G1 Santos

Dois policiais da Rota viram réus na Operação Escudo acusados de matar homem desarmado e plantar pistola na cena do crime

today24 de abril de 2024 2

Fundo
share close

Segundo a denúncia do Ministério Público de São Paulo (MP-SP), na noite de 29 de julho de 2023, os policiais militares Rafael Perestrelo Trogillo e Rubem Pinto Santos mataram Jefferson Junio Ramos Diogo, de 34 anos, em uma favela localizada na Rua Quatro, número 1, em Guarujá.

À época da morte, pessoas próximas disseram ao g1 que Jefferson era dependente químico e vivia em situação de rua.

Jefferson Junio era dependente químico e vivia em situação de rua, segundo pessoas próximas — Foto: Arquivo Pessoal



O g1 questionou a Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo, administrada pelo ex-PM de Rota Guilherme Derrite. Segundo a pasta, os policiais foram afastados das atividades operacionais e passaram a atuar em funções administrativas, conforme determinação judicial (leia a íntegra da nota no final da reportagem).

Os PMs alegaram que Jefferson apontou arma para os policiais e que, por isso, dispararam 11 vezes e o atingiram. Após baleado, ainda segundo os policiais, Jefferson fugiu e, ao ser encontrado novamente, ainda portava a arma. Um dos policiais, então, efetuou mais 4 disparos. Depois, os PMs afirmam ter apreendido com ele uma pistola .40 com 8 munições, um carregador de pistola 9mm e porções de drogas em uma mochila.

Laudo necroscópico obtido pelo g1 aponta que Jefferson levou quatro tiros – um no queixo, um na coxa esquerda; um no braço direito e um nas costas.

Câmeras dos PMs registraram ação com diálogos forjados, segundo o MP — Foto: Reprodução

Segundo o MP, entretanto, Jefferson estava desarmado e os PMs sabiam disso. Por isso, para evitar a responsabilização, “realizaram gestos dissimulados e diálogos referentes à arrecadação de uma pistola, posteriormente apresentada à Autoridade Policial [Polícia Civil]”.

“Os denunciados, mesmo com câmeras operacionais, não hesitaram simular a apreensão de uma pistola ao lado do corpo de vítima que, em verdade, estava desarmada”, diz trecho da denúncia apresentada pelo Ministério Público obtida pelo g1.

Ainda de acordo com a denúncia, para evitar que a câmera corporal registrasse que Jefferson estava desarmado, o policial Rubem Pinto Santos se colocou e lado para a cena.

O g1 acionou a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo e tenta contato com os advogados dos PMs.

Afastamento para trabalho administrativo

Em decisão, o juiz Edmilson Rosa dos Santos recebeu a denúncia do Ministério Público de São Paulo e determinou o afastamento dos PMs Rafael Perestrelo Trogillo e Rubem Pinto Santos.

A Justiça definiu que os policiais da Rota devem sair da atividade operacional nas ruas para cumprir trabalho administrativo enquanto respondem à acusação.

Para o magistrado, afastar a dupla da rua é “medida cautelar que se mostra proporcional e razoável para evitar-se quaisquer eventuais alegações de temores de retaliações testigos ou de pessoas ligadas ao caso ou a localidade que se deram os fatos”.

Escudo foi o nome dado pelo governo de São Paulo à operação realizada entre julho e setembro de 2023 na Baixada Santista após a morte um policial militar na região.

Durante a operação, 28 pessoas foram mortas.

Em 2024, com novas mortes de PMs na região, o governo voltou a realizar operações na Baixada – desta vez, batizadas de Verão. Na que vigiu entre 3 de fevereiro e 1º de abril, 56 pessoas foram mortas em ações policiais.

À época, entidades de direitos humanos denunciaram na Organização das Nações Unidas (ONU) o governador Tarcísio e o secretário da Segurança Pública, Guilherme Derrite. Tarcísio rebateu:

“Sinceramente, nós temos muita tranquilidade com o que está sendo feito. E aí o pessoal pode ir na ONU, pode ir na Liga da Justiça, no raio que o parta, que eu não tô nem aí”, disse o governador.

“Todas as circunstâncias dos fatos foram apuradas por meio de Inquérito Policial Militar (IPM) e o procedimento foi remetido à Justiça Comum em outubro de 2023. As imagens das câmeras corporais foram encaminhadas em sua integralidade ao Ministério Público. Os policiais foram afastados das atividades operacionais e passaram a atuar em funções administrativas, conforme determinação judicial.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

idoso-fica-ferido-apos-ser-atingido-por-portao-de-subprefeitura-no-litoral-de-sp

G1 Santos

Idoso fica ferido após ser atingido por portão de subprefeitura no litoral de SP

Caso ocorreu no bairro Rio Branco, em São Vicente, no litoral de São Paulo. Segundo o Corpo de Bombeiros, vítima foi encontrada consciente e orientada. Idoso é atingido por portão de subprefeitura e socorrido com contusão na cabeça Um idoso, de 60 anos, foi socorrido após ser atingido pelo portão da subprefeitura do bairro Rio Branco, em São Vicente, no litoral de São Paulo. Ele teve uma contusão na cabeça […]

today24 de abril de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%