G1 Mundo

Entenda como sangue contaminado dos EUA causou morte de 3.000 no Reino Unido; governo anuncia compensação

today21 de maio de 2024 11

Fundo
share close

Nesta terça-feira (21), o governo do Reino Unido anunciou um esquema de recompensa financeira para os parentes das vítimas que começarão no fim deste ano.

Nessas décadas, o país europeu importou derivados de sangue dos Estados Unidos, onde havia uma política para remunerar as pessoas pelo sangue. Muitos prisioneiros e usuários de drogas faziam isso para receber dinheiro.

Além disso, o Reino Unido não tomou obrigatórios os procedimentos que poderiam tornar as transfusões seguras (leia mais abaixo).



Essa história é considerada o problema mais fatal do serviço público de Saúde do Reino Unido, que existe desde 1948. Acredita-se que cerca de 3.000 pessoas morreram em decorrência dessa crise.

No relatório, há críticas a profissionais de saúde, servidores públicos e políticos. Muitos deles já morreram. Esse documento também deve ser usado na Justiça para que o governo pague compensações.

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, afirmou que o resultado do relatório deveria mexer profundamente com o país e que as instituições falharam de uma forma devastadora.

Sangue foi importado dos EUA e material vinha de prisões

Nos anos 1970 e 1980, milhares de pessoas que precisaram de transfusões de sangue foram expostas a sangue contaminado com HIV e hepatite (incluindo um tipo de infecção hepática até então desconhecida, que mais tarde foi denominada hepatite C).

Os pacientes hemofílicos (uma condição que afeta a capacidade de coagulação do sangue) passaram a receber um produto derivado de plasma sanguíneo chamado Fator VIII.

Esse novo tratamento foi incorporado pelo sistema público de saúde.

A demanda por esse derivado de sangue superou rapidamente a oferta doméstica, então o Reino Unido começou a importar Fator VIII dos Estados Unidos.

Nos EUA, grande parte do plasma vinha de prisioneiros e de usuários de drogas que recebiam dinheiro pelo sangue. Isso aumentou drasticamente o risco de o material estar contaminado.

O Fator VIII era feito misturando plasma de milhares de doações. Nesse processo de mistura, um doador infectado comprometia todo o lote.

Em meados dos anos 1970 já havia evidências de que hemofílicos tratados com Fator VIII eram mais propensos a hepatite.

A Organização Mundial da Saúde, que havia alertado em 1953 sobre os riscos de hepatite associados à mistura de produtos plasmáticos, pediu para que os países não importassem plasma.

A Aids foi reconhecida pela primeira vez no início dos anos 1980 entre homens gays, mas logo começou a aparecer entre hemofílicos e aqueles que haviam recebido transfusões de sangue.

Embora o HIV não tenha sido identificado como a causa da AIDS até 1983, alertas foram enviados ao governo do Reino Unido no ano anterior, indicando que o agente causador poderia ser transmitido por produtos sanguíneos. O governo argumentou que não havia provas conclusivas. Os pacientes não foram informados do risco e continuaram a usar um tratamento que os colocava em perigo de vida.

Ativistas argumentam que desde os anos 1940 já estava claro que o calor matava a hepatite em outro produto plasmático (albumina). Ou seja, dizem eles, o Fator VIII poderia passar por um processo para que fosse seguro, mas as autoridades não tornaram isso obrigatório.

Evidências apresentadas à investigação sugerem que as autoridades não quiseram fazer isso porque os custos aumentariam. O Fator VIII não aquecido foi prescrito pelo sistema público de saúde do Reino Unido até o final de 1985.

VÍDEO: governo britânico e especialistas negam relação entre vacina e Aids

Fato ou Fake no G1: governo britânico e especialistas negam relação entre vacina e Aids

Fato ou Fake no G1: governo britânico e especialistas negam relação entre vacina e Aids




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

o-assunto-#1.218:-ira-–-instabilidade-e-o-futuro-do-regime

G1 Mundo

O Assunto #1.218: Irã – instabilidade e o futuro do regime

Morto no domingo (19) em um acidente de helicóptero, o presidente Ebrahim Raisi era um dos nomes mais cotados para ser o sucessor do líder-supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei. Líder iraniano desde 1989, Khamenei tem 85 anos e está com a saúde debilitada – a figura dele é a mais importante do país, uma nação complexa do Oriente Médio, com quase 90 milhões de habitantes. A morte de […]

today21 de maio de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%