G1 Mundo

Ex-advogado de Trump, Rudolph Giuliani é condenado a pagar mais de US$ 148 milhões em indenização a duas ex-funcionárias eleitorais negras da Geórgia

today16 de dezembro de 2023 4

Fundo
share close

O júri concluiu que Giuliani deve pagar cerca de US$ 73 milhões (R$ 360 milhões) às trabalhadoras Wandrea “Shaye” Moss e sua mãe, Ruby Freeman, para compensá-las pelos danos emocionais e de reputação que sofreram, além de outros US$ 75 milhões (R$ 370 milhões) como punição por sua conduta.

O veredito foi alcançado após três dias de depoimentos, nos quais Moss e Freeman, que são mulheres negras, relataram um dilúvio de mensagens racistas e sexistas, incluindo ameaças de linchamento, que receberam depois que Trump e seus aliados espalharam falsas alegações de que elas estariam envolvidas em fraude eleitoral.

“Hoje é um bom dia. Um júri testemunhou o que Rudolph Giuliani fez a mim e à minha filha e o responsabilizou. Outros também deveriam ser responsabilizados”, disse Ruby aos repórteres fora do tribunal.



Rudolph Giuliani ajudou o ex-presidente republicano Donald Trump a avançar com as suas falsas alegações de que a eleição de 2020 teria sido roubada.

Antes do julgamento, um juiz federal determinou que Giuliani era responsável por difamação, imposição intencional de sofrimento emocional e conspiração civil.

A única questão perante o júri era qual o valor da indenização que seria imposta a Giuliani. O painel deliberou por mais de 10 horas antes de tomar uma decisão.

Giuliani anunciou que vai recorrer da decisão.

“O absurdo do número apenas sublinha o absurdo de todo o processo”, disse ele aos repórteres fora do tribunal.

“O Sr. Giuliani pensou que poderia fazer de Ruby e Shaye o rosto da fraude eleitoral porque as achava comuns e dispensáveis”, disse Michael Gottlieb, o advogado das mulheres, durante seu argumento final.

“Ele não tem o direito de oferecer funcionárias públicas indefesas a uma multidão virtual para anular uma eleição”, completou.

Joseph Sibley, advogado de Giuliani, reconheceu que o seu cliente causou danos, mas disse que a pena que as queixosas pediam — pelo menos US$ 48 milhões — seria “catastrófica” para o seu cliente. Ele disse ao júri que Giuliani era um “bom homem”, referindo-se ao seu papel como prefeito de Nova York após o ataque às Torres Gêmeas de 11 de setembro de 2001.

“Rudolph Giuliani não deveria ser definido pelo que aconteceu nos últimos tempos”, disse Sibley durante seu argumento final.

Giuliani fez repetidas alegações falsas de que um vídeo de vigilância mostrava Moss e Freeman escondendo e contando malas cheias de cédulas ilegais em uma arena de basquete em Atlanta usada para processar votos durante as eleições de 2020.

Segundo investigação estadual, as mulheres processaram as cédulas de maneira legal e adequada. Os advogados das duas mulheres alegaram que as acusações faziam parte de uma conspiração que envolveu Trump, a sua equipa jurídica e um meio de comunicação de direita para ajudar Trump a semear dúvidas sobre a eleição e reverter a sua derrota para o democrata Joe Biden.

Trump também destacou Freeman pelo nome em um telefonema altamente divulgado em janeiro de 2021, durante o qual pressionou o principal oficial eleitoral da Geórgia, Brad Raffensperger, a “encontrar” votos para reverter sua derrota por pouco no estado.

O ex-prefeito, que havia dito que testemunharia durante o julgamento, acabou optando por não prestar depoimento. Após o julgamento, ele disse que seus comentários “não tinham nenhuma ligação” com as ameaças que as duas mulheres receberam.

Giuliani enfrentou uma série de problemas civis e criminais – e crescentes honorários advocatícios – desde que ajudou a liderar os esforços de Trump para anular a eleição.

Giuliani foi acusado criminalmente no caso de extorsão na Geórgia contra Trump e vários de seus aliados, em parte por atacar Moss e Freeman. Ele se declarou inocente.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

medico-preso-suspeito-de-causar-a-morte-de-42-pacientes-atuou-em-guaruja-e-pariquera-acu

G1 Santos

Médico preso suspeito de causar a morte de 42 pacientes atuou em Guarujá e Pariquera-Açú

O médico não estava impedido de atuar e tinha registro ativo nos conselhos de medicina. O sistema do DataSUS, órgão de informações do Sistema Único de Saúde do Brasil, inclusive, apontou vínculos dele com cidades do Rio Grande do Sul e São Paulo, como em Guarujá e Pariquera-Açu. Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Guarujá (SP) informou que o médico prestou 13 plantões no Pronto-socorro da Santa Cruz […]

today16 de dezembro de 2023 24

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%