G1 Mundo

EUA afirmam que Israel pode ter violado lei internacional

today10 de maio de 2024 6

Fundo
share close

No entanto, como Israel usa muito as armas que os americanos fornecem, o documento afirma que é razoável concluir que essas armas foram empregadas em ataques que transgrediram as normas da lei humanitária.

Por outro lado, diz o documento, isso não representou uma violação de uma lei norte-americana que implicaria o bloqueio do fornecimento de armas a países que restringem a ajuda humanitária dos EUA.

Os americanos não puderam confirmar se de fato as armas fornecidas a Israel foram usadas em ataques que violaram esses padrões. Trata-se de uma conclusão pelo fato de as forças israelenses dependerem de armamento fornecido pelos EUA.



“Dada a dependência significativa de Israel de artigos de defesa dos EUA, é razoável avaliar que os artigos de defesa cobertos pelo NSM-20 foram usados por forças de segurança israelenses desde 7 de outubro em situações inconsistentes com suas obrigações de IHL (sigla em inglês para Leis Humanitárias Internacionais) ou com as melhores práticas estabelecidas para mitigar danos a civis”, afirmou o Departamento de Estado no relatório.

“Israel não compartilhou informações completas para verificar se artigos de defesa dos EUA cobertos pelo NSM-20 foram especificamente usados em ações alegadas como violações de IHL ou IHRL (Leis de Direitos Humanos Internacionais) em Gaza ou na Cisjordânia ou em Jerusalém Oriental durante o período do relatório”, afirmou.

Em fevereiro, o presidente Joe Biden ordenou ao Departamento de Estado dos EUA que elaborasse um documento sobre o assunto, o qual foi entregue ao Congresso.

O senador democrata Chris Van Hollen disse que o governo “se esquivou de todas as perguntas difíceis” e evitou analisar a fundo se a conduta de Israel significaria que o auxílio militar tem de ser cortado.

“Esse relatório é contraditório porque conclui que há motivos razoáveis para acreditar que houve violações de leis internacionais, mas, ao mesmo tempo, diz que não está constatando descumprimento”, disse a jornalistas.

Mais de 34 mil palestinos foram mortos no ataque de sete meses de Israel à Faixa de Gaza, segundo autoridades de Saúde do enclave, controlado pelo Hamas. A guerra começou quando militantes do Hamas atacaram Israel em 7 de outubro, matando 1.200 pessoas e sequestrando 252 outras, das quais acredita-se que 133 permaneçam em cativeiro em Gaza, segundo registros israelenses.

Essa questão gerou divisões no Departamento de Estado dos EUA, com pelo menos quatro áreas diferentes do órgão questionando a conduta de Israel e apresentando exemplos de violações da lei internacional.

Palestinos procuram vítimas sob os escombros de uma casa destruída em um ataque israelense em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em 6 de maio de 2024. — Foto: REUTERS/Mohammed Salem




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

governo-dos-eua-diz-que-esta-em-contato-com-autoridades-do-rio-grande-do-sul

G1 Mundo

Governo dos EUA diz que está em contato com autoridades do Rio Grande do Sul

O governo dos Estados Unidos está atento à tragédia que acontece no Rio Grande do Sul, onde houve enchentes histórias que deixaram mais de 100 mortos e tem contato com autoridades locais e organizações de ajuda humanitária que atuam nos pontos atingidos, disse nesta sexta-feira (10) John Kirby, o porta-voz do governo dos EUA para assuntos de segurança. A última atualização divulgada pela Defesa Civil informa que subiu para 126 […]

today10 de maio de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%