G1 Mundo

Em SP, Ministra de Relações Exteriores da Alemanha diz que guerra da Ucrânia ‘é sentida de forma diferente na América Latina’

today6 de junho de 2023 16

Fundo
share close

Ao falar da guerra na Ucrânia, a ministra disse que é preciso nomear o agressor (ou seja, a Rússia), e que o Brasil de fato fez isso na assembleia da ONU, mas ela também insinuou que falta compreensão maior sobre as consequências da guerra em outros países.

“Quero dizer com toda clareza, a ameaça dessa guerra é percebida de forma diferente na América Latina do que na Europa”, disse ela.

Ela também vinculou eventuais desequilíbrios econômicos à guerra: “O ataque russo afetou os preços internacionais, e a segurança e o desenvolvimento não são contrários, são mutuamente dependentes, e se ignorarmos uma violação tão brutal, o livre comércio também não terá mais chances”.



A ministra também defendeu que o Conselho de Segurança da ONU seja ampliado para contemplar um representante da América Latina e um da África, uma das reivindicações que o presidente Lula tem feito em seus discursos sobre política internacional.

Em seu discurso, a ministra fez elogios às tentativas do governo brasileiro de controlar o desmatamento na Amazônia. Baerbock, líder do Partido Verde na Alemanha, teve uma reunião com a ministra Marina Silva em Brasília na segunda-feira (5).

Em São Paulo, ela deu a entender que os alemães querem que o Brasil desenvolva mais a indústria “verde”, como baterias de lítio e painéis solares –ela afirmou que o mundo é muito dependente da China para a produção de painéis solares, e que, em 2015, um incêndio em uma única fábrica chinesa implicou aumento de 50% dos preços desses painéis.

Ela afirmou que um acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul, como o que está sendo negociado, deve ter cláusulas ambientais e também sociais, relativos a proteção aos direitos dos trabalhadores, por exemplo.

A mensagem foi a mesma quando ela falou sobre o lítio: “Se conseguirmos garantir que o lítio seja extraído e processado no Brasil, tornaremos a produção mais independente, vamos gerar empregos, valor agregado e isso nos torna menos dependentes”.

Baerbock é a líder do Partido Verde da Alemanha, que teve a terceira melhor votação nas eleições de 2021. O governo atual do país é formado por uma coalizão de três partidos:

  • Partido Social Democrata, do premiê Olaf Scholz;
  • Partido Verde, de Baerbock;
  • Partido liberal.

O posto de ministra de Relações Exteriores é um dos mais importantes no país.

Ela contou que conheceu o presidente Lula na COP 27, em Sharm el-Sheikh, no Egito (uma reunião da ONU para discutir meio ambiente), em 2022 –Lula já tinha sido eleito, mas ainda não tinha assumido a presidência.

“Quando encontrei o presidente Lula pela primeira vez, na COP do Egito, ele me disse que poderíamos falar sobre tudo, mas há um capitulo da história do Brasil e da Alemanha que ele gostaria de esquecer. Ele abriu o sorriso e disse ‘7 a 1′”, afirmou ela.

Lula e Scholz já se encontraram no Brasil

Scholz, o premiê alemão, estevem em Brasília no fim de janeiro. Na ocasião, Lula afirmou que o Brasil era um país de paz, e por isso não tinha vendido munição para o Ucrânia, como a Alemanha havia solicitado ao governo brasileiro.

Na ocasião, Lula também disse que é preciso mudar os termos do acordo comercial entre a União Europeia e o Brasil, que está sendo negociado.

'A única coisa que não pode acontecer é a Alemanha jogar no Brasil e ganhar de 7 a 1', brinca Lula em encontro com primeiro-ministro alemão

‘A única coisa que não pode acontecer é a Alemanha jogar no Brasil e ganhar de 7 a 1’, brinca Lula em encontro com primeiro-ministro alemão




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

apos-extinguir-a-cruz-vermelha-na-nicaragua,-ortega-cria-a-cruz-branca

G1 Mundo

Após extinguir a Cruz Vermelha na Nicarágua, Ortega cria a Cruz Branca

Não bastasse a extinção da Cruz Vermelha Nicaraguense e o confisco de todos os bens da entidade criada em 1931, o regime comandado por Daniel Ortega criou a sua própria versão da organização humanitária: a Cruz Branca, que passa a ser subordinada ao Ministério da Saúde, sem o prestígio, o aval e a autonomia do organismo internacional. A decisão foi atabalhoada e sacramentada na última sexta-feira (2) pela Assembleia Nacional, […]

today6 de junho de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%