G1 Mundo

Em Budapeste, papa pede fim de “agressividade adolescente”, em referência à guerra na Ucrânia

today28 de abril de 2023 9

Fundo
share close

O argentino de 86 anos só ficará na capital Budapeste durante a viagem devido ao seu frágil estado de saúde, um mês depois de ter sido internado por bronquite.

“É vital recuperar o espírito europeu”, disse o papa durante um discurso ao qual Orban assistiu junto com outros dignatários, diplomatas e membros da sociedade civil. O pontífice advertiu contra uma “espécie de agressividade adolescente”.

O papa chegou pouco antes das 10h (5h em Brasília) na capital húngara, onde as principais estradas estão bloqueadas há dias como parte de uma grande operação de segurança em torno da visita.



Depois de ser recebido no palácio presidencial pelo presidente Katalin Novak, Francisco se encontrou com Orban.

Imagens ao vivo da visita mostraram os dois homens se cumprimentando com um aperto de mão.

“Sem o cristianismo, a Hungria não existiria hoje. A Hungria tem futuro se permanecer no caminho cristão, e o caminho cristão é o caminho da paz hoje”, disse Orban na reunião, segundo a agência nacional de notícias MTI.

Sobre a guerra na Ucrânia, os dois pediram negociações de paz. Orban é uma exceção na União Europeia, ao insistir em manter os laços com Moscou.

As opiniões de Francisco e Orban são antagônicas em relação principalmente à migração. No poder desde 2010, o primeiro-ministro húngaro adota regularmente a retórica anti-imigração para defender uma “Europa cristã”. A postura do pontífice é bem mais acolhedora em relação aos que fogem da pobreza ou de zonas de conflito. Em seu discurso, o papa enfatizou “a necessidade de abertura para os outros”, alertando contra o “fechamento em si mesmo”.

Zoltan Kiszelly, chefe do grupo de reflexão pró-governo Szazadveg, disse que Orban usaria a visita do papa para enfatizar “valores tradicionais compartilhados em torno da família e de Deus”. 

Laszlo Temesi, um jornalista aposentado que estava entre os que estavam nas ruas para tentar avistar o pontífice, disse estar feliz porque a atenção do mundo estaria voltada para a Hungria. “O país tem uma imagem ligeiramente negativa, talvez fique um pouco positiva agora”, disse à AFP.

Francisco fez uma breve escala em 2021, na Hungria, onde 39% da população é católica.

Na tarde de sexta-feira, o papa se encontra com bispos e clérigos locais na Basílica de Santo Estêvão, onde telões montados na praça transmitirão seu discurso ao vivo ao público.

Enquanto estiver em Budapeste, Francisco será, como de costume, acompanhado por seu médico.

No mês passado, ele passou três noites no hospital com bronquite, alimentando preocupações sobre sua saúde a longo prazo e futuro como chefe da Igreja Católica mundial.

Em sua 41ª viagem internacional desde que se tornou papa em 2013, Francisco planeja se encontrar com jovens, membros da igreja local e representantes dos setores acadêmico e cultural, e celebrará uma missa ao ar livre no domingo.

No sábado, o papa também se encontrará com refugiados ucranianos.

Durante uma audiência no ano passado no Vaticano, Francisco agradeceu a Orban – que vem de uma família calvinista – por acolher os ucranianos que fogem da guerra através da fronteira.

Em uma sociedade onde a família e os direitos de gênero são questões políticas polêmicas, a mídia pró-Orban criticou o papa no passado por ser muito favorável aos migrantes e à comunidade LGBTQ+.

Francisco é o segundo papa a visitar a Hungria, depois que João Paulo II fez viagens em 1991 e 1996.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

condutor-do-metro-de-paris-e-indiciado-apos-morte-de-passageira-que-ficou-com-a-jaqueta-presa-nas-portas

G1 Mundo

Condutor do metrô de Paris é indiciado após morte de passageira que ficou com a jaqueta presa nas portas

Um condutor do metrô de Paris, na França, foi indiciado nesta sexta-feira (28) por homicídio culposo (quando não há intensão de matar), na investigação que apura a morte de uma mulher de 40 anos, no sábado (22), que foi arrastada pelo trem depois que a jaqueta dela ficou presa nas portas automáticas. A linha em que houve o acidente ficou paralisada nesta manhã. Apresentado a um juiz de instrução, o […]

today28 de abril de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%