G1 Mundo

Diretor de escola brasileiro que mora no Equador diz ter medo de sair de casa após onda de violência: ‘não sabemos o que esperar’

today11 de janeiro de 2024 7

Fundo
share close

Nascido no Rio Grande do Sul, o diretor morou em Cuiabá, onde atuava como pastor. Ele se mudou para o país vizinho há cerca de um ano e afirmou que, desde então, presencia uma onda de violência no país.


Tanque do exército em rua de Quito, no Equador — Foto: Rodrigo BUENDIA / AFP



Nascido no Rio Grande do Sul, o diretor, que preferiu não ter a identidade divulgada, morou em Cuiabá, onde atuava como pastor. Ele se mudou para o país vizinho há cerca de um ano e afirmou que, desde então, presencia uma onda de violência no país.

“A situação está acontecendo há bastante tempo, mas não nessa intensidade. Já ocorreram outros episódios quando o novo presidente assumiu, mas agora estamos vendo ataques mais frequentes, tanto que há duas noites explodiram carros, colocaram fogo em postos de gasolina e saquearam mercados. O vandalismo está sendo coordenado pelos chefes do tráfico”, relatou.

Por medo, o homem afirma que ele e a esposa evitam sair de casa. No momento, segundo o diretor, se locomove apenas por necessidade.

“A gente tem que trabalhar, mas temos medo. A situação é muito delicada. Fui ao mercado e está cheio de policiais, coisa que não acontecia antes. Fui fazer um exame e tinha um corpo na rua. O medo é tanto que eu não saio à noite e nem como fora de casa. No máximo, estou indo ao mercado, banco e farmácia, mas sempre acompanhado. Não sabemos o que esperar, tudo pode acontecer.”, disse.

Equador amanhece com ruas vazias após aumento da violência por toque de recolher

Equador amanhece com ruas vazias após aumento da violência por toque de recolher

Mudanças de caminho e atenção redobrada foram algumas medidas adotadas pelo casal para evitar ser vítima dos criminosos. “Sempre que vou entrar no carro, olho para ver se não tem ninguém por perto, faço caminhos diferentes para chegar aos lugares que preciso ir. Fico colado no volante e sempre olhando o retrovisor”.

Governo do país reconheceu que vive-se uma situação de conflito armado interno

Entenda onda de violência

*Sob supervisão de Kessillen Lopes




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

noboa-propos-referendo-para-assegurar-intervencao-militar-contra-narcotrafico-no-equador

G1 Mundo

Noboa propôs referendo para assegurar intervenção militar contra narcotráfico no Equador

Noboa nomeou duas dezenas de grupos como terroristas e deu aval aos militares para combatê-los. É essa a situação da nação que se transformou na mais violenta do continente, que nos últimos sete anos registrou aumento de 500% na taxa de homicídios, 80% deles relacionados às gangues, de acordo com o Crisis Group. O epicentro da atuação desses grupos está em Guayaquil, onde operam livremente de dentro das penitenciárias, denotando […]

today11 de janeiro de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%