G1 Mundo

Essequibo: Brasil enviará Amorim para reunião entre Maduro e presidente da Guiana

today11 de dezembro de 2023 10

Fundo
share close

O encontro ocorrerá em São Vicente e Granadinas, país do Caribe, que ocupa temporariamente a presidência da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) – que será a responsável por promover a reunião junto à Comunidade do Caribe (Caricom).

A decisão sobre a ida de Celso Amorim foi tomada neste domingo (10), durante conversa entre o chanceler Mauro Vieira e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Assim que o nome de Amorim foi definido, Vieira telefonou ao primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves, e confirmou a ida do assessor especial. Lula chegou a ser convidado para o encontro para atuar como observador, segundo o governo guianês.



Amorim viajou a Caracas há cerca de duas semanas, e tem sido o principal articulador na retomada das relações diplomáticas do Brasil com a Venezuela, desde que Lula assumiu seu terceiro mandato. Foi Amorim o responsável pelas conversas para a reabertura da embaixada brasileira no país.

A Venezuela afirma ser a verdadeira proprietária de Essequibo, um trecho de 160 quilômetros quadrados que corresponde a cerca de 70% de toda a Guiana e atravessa seis dos dez estados do país. A realização do referendo reavivou a disputa, de décadas, e o temor de um conflito armado na fronteira com o Brasil.

Fantástico visita Essequibo, região da Guiana cobiçada pela Venezuela

Fantástico visita Essequibo, região da Guiana cobiçada pela Venezuela

O presidente guianês confirmou que irá à reunião. O governo venezuelano ainda não havia se manifestado sobre a reunião até a última atualização desta reportagem, mas, nesta manhã, Maduro disse ter debatido a realização de “uma reunião de alto nível nos próximos dias”.

Primeiro, Nicolás Maduro disse ser necessário “sentar e conversar” com a Guiana e com a ExxonMobil – petroleira que tem campos na região. Horas depois, o presidente da Guiana disse que não se opõe a dialogar.

As declarações ocorreram após Maduro falar por telefone com Lula. Na ligação, Lula pediu o diálogo entre os dois países sul-americanos e se disse preocupado, em uma intermediação que vinha sendo esperada ao longo da semana.

Na terça-feira (6), em entrevista exclusiva à GloboNews, o presidente guianês disse esperar do Brasil “um papel de liderança” no embate sobre Essequibo.

E, na Casa Civil, segundo uma fonte ouvida pelo g1, havia uma avaliação de que a diplomacia brasileira teria de adotar um papel mais ativo, abandonando a posição tradicional de não intervir em conflitos desse tipo.

A sinalização de diálogo de ambas as partes contrasta também com a postura de Maduro no dia anterior. Na sexta-feira (9), no passo mais concreto desde a aprovação do referendo pela anexação de Essequibo, ele assinou seis decretos para incorporar o território guianês e transformá-lo em um estado venezuelano.

Maduro também deve ir a Moscou nos próximos dias, segundo o governo russo, em uma visita que pode colocar novamente EUA e Rússia em lados opostos em um conflito entre países.

Os Estados Unidos já se posicionaram favoráveis à Guiana e, na quinta-feira (6), anunciaram que fariam sobrevoos militares sobre a região de Essequibo e o resto do país.

Região de Essequibo, em disputa pela Venezuela e Guiana, e a fronteira do Brasil no estado de Roraima — Foto: Arte g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

veto-de-milei-a-imprensa-na-posse-de-ministros-faz-soar-o-alarme-na-argentina

G1 Mundo

Veto de Milei à imprensa na posse de ministros faz soar o alarme na Argentina

Cerimônia privada, sem transmissão de TV, quebra tradição de 40 anos e preocupa profissionais e entidades que atuam na cobertura do governo Em primeiro decreto como presidente da Argentina, Milei corta ministérios pela metade Uma decisão política do presidente argentino chamou a atenção no domingo (10) e pode ser um indicativo do modus operandi do novo governo: a ausência da imprensa na tomada de posse dos nove ministros que integram […]

today11 de dezembro de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%