e de seu partido Irmãos da Itália, se concentra no seu nome próprio. Se nas eleições nacionais em outubro de 2022 seu bordão era “Mulher, mãe, italiana, cristã”, agora os lemas são “Vote Giorgia”, “Com Giorgia a Itália muda a Europa” e “Giorgia, uma pessoa do povo”.

Mesmo se esse pleito tem como objetivo renovar o Parlamento Europeu, estas eleições não suscitaram na Itália nenhum debate profundo sobre as questões que afetam a União Europeia. Acabaram por ser apenas um teste eleitoral para os partidos italianos e, aos poucos, se transformaram em um referendo que ressalta os extremismos.



Matteo Salvini, vice-premiê e líder do partido de extrema direita Liga, por exemplo, repete o lema nacionalista “Mais Itália e menos Europa”. Além disso, ele escolheu como candidato o general racista e homofóbico Roberto Vannacci, comandante durante a invasão do Iraque e a guerra do Afeganistão, que acredita que as mulheres deveriam ficar em casa e os negros não representam a italianidade. O militar foi recentemente suspenso do Exército italiano pela publicação de um livro em que atacava imigrantes, ambientalistas, feministas e homossexuais. Mas o clamor midiático provocado por suas afirmações contribuiu para a sua popularidade e ele pode, em breve, se tornar eurodeputado.

Candidatura clamorosa na oposição

Do lado oposto, o partido Aliança Verde e Esquerda escolheu como candidata Ilaria Salis, uma professora de 39 anos que está presa há mais de um ano na capital da Hungria, acusada de ter participado de um ataque visando dois neonazistas em fevereiro de 2023. Sua história se tornou um verdadeiro caso político. A militante antifascista se declara inocente. Nas audiências no tribunal de Budapeste, Salis apareceu acorrentada, com algemas nos pulsos e nos pés, além de uma corrente de ferro no pescoço, como se fosse uma coleira, segurada por uma policial. As imagens chocaram a opinião pública italiana.

Depois de muitos pedidos do seu pai, agora ela está em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica aguardando o julgamento. Na última quarta-feira ela escreveu uma carta à primeira-ministra Meloni pedindo para ser transferida à embaixada italiana porque recebe ameaças de húngaros. Vale lembrar que a Hungria é governada pela extrema-direita, assim como a Itália e Meloni é grande aliada do primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán.

Para que Salis seja eleita eurodeputada, é necessário que o partido Aliança Verde e Esquerda supere 4% da preferência popular e, segundo as pesquisas, ela tem grande possibilidade de se eleger. Neste caso, a Hungria teria que deixá-la livre graças à imunidade enquanto parlamentar.

Nenhum candidato prometeu que, se eleito, acenderia velas para o santo. Mas durante essa campanha eleitoral na Itália não faltaram promessas bizarras, desde os que juraram que vão tingir o cabelo, até os que garantem que vão se tatuar em caso de vitória.

Stefano Bonaccini, o ex-governador da Emilia Romagna, presidente do Partido Democrata, no topo da lista no nordeste, disse que se for eleito perderá 8 quilos. Na sequência, Pina Picierno, terceira na lista do PD no círculo eleitoral do sul, ironizou a promessa do rival: “Vou pegar os quilos do Stefano: ganho 8 kg, porque na correria desta campanha eleitoral não sobra tempo nem para comer”.

Vale destacar a promessa de Cateno De Luca, prefeito de Taormina, na Sicília, e líder do partido “Sul chama o Norte”, que concorre nas eleições europeias com a lista Libertà: “Se eu for eleito, sairei nu e cobrirei a minha vergonha apenas com a bandeira da União Europeia”, prometeu solenemente.

O que dizem as últimas pesquisas

De acordo com as últimas pesquisas publicadas sobre os partidos italianos que seriam mais votados para o Parlamento Europeu, o Irmãos da Itália de Giorgia Meloni ganharia 27% dos votos. O segundo lugar ficaria para o Partido Democrático, de centro-esquerda, com cerca de 23% dos votos, seguido pelo Movimento 5 Estrelas, com quase 16%. Abaixo estariam a Forza Italia, com quase 9% dos votos, e a Liga, com cerca de 8,0%. Os demais partidos lutam para alcançar o limite de 4% das preferências.

Análise: Eleições para Parlamento europeu mostram avanço da extrema direita na Europa

Análise: Eleições para Parlamento europeu mostram avanço da extrema direita na Europa




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

chefe-da-onu-denunciara-israel-e-grupo-terrorista-hamas-por-violacoes-contra-as-criancas

G1 Mundo

Chefe da ONU denunciará Israel e grupo terrorista Hamas por violações contra as crianças

Inclusão está em relatório sobre crianças e conflitos armados da ONU. Em 2023, grupos terroristas apareceram na lista. que já teve Talibã e Estado Islâmico Crianças são cerca de 35% de todos os mortos na Faixa de Gaza, mais de 6,5 mil, segundo autoridades palestinas. — Foto: Reuters via BBC Israel foi incluída pela Organização das Nações Unidas (ONU) em uma lista global de agressores de crianças ao lado do […]

today8 de junho de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%