G1 Mundo

‘É uma guerra de drones e artilharia’: russos tentam vencer ucranianos pelo cansaço no Donbass

today8 de março de 2023 10

Fundo
share close

Em um bosque da região de Velyka Novosilka, no Donbass, o soldado ucraniano Ivan, ex-bibliotecário, conta que foi convocado em maio de 2022. Desde o final do ano passado, ele brinca de gato e rato com a artilharia russa. 

“Temos certeza de que eles sabem que estamos aqui. Mas eles não conhecem nossa posição exata”, diz Ivan. 

A reportagem da RFI se aproxima da artilharia ucraniana quando um militar chega em uma caminhonete para avisar que um drone russo está rastreando o local. O aviso deixa as unidades em alerta e todos correm para um abrigo próximo. 



“Neste bosque estamos a seis ou sete quilômetros da linha do fronte. É muito simples para um drone ir e vir e para nós é difícil vê-los com sistemas antiaéreos convencionais”, explica Ivan. “Se tiver radar tudo bem, mas a olho nu… É bem problemático”, reitera.

O soldado conta à RFI que há cerca de 15 dias um bombardeio russo foi realizado na área. “Eles registraram a posição de nossos vizinhos, uma outra brigada que não está longe daqui. Eles foram vistos por um drone e, graças a ele, os russos encontraram as boas coordenadas”, diz. “A guerra na Ucrânia é uma guerra de drones e artilharia. O objetivo é um encontrar o outro para atacar”, ressalta. 

Dias à espera para o ataque

O grupo do qual faz parte Ivan construiu um abrigo subterrâneo, que pode ser acessado por alguns degraus de escada. No local, há algumas cadeiras e um fogão a lenha. Não há grande coisa a ser feita dentro deste cômodo, mas muitas vezes os combatentes passam o dia inteiro esperando. 

Com o distanciamento do drone, a brigada autoriza a equipe da RFI a sair do abrigo. O trajeto é retomado até uma clareira, onde Ivan mostra com orgulho seu instrumento de trabalho: um velho lançador soviético de obus, modelo 2S3 Akatsya.

Longe é possível ouvir foguetes atirados pelas tropas russas. Mas quando será a vez de Ivan atirar? “Impossível dizer. Esperamos e nos contentamos em executar ordens”, responde. 

O soldado descreve à RFI um cenário de incertezas.

“Não temos nenhuma ideia de nosso alvo e da distância dele. Apenas os superiores ou os operadores de drones podem saber o que estamos visando”, explica. 

Apesar de frustrado, o ex-bibliotecário diz compreender que essa é a sua missão. “Não sabemos jamais quando a infantaria vai precisar da gente. Parece que a brigada vizinha começou a trabalhar, pode ser que seja uma resposta após o bombardeio russo. Eles têm mais munições e podem atirar mais longe que a gente”, conclui. 

Batalha em torno de Bakhmut

Se em algumas localidades do leste o ritmo da guerra ocorre a conta-gotas, a Rússia não esconde que, nesse momento, seu objetivo principal é a cidade de Bakhmut, cenário de meses de combates violentos. As duas partes admitiram grandes perdas humanas, mas não divulgam números.

De seu lado, a Ucrânia promete continuar defendendo a cidade, embora muitos considerem que a queda da localidade é inevitável. Algumas unidades já começaram inclusive a se retirar.

“Esta cidade é um importante centro de defesa para as tropas ucranianas no Donbass. Capturá-la permitirá novas operações ofensivas, invadindo as linhas de defesa das forças armadas ucranianas”, disse o ministro da Defesa russo, Serguei Shoigu, nesta terça-feira (7), durante uma reunião com comandantes militares.

Nas últimas semanas, os russos, liderados pelo grupo paramilitar Wagner, avançaram pouco a pouco e parecem já controlar os acessos norte, leste e sul da cidade. Mas, noite de segunda-feira, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que pediu ao Estado-Maior para “encontrar as forças adequadas” para continuar defendendo Bakhmut.

O conselheiro da presidência, Mikhailo Podoliak, também afirmou que no exército ucraniano existe um “consenso” sobre “a necessidade de continuar defendendo a cidade e esgotar as forças inimigas”. Mas fora de Bakhmut, alguns soldados ucranianos acreditam que nada mais pode ser feito para não deixar a cidade cair nas mãos da Rússia.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘nunca-se-renda’:-a-mulher-que-conseguiu-conter-a-socos-homem-que-a-atacou-em-academia

G1 Mundo

‘Nunca se renda’: a mulher que conseguiu conter a socos homem que a atacou em academia

Nashali Alma, de 24 anos, começou a bater nele para se defender, enquanto tentava pedir ajuda pelo celular. Ela conseguiu fugir e o suspeito pelo ataque foi preso em menos de 24 horas. A agressão aconteceu em 22 de janeiro. As imagens mostram o homem tentando agarrá-la pela cintura e imobilizá-la. Ela revida, às vezes pula entre os aparelhos da academia e, após alguns minutos de confrontos físicos, consegue fugir […]

today8 de março de 2023 23

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%