G1 Mundo

Entenda por que os juros americanos afetam o mercado financeiro no mundo todo

today28 de julho de 2023 10

share close

O mercado financeiro esperava um desempenho mais fraco da maior economia do mundo. No primeiro trimestre, o Produto Interno Bruto – o conjunto de todos os bens e serviços produzidos pelo país – subiu 2% na taxa anualizada. O dado divulgado nesta quinta-feira (27) mostrou que no segundo trimestre o crescimento foi de 2.4% – impulsionado pelos gastos dos americanos, que em 2023 estão mais fortes. Mesmo com a inflação acumulada em doze meses a 3% – índice ainda acima da meta do Banco Central americano, que é de 2%.

Com a chegada da primavera e do verão no Hemisfério Norte, os americanos gastaram mais com férias, com serviços – como restaurantes – e ainda, segundo o braço do Banco Central na Filadélfia, com ingressos para o show da cantora Taylor Swift. A turnê de uma das maiores pop stars do país impulsionou o turismo regional.

O aumento do PIB surpreendeu porque há mais de um ano o Federal Reserve, o Banco Central americano, tenta frear os gastos do consumidor para conter a inflação. A principal medida para isso é o aumento da taxa de juros, que encarece o crédito e desacelera o consumo. Na quarta-feira (26), o Fed anunciou mais um aumento, que levou os juros para o maior nível em 22 anos. O presidente do Banco Central, Jerome Powell, indicou que o Fed pode aumentar mais uma vez a taxa na reunião de setembro.



Em pouco mais de três anos, a trajetória dos juros americanos mudou completamente. No início da pandemia, em março de 2020, o Fed decidiu baixar a taxa de juros a praticamente zero. O objetivo era facilitar o crédito e, assim, atenuar a crise econômica. Os juros ficaram estáveis por dois anos.

Foi só em março de 2022 que o Banco Central voltou a elevar a taxa, com a alta inflação como novo inimigo. Daí para frente, foram outros dez aumentos seguidos. Com o de quarta (26), a taxa atingiu 5,5%.

Em pouco mais de três anos, a trajetória dos juros americanos mudou completamente — Foto: Jornal Nacional/ Reprodução

Os juros americanos têm reflexo no mundo todo. Quando eles sobem, a tendência é que os investidores retirem recursos de outros países para aplicar nos Estados Unidos – isso porque os títulos americanos são considerados mais seguros.

Falando o idioma ”economês” dos Estados Unidos, a política do Banco Central divide especialistas entre os chamados pombos e falcões. Os pombos são aqueles contrários a alta dos juros. Os falcões são economistas a favor de uma política monetária rigorosa.

O especialista Campbell Harvey, da Universidade Duke, avalia que Banco Central americano está levando os Estados Unidos para uma recessão. Ele disse que o Fed cometeu erros graves em 2023; deveria ter acabado com os aumentos na taxa de juros em janeiro.

“A força com que a taxa subiu é sem precedentes. Quando você tem taxas de juros a curto prazo mais altas do que no longo prazo, sempre acaba em recessão”, afirma.

O professor de finanças Sorin M. Sorescu defende que não existia alternativa:

“A outra maneira de combater a inflação seria aumentar impostos ou reduzir gastos. Estas opções são inviáveis porque teriam que passar pelo Congresso. Então, o Banco Central teve agir com a única ferramenta disponível: aumentar as taxas de juros”, explica.

Embora discordem da política monetária adotada até aqui, há um consenso entre os dois economistas sobre o futuro: “O Banco Central deve considerar diminuir os juros em 2024”, diz Sorin. Campbell avalia que o preço e o risco de uma recessão são muito altos e isto teria um impacto negativo também em outros países.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Mundo

Corpo de alpinista que estava desaparecido é encontrado após 37 anos na Suíça

Homem tinha 38 anos quando desapareceu. Recuo de geleiras por causa das mudanças climáticas permitiu que corpo fosse encontrado. Imagem das montanhas que fazem parte dos Alpes suíços — Foto: Divulgação/MeteoSwiss Os restos mortais de um alpinista alemão, desaparecido desde 1986, foram encontrados em um glaciar dos Alpes suíços, informou a polícia do cantão de Valais nesta quinta-feira (27). Por causa das mudanças climáticas, o recuo dos glaciares está trazendo à tona corpos de montanhistas desaparecidos há décadas. Em 12 […]

today28 de julho de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%