G1 Mundo

Do aperto de mãos a uma escalada de tensão sem precedentes: como a relação das duas Coreias se deteriora a cada dia

today6 de janeiro de 2024 8

Fundo
share close

Satélite espião, rompimento de acordo de não agressão, testes com mísseis balísticos internacionais, lançamento de foguetes em área de fronteira, muitas ameaças.

O g1 explica por que a relação entre os dois países voltou a se deteriorar, depois de um período mais ameno e até de volta de diálogo.

Foi um curto período de reconciliação inédito desde o fim da guerra entre os dois países, que terminou em 1953 sem vencedores e com as duas Coreias divididas —a do Norte, comunista; a do Sul, capitalista.



O acordo de não agressão de 2018 foi abandonado no fim do ano passado pelas duas partes, e corre o risco de ser formalmente revogado.

Em imagem de 2018, o então presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, dão as mãos durante anúncio de acordo na zona desmilitarizada que separa os dois países — Foto: Korea Summit Press Pool/via Reuters

As relações começaram a piorar na carona do cenário geopolítico redefinido após guerra na Ucrânia. Na briga por mais influência na Ásia, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, firmou uma parceria com a Coreia do Sul e o Japão durante viagem ao continente em 2022.

Desde então, tropas dos Estados Unidos têm realizado manobras militares em conjunto com o Exército da Coreia do Sul, o que o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, chama de provocação.

Em resposta, Pyongyang realizou em 2022 e 2023 dezenas de testes com mísseis, recorde na sua história. O movimento aumentou também a frequência dos exercícios dos EUA e Coreia do Sul, em um ciclo de retaliações que durou todo o ano de 2023.

Em resposta, a Coreia do Sul decidiu se retirar do pacto. Seul também retomou a vigilância aérea da linha de frente da fronteira entre os dois países, também proibida no pacto de 2018. Como reação, o país vizinho afirmou que não cumpriria mais o acordo de 2018 e voltaria a instalar armas na fronteira.

Na semana passada, Kim Jong-un afirmou que Pyongyang estava mudando fundamentalmente sua política em relação à Coreia do Sul, que agora é vista como um Estado inimigo.

Tanque sul-coreano faz disparo durante exercícios militares conjuntos com Estados Unidos em Pocheon, cidade sul-coreana perto da fronteira com a Coreia do Norte, 4 de janeiro de 2024. — Foto: Lee Jin-man/ AP

Coreia do Norte faz mais de duzentos disparos perto da fronteira marítima com Coreia do Sul

Coreia do Norte faz mais de duzentos disparos perto da fronteira marítima com Coreia do Sul

Na carona dos embates entre as duas Coreias, potências rivais como Estados Unidos e Rússia e China tem entrado no conflito, acirrando ainda mais as tensões.

Em contraste com a parceria militar entre EUA e Coreia do Sul, China, Rússia e Coreia do Norte têm expressado apoio mútuo constante.

Nesta semana, os Estados Unidos acusaram a Rússia de ter usado mísseis fornecidos pela Coreia do Norte para atacar a Ucrânia e afirmaram que Pyongyang está dando cada vez mais apoio para a invasão russa ao país vizinho.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

tres-anos-apos-invasao-ao-capitolio-nos-eua,-buscas-por-suspeitos-ainda-esta-longe-do-fim

G1 Mundo

Três anos após invasão ao Capitólio nos EUA, buscas por suspeitos ainda está longe do fim

Eles estão entre as centenas de pessoas que foram condenadas pela Justiça dos Estados Unidos por participarem do ataque ao Capitólio do país em 6 de janeiro de 2021. Na ocasião, apoiadores do então presidente Donald Trump invadiram o prédio do Congresso norte-americano com o objetivo de manter o republicano no poder mesmo após ele ter perdido as eleições de 2020 para o democrata Joe Biden. Pelo menos nove pessoas […]

today6 de janeiro de 2024 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%