G1 Santos

Engenheira brasileira faz surdos ‘sentirem música’ em museus da Europa: ‘realizada’

today2 de abril de 2023 5

Fundo
share close

Ao g1, Caroline explicou neste domingo (2) que a obra levou seis meses para ser concluída. A escultura possui pétalas de diversos formatos e materiais, com diferentes frequências de ressonância. Dessa forma, elas possibilitam múltiplos padrões de vibração em uma escultura só.

A Blooming Sounds começou como um projeto de Caroline e o francês Justin Sabaté, durante o mestrado de Engenharia Acústica na Universidade Técnica da Dinamarca (DTU).

Orientados pelo professor Jeremy Marozeau, que teve a ideia principal da obra, a dupla desenvolveu a escultura voltada para pessoas surdas com implante coclear, um aparelho auditivo complexo e externo que amplifica o som para quem tem uma perda auditiva mais simples, por exemplo, devido à idade.



“A gente estuda as limitações desse aparelho para poder melhorá-lo. A dificuldade de distinguir frequências muito próximas [na música], que causam sentimentos de tensão, angústia, medo e tristeza, às vezes, é perdida”.

A iniciativa também pode alcançar pessoas surdas e o público em geral. De acordo com a engenheira, a obra ganhou mais repercussão após ser exposta no concerto “Distortion Festival” em Copenhage, a capital da Dinamarca, onde pôde ser utilizada por diversas pessoas, inclusive não surdos.

Foi justamente neste evento que o nome da escultura surgiu, já que o tema da exposição, voltada ao público infantil, era sobre florestas. “Então, o que já estava mais ou menos parecendo uma flor a gente forçou a ser, para caber no tema”, explica.

Se na primeira exposição a obra ainda não tinha exatamente o formato ideal de uma flor, nas seguintes a dupla teve ajuda da artista Kiral World, que tornou o corpo da escultura mais semelhante ao nome.

Engenheira santista vê seu projeto que faz surdos ‘sentirem música’ ser exposto em museus da Europa. — Foto: Kiral World

Ao longo do último ano, a ‘flor’ ainda passou pela Copenhagen Contemporary (CC) e depois no Museu de Genebra, na Suíça, durante cinco meses. As músicas disponíveis ao público eram principalmente autorais, segundo ela. No momento, o grupo de pesquisadores busca apoio financeiro para continuar o projeto e, nesse meio tempo, o trabalho deve ser melhorado.

Nascida em Santos, Caroline se mudou para o Rio Grande do Sul para cursar a graduação de Engenharia Acústica na Universidade Federal de Santa Maria, única do país a disponibilizar esse bacharelado.

Porém, foi durante uma feira de ciências que descobriu projetos em que objetos emitem vibrações de acordes musicais. Na época, um estudante da Universidade de São Paulo (USP) fez um teclado que vibrava o som em uma pulseira.

“Eu lembro que toquei no teclado com o acessório e senti a vibração dele, mas eu não ouvia nada da música, não estava tocando e eu achei muito doido”, lembra.

Após ter entrado na UFSM, a estudante fez o estágio obrigatório em uma empresa dinamarquesa que fica justamente na DTU. Logo, a jovem se inscreveu no mestrado, que disponibiliza o projeto Augmented music (Música Aumentada), uma mistura entre a pesquisa do implante coclear e a arte. “Quando o professor ofereceu a participação nesse projeto eu fui correndo, porque é uma coisa que já tinha me chamado atenção há muito tempo”, disse.

Nele, um grupo de seis pessoas se dividiu em duplas e, além da flor criada por Caroline e Justin, outros integrantes fizeram uma cadeira e um tronco de árvore, que possuem os mesmos efeitos da “Blooming Sounds.

Caroline Gaudeoso, de 27 anos, explica que a “Hugging tree” é um tronco de arvore que vibra, para que dessa forma pessoas surdas possam abraçar a música — Foto: Divulgação

Caroline Gaudeoso e a banda O Baile, que toca Música Popular Brasileira (MPB) na Dinamarca. — Foto: Arquivo Pessoal

Caroline explica que sempre teve uma relação com a música, inclusive, isso a levou a participar da banda O Baile, que toca Música Popular Brasileira, especialmente Bossa Nova. Ela ressalta o efeito que a arte tem de unir e de levar alegria às pessoas: “Me sinto muito realizada de poder fazer com que todo mundo tenha esse acesso ao sentimento que a música traz”, disse.

Ela ainda afirma que, no fim das contas, o som é uma vibração que é traduzida pelo ouvido como música. “Os surdos poderiam ter acesso a isso, a única coisa que falta são pessoas capacitadas para criar essa tecnologia”, ressalta.

VÍDEOS: “Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

corpo-e-encontrado-sem-cabeca-e-bracos-em-parque-de-preservacao-ambiental-no-interior-de-sp

G1 Santos

Corpo é encontrado sem cabeça e braços em parque de preservação ambiental no interior de SP

Vigilante encontrou os restos mortais que foram recolhidos para análise. A perícia esteve no Parque Estadual da Serra do Mar, em Pedro de Toledo, para coletar materiais que podem contribuir na investigação. Parque Estadual Serra do Mar, núcleo Itarirú, onde o corpo foi encontrado — Foto: Divulgação/Polícia Ambiental Um corpo em estado de decomposição foi encontrado sem os braços e a cabeça no Parque Estadual da Serra do Mar, no […]

today2 de abril de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%