G1 Mundo

Embaixada nega repatriar família de brasileiros feridos em bombardeio no Líbano, diz parente

today7 de junho de 2024 9

Fundo
share close

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores disse que tem prestado assistência aos brasileiros feridos e que “eventuais pedidos de repatriação serão avaliados conforme orientações das equipes médicas sobre as condições de saúde dos envolvidos e à luz da normativa consular vigente”(leia nota completa abaixo).

Fátima Boustani, que nasceu no Líbano e tem cidadania brasileira, estava na casa com os dois dos seus quatros filhos, uma menina de 10 anos e um menino de 9 anos, quando foram surpreendidos pelo bombardeio.

No momento do ataque aéreo, as outras duas crianças, de 12 e 7 anos, tinham saído para a casa dos avós. O marido dela, Ahmad Aidibi, mora em Itapevi. Ele se mudou para o Brasil em busca de oportunidades de trabalho.



Segundo Hussein Ezzddein, primo de Aidibi e que mora em São Paulo, o comunicado da Embaixada foi encaminhado na quinta-feira (6) e diz que: “a pedido do Embaixador, venho reiterar que, de acordo com o regulamento consular brasileiro, não se procede à repatriação de brasileiros que também sejam nacionais dos países onde se encontram, salvo em casos excepcionais, a exemplo de repatriações coletivas”.

À família, o órgão ainda ressaltou que tem acompanhado de perto a evolução do quadro de saúde de Fátima e sua filha Zahraa, e que se empenhou para garantir a transferência dela para um hospital que lhe pudesse prestar a melhor assistência médica possível, garantindo sua internação sem ônus para a família.

“Estamos muito contentes com sua recuperação até o momento. A equipe da Embaixada do Brasil em Beirute permanece dedicada a prestar todo o apoio necessário a sua família e continuará a monitorar atentamente a evolução do estado de saúde da Senhora Boustani e de Zahraa”, finaliza o comunicado.

Ao g1, o Itamaraty ressaltou que, entre os requisitos da repatriação estão a expressa vontade do nacional em ser repatriado e declaração de hipossuficiência emitida pela Defensoria Pública da União. No caso de menores, é necessário a autorização de ambos genitores. Veja nota completa:

“O Ministério das Relações Exteriores, por meio da Embaixada do Brasil no Líbano, tem prestado assistência consular aos brasileiros feridos em ataques no Líbano.

O atendimento prestado aos brasileiros tem atribuído absoluta prioridade à recuperação dos envolvidos e leva em conta, principalmente, as avaliações realizadas pelas equipes médicas.

Como resultado de gestões realizadas pela Embaixada junto às autoridades locais, foi possível transferir cidadã brasileira de Tiro para receber assistência médica em hospital em Beirute. A Embaixada ofereceu, ademais, auxílio aos assistidos para fins de realocação, à luz da situação de segurança no sul do Líbano.

Eventuais pedidos de repatriação serão avaliados conforme orientações das equipes médicas sobre as condições de saúde dos envolvidos e à luz da normativa consular vigente. Dentre os requisitos da repatriação estão a expressa vontade do nacional em ser repatriado e declaração de hipossuficiência emitida pela Defensoria Pública da União.

No caso de menores, é necessário a autorização de ambos genitores. Ademais, somente em casos excepcionais é realizada a repatriação de binacionais que sejam também nacionais dos países onde se encontrem”.

A filha de 10 anos permanece no Hospital Libanês Italiano e o estado de saúde é estável após passar por três cirurgias na perna. O outro filho recebeu alta na quarta-feira (5).

Fátima e o marido planejavam se mudar para o Brasil ainda este ano — Foto: Arquivo Pessoal

Conforme Hussein, o marido de Fátima está com medo de que novos ataques atinjam os filhos, já que os bombardeios israelenses no sul do Líbano continuam. Por isso, ele ainda gostaria que fossem repatriadas as crianças, já que Fátima segue internada em situação que precisa de assistência médica.

“A situação da guerra está piorando. Está muito tenso lá. Diante da negativa, vamos ver se conseguimos arrecadar dinheiro, fazer vaquinha”, ressaltou o primo.

Violência aumenta na fronteira entre Israel e Líbano

Violência aumenta na fronteira entre Israel e Líbano

Um vídeo enviado para Hussein mostra como o imóvel da família ficou destruído após o bombardeio. Nas imagens, é possível ver os destroços e marcas de sangue em um sofá da casa (veja acima).

Segundo agências de notícias internacionais, os ataques foram feitos por Israel, que visava áreas do grupo terrorista Hezbollah. A agência AP diz que o Hezbollah afirmou que interceptou um drone de Israel durante os ataques deste sábado.

Família brasileira perde casa em ataque aéreo no Líbano

Família brasileira perde casa em ataque aéreo no Líbano

Em nota, o governo brasileiro condenou o ataque e informou que presta apoio à família. Veja nota completa:

O governo brasileiro manifesta sua indignação e condena o bombardeio de ontem, dia 1°, em Saddikine, no Sul do Líbano, que resultou em ferimentos em três cidadãos brasileiros. Todos estão recebendo tratamento no Hospital Libanês Italiano, em Tiro. O episódio ocorreu no contexto de ataques das forças armadas israelenses no Sul do Líbano e do Hezbollah no Norte de Israel.

“A Embaixada do Brasil em Beirute está em contato com os familiares e com a equipe médica e presta o apoio consular. Desde o início do conflito entre Israel e Palestina, a Embaixada em Beirute monitora e mantém contato regular com os brasileiros residentes no Sul do Líbano.

O Brasil exorta as partes envolvidas nas hostilidades à máxima contenção, assim como ao respeito aos direitos humanos e ao direito humanitário, de forma que se previna o alastramento do conflito em Gaza e se evitem novas vítimas civis inocentes”.

Brasileira ferida em ataque no Líbano sai de coma

Brasileira ferida em ataque no Líbano sai de coma

Hussein Ezzddein contou ao g1 que seu primo, Ahmad Aidibi, é casado com Fatima Boustani há 15 anos. A família mora em Saddike, a cerca de 100 quilômetros de Beirute.

Aidibi foi para Itapevi antes da mulher e dos filhos para conseguir oportunidade de trabalho, mesmo sem falar português.

Fátima é libanesa, mas já morou no Brasil há alguns anos, tem parente no país e há poucos meses ela e os filhos conseguiram a nacionalidade brasileira.

A família planejava se mudar ainda neste ano para a Grande São Paulo, após o término do período escolar das crianças, informou o primo.

Brasileira que teve casa atingida por ataque aéreo no Líbano está em estado grave

Brasileira que teve casa atingida por ataque aéreo no Líbano está em estado grave




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

video:-drone-faz-1o-‘delivery’-no-monte-everest,-a-montanha-mais-alta-do-mundo

G1 Mundo

VÍDEO: Drone faz 1º ‘delivery’ no Monte Everest, a montanha mais alta do mundo

O Monte Everest, o mais alto do mundo, costuma ser palco de vários recordes. Nesta semana, bateu mais um: a primeira entrega feita por drone na montanha. Uma fabricante de drones da China conseguiu fazer nesta semana o primeiro "delivery" a alpinistas que estavam no alto do monte. Na quarta-feira (5), engenheiros da empresa disseram que conseguiram levar seis cilindros de oxigênio aos escaladores, além de 1,5 kg de suprimentos. […]

today7 de junho de 2024 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%