G1 Santos

Empresário é condenado e multado em R$ 2 milhões por manter funcionários em condições análogas à escravidão

today15 de novembro de 2023 3

Fundo
share close

De acordo com a decisão da 7ª Vara do Trabalho , obtida pelo g1 nesta quarta-feira (15), a multa deverá ser depositada no Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Posteriormente o valor será repassado às vítimas como forma a indenizá-las por danos morais.

Na sentença consta que os funcionários tinham uma jornada exaustiva de 14 a 24 horas de trabalho, sem o intervalo necessário. De acordo com os depoimentos, os empregados eram convocados para uma reunião no dia de pagamento e esta só terminava de madrugada.

Durante o mesmo encontro, segundo os relatos, o empresário escolhia os horários de entrada e saída dos funcionários durante o mês, ou seja, não pagava pelas horas extras. Além disso, eles assinavam recibos com o valor diferente do recebido e, muitas vezes, pegavam o salário em dinheiro.



De acordo com o MPT, os funcionários eram monitorados por câmeras de segurança e submetidos a revistas pessoais com contato físico diariamente.

Ainda de acordo com o documento obtido pelo g1, os pertences dos funcionários, incluindo a carteira com dinheiro e documentos, eram trancados em um armário.

Por este motivo, não podiam comprar algo para comer durante o expediente, sendo obrigados a terem valores descontados do salário para se alimentarem no restaurante do empresário — prática conhecida como truck system, quando empregador promove o endividamento dos empregados.

Inclusive, os alimentos, de acordo com as vítimas, geralmente estavam estragados e chegavam gelados. Os talheres e copos eram compartilhados, sem condições de higiene, e não havia um local apropriado ou horário para comerem.

Alguns depoentes relataram, ainda, que caso os empregados se sentissem mal ou precisassem de atendimento médico, o representante de Paulo dizia “vende que passa”. Há relatos de um funcionário que só pôde ir embora em uma ambulância e outra que foi trabalhar com sangramento após sofrer um aborto espontâneo.

A mãe de uma menor de idade informou à Justiça que Paulo contratava menores de idade para trabalhar nas empresas. A filha dela, segundo depoimento, trabalhava das 9h às 20h, sendo que já chegou a ficar até as 23h. O salário era de R$ 600.

O MPT destacou que houve contratação de trabalho infantil sem a legislação pertinente dos menores de idade, como horário escolar e pagamento adequado.

As investigações mostraram ainda que as empresas não pagavam 13º salário, Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), férias, Descanso Semanal Remunerado (DSR), além de fazerem ameaças e descontos indevidos no pagamento.

No documento obtido pela reportagem consta que a defesa do empresário negou as acusações. De acordo com MPT, os representantes de Paulo alegaram que os depoimentos prestados pelas testemunhas estão contaminados por rancor e as investigações apontam irregularidades ou infrações insuficientes para caracterizar a condição de trabalho análogo à escravidão.

O g1 tentou contato com a defesa de Paulo, mas não a localizou até a última atualização desta reportagem.

O MPT solicitou que Paulo pague R$ 2 milhões de indenização por danos morais coletivos. Ele também deve ser afastado de todas as atividades comerciais, sob pena de multa diária de R$ 100 mil, como medida para preservação da vida, segurança e saúde da classe trabalhadora.

Por fim, as empresas e todos os bens devem ser tirados do empresário por submeter as pessoas a condições análogas à escravidão. O valor da condenação será depositado no Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

VÍDEOS: g1 em 1 minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘voltar-para-gaza?-e-dificil,-porque-quase-nao-tem-mais-gaza’,-diz-shahed,-uma-das-32-pessoas-repatriadas

G1 Mundo

‘Voltar para Gaza? É difícil, porque quase não tem mais Gaza’, diz Shahed, uma das 32 pessoas repatriadas

“Não tem futuro mais naquele país. Antes da guerra, a Faixa de gaza era um lugar bem bonito, parece a Europa, muito lindo. Só que agora, infelizmente, está tudo destruído. Minha casa mesmo já foi bombardeada. Eu vou voltar pra onde? Não tem lugar”, afirmou Shahed. “Vou ficar no Brasil, já estava tentando voltar para o Brasil antes da guerra, mas tive alguns problemas. Vou continuar minha vida aqui”, acrescentou […]

today14 de novembro de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%