G1 Mundo

Em encontro fechado, Conselho de Segurança da ONU discute crise entre Venezuela e Guiana

today9 de abril de 2024 9

Fundo
share close

O Conselho de Segurança das Nações Unidas discutiu nesta terça-feira (9), a portas fechadas, a disputa territorial sobre a região do Essequibo, território rico em petróleo e recursos que pertence à Guiana, mas que a Venezuela reivindica.

A reunião no Conselho de Segurança da ONU teve a participação de um representante da Venezuela e da embaixadora da Guiana, Carolyn Rodrigues-Birkett. Ela disse ao término do encontro de mais de duas horas que estava satisfeita: “Podemos dizer que a maioria do Conselho apoia a integridade territorial”.

A embaixadora também disse que há um padrão nos passos dados pela Venezuela e não se deve esperar até que haja uma invasão do território”. Segundo a diplomata, o representante venezuelano disse no encontro que seu país “não invadirá a Guiana”. “Mas acredito que se suas ações estão dizendo uma coisa e suas palavras outra, temos que estar preocupados”, acrescentou.



Os 15 membros do Conselho de Segurança devem emitir um comunicado com os principais pontos da reunião. “.

Guiana convocou o encontro

Solicitada em 5 de abril pelo presidente de Guiana, Irfaan Ali, cujo país é atualmente membro deste fórum da ONU, a reunião abordou as “Ameaças à paz e à segurança internacionais” com base na lei promulgada em 3 de abril pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que considera o Essequibo como um novo estado de sua nação.

Para a Guiana, essa lei é uma “violação flagrante” do direito internacional.

Ali afirmou em sua carta que a nova lei venezuelana “consolida a intenção da Venezuela” de anexar mais de dois terços do território soberano da Guiana e convertê-lo em parte desse país.

Segundo as autoridades guianesas, esta lei viola as medidas provisórias da Corte Internacional de Justiça (CIJ) de 1º de dezembro de 2023.

Em 2018, a Guiana recorreu à CIJ para que ratifique um laudo de 1899 no qual foram fixadas as fronteiras atuais entre os dois países.

  • A obrigação em se abster de palavras ou ações que resultem em escalada do conflito —medida agora descumprida por Maduro
  • A resolução de controvérsias de acordo com o que rege o direito internacional.
  • O comprometimento em buscar coexistência pacífica e unidade da América Latina e Caribe.
  • A ciência sobre a controvérsia envolvendo a fronteira e a decisão do Tribunal Internacional de Justiça sobre o tema.
  • A continuidade do diálogo sobre questões pendentes.
  • Criação de uma comissão conjunta com ministros das Relações Exteriores para tratar questões mutuamente acordadas.
  • O acordo também estabeleceu um novo encontro para discutir o assunto no Brasil.

O território de Essequibo é disputado por Venezuela e Guiana há mais de 100 anos. Desde o século 19, a região estava sob controle do Reino Unido, que adquiriu o controle da Guiana em um acordo com a Holanda. A área representa 70% do atual território da Guiana, e lá moram 125 mil pessoas.

Na Venezuela, a área é chamada de Guiana Essequiba. É um local de mata densa e, em 2015, foi descoberto petróleo na região.

Estima-se que na Guiana existam reservas de 11 bilhões de barris, sendo que a parte mais significativa é “offshore”, ou seja, no mar, perto de Essequibo. Por causa do petróleo, a Guiana é o país sul-americano que mais cresce nos últimos anos.

Tanto a Guiana quanto a Venezuela afirmam ter direito sobre o território com base em documentos internacionais:

A Guiana afirma que é a proprietária do território porque existe um laudo de 1899, feito em Paris, no qual foram estabelecidas as fronteiras atuais. Na época, a Guiana era um território do Reino Unido.

Já a Venezuela afirma que o território é dela porque assim consta em um acordo firmado em 1966 com o próprio Reino Unido, antes da independência de Guiana, no qual o laudo arbitral foi anulado e se estabeleceram bases para uma solução negociada.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

lula-diz-a-obrador-que-invasao-de-embaixada-em-quito-foi-‘grave-ruptura-do-direito-internacional’

G1 Mundo

Lula diz a Obrador que invasão de embaixada em Quito foi ‘grave ruptura do direito internacional’

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) conversou por telefone com o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, nesta terça-feira (9). Segundo o governo brasileiro, Lula disse a Obrador que invasão da embaixada mexicana em Quito foi uma "grave ruptura do direito internacional". Vídeos mostram ex-vice presidente do Equador sendo levado para fora de Embaixada do México "O brasileiro salientou que o episódio representou uma grave ruptura do […]

today9 de abril de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%