G1 Mundo

Em cerimônia em homenagem aos mortos na Guerra das Malvinas, Milei reivindica soberania sobre as ilhas

today2 de abril de 2024 12

Fundo
share close

Milei falou durante a cerimônia para lembrar os 42 anos do confronto entre Argentina e Reino Unido.

Esse foi o primeiro tributo aos veteranos da guerra durante o governo de Milei. A vice-presidente, Victoria Villarruel, filha de um ex-combatente da guerra, também estava na cerimônia de homenagem.

O presidente ultraliberal já havia dito que as ilhas Malvinas (chamadas de Falklands pelos ingleses) deveriam passar para a Argentina. Ele voltou a citar isso no discurso desta terça-feira, quando afirmou que vai “iniciar uma rota clara para que as Malvinas voltem a ser argentinas”. Sem citar nominalmente os governos anteriores, ele disse que muitos políticos “bateram no peito clamando pela soberania das ilhas, mas sem nenhum resultado”.



Segundo Milei, para que o país seja respeitado, é preciso que seja protagonista no comércio internacional e tenha um exército preparado para proteger sua soberania.

Em seguida, fez elogios aos militares e convocou “uma nova era de reconciliação da sociedade com as Forças Armadas, dando a elas o reconhecimento e o apoio que merecem”.

A última ditadura na Argentina começou em 1976 e acabou em 1983. Desde então, o país julgou e condenou militares que cometeram crimes durante o período.

Milei afirmou em seu discurso que quer mudar a imagem das forças armadas.

Veteranos das Malvinas temem cortes no orçamento

Os veteranos das Malvinhas e os filhos de combatentes que morreram estão em campanha para manter as pensões que outros governos da Argentina concederam a eles em meio aos cortes de gastos públicos que Milei tem promovido.

Entenda a Guerra das Malvinas

As Malvinas (chamadas de Falklands pelo Reino Unido) ficam a cerca de 600 kms de distância da Argentina e 13 mil kms do Reino Unido. Os dois países se desentendem quanto a quem é o dono das ilhas há séculos.

A Argentina afirma que em 1833 ela perdeu a soberania dos territórios para os ingleses de forma ilegal.

O Reino Unido afirma que sua reivindicação é de 1765, anterior a essa data, e que enviou um navio de guerra para as ilhas em 1833 para expulsar as forças argentinas que tinham tentado tomar posse das ilhas.

Em 1982, a Argentina invadiu as ilhas e então começou a guerra de dois meses, que foi vencida pelos ingleses. No total, morreram:

  • 649 soldados argentinos
  • 255 combatentes britânicos
  • 3 moradores da ilha

Anos depois da guerra, em 2013, os moradores das Malvinas votaram em um plebiscito para decidir o destino da ilha, e optaram por permanecer como um território ultramarino do Reino Unido.

Veja abaixo uma reportagem sobre os 40 anos da Guerra das Malvinas.

40 anos da guerra das Malvinas: a disputa entre ingleses e argentinos

40 anos da guerra das Malvinas: a disputa entre ingleses e argentinos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

defesa-civil-de-sp-realiza-testes-em-sirenes-que-alertam-sobre-riscos-de-deslizamentos-no-guaruja,-sp

G1 Santos

Defesa Civil de SP realiza testes em sirenes que alertam sobre riscos de deslizamentos no Guarujá, SP

Testes de acústica serão realizados nesta sexta-feira (5), às 15h30. Mensagens sonoras devem chegar com clareza até aproximadamente 400 metros de distância da escola onde ela foi instalada em Guarujá. — Foto: Nicholas Guimarães/Prefeitura de Guarujá As Defesas Civis de São Paulo e Guarujá, no litoral de São Paulo, realizarão um teste de qualidade no áudio do Sistema de Alerta Remoto (Sisar), que emite sinal sonoro e mensagens de orientação […]

today2 de abril de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%