G1 Santos

Ex de Chorão diz que músico de banda não tem direito à marca Charlie Brown Jr: ‘recebeu um dinheirão’; entenda

today3 de março de 2024 7

Fundo
share close

Marcão e Thiago compartilharam uma mesma sequência de posts no Instagram com a legenda: “Usar documento falso em processo judicial é crime!”. A publicação foi feita na última sexta-feira (1). Confira abaixo o conteúdo:

“O Alexandre, filho do Chorão, fez uso de um documento falso dentro do nosso processo judicial e em pedidos de registro da marca Charlie Brown Jr. no INPI [Instituto Nacional da Propriedade Industrial]. Ele usou um documento de autorização para utilização de marca com assinaturas falsificadas da presidente e da vice-presidente da Peanuts, de Nova Iorque, dona da marca Charlie Brown (Snoopy)”.

A mãe de Alexandre, Thais Lima, saiu em defesa do filho e comentou na publicação feita por Marcão Britto. “Ei, Marcão, que feio! Você esquece dizer que recebeu um ‘dinheirão’ do Chorão para vender a marca para ele? Dinheirão. Aliás, foi justamente por isso que você perdeu ação (em primeira e segunda instância)”.



Ainda no comentário, Thais questionou qual a ligação Marcão tem com skate. “Fica utilizando logo desenvolvido pelo Chorão com skate. Quantas músicas de sucesso você fez depois que o Chorão morreu? Agora fica atiçando as mídias sociais com verdades enviesadas [do avesso] para tentar jogar os fãs contra o Alexandre. Onde você quer chegar com isso? Qual intuito?”.

Thais Lima, mãe de Alexandre, faz comentários em publicação do Marcão Britto em defesa ao filho — Foto: Reprodução/Redes Sociais

O g1 entrou em contato com a assessoria do Marcão Britto e Thiago Castanho, que informou que, assim que possível, se posicionará sobre o assunto.

A equipe de reportagem também procurou Thais Lima e a defesa de Alexandre Lima Abrão, mas não obteve retorno até a última atualização do texto.

Disputa judicial entre viúva e filho de Chorão

Viúva de Chorão processa filho do cantor por fechar acordos da banda Charlie Brown Jr. sem repassar lucros — Foto: Reprodução/Redes Sociais e João Sal/Folhapress

Graziela Gonçalves, viúva de Chorão, e Alexandre Lima Abrão, filho do cantor, entraram em uma disputa judicial pela marca ‘Charlie Brown Jr.’ Ela alega que Alexandre ignorou os direitos dela como herdeira ao registrar sozinho a marca da banda no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). À Justiça, ele disse que ela agiu de “má fé”.

Ela também entrou na Justiça contra Alexandre para que ele preste contas dos negócios que envolvem a banda ‘Charlie Brown Jr’. Chorão e Graziela foram casados por quase 20 anos e, a partir disso, a Justiça determinou, durante o acordo pelo inventário dele, que ela tivesse 45% dos direitos de imagens e produtos, incluindo marcas, referentes ao cantor e à banda. Alexandre Lima Abrão, por sua vez, tem 55% desses direitos.

Conforme apurado pela equipe de reportagem, junto aos advogados de Graziela, Maurício Guimarães Cury e Rafael Barros Almeida, do escritório Cury e Moure Simão Advogados, a mulher ainda não recebeu as receitas dos contratos firmados por Alexandre com diversas empresas.

“Pelo que já tivemos conhecimento, dezenas de contratos foram realizados pelo Sr. Alexandre com diversas empresas sem que a Sra. Graziela recebesse qualquer quantia”, explicou Maurício Guimarães Cury.

O cantor Alexandre Magno Abrão, o Chorão, da banda Charlie Brown Jr, foi encontrado morto em um apartamento na Zona Oeste de São Paulo, no dia 6 de março de 2013. Ele tinha 42 anos.

Chorão — Foto: Divulgação




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

seis-das-39-mortes-da-operacao-verao-aconteceram-sem-troca-de-tiros-com-policiais;-entenda

G1 Santos

Seis das 39 mortes da Operação Verão aconteceram sem troca de tiros com policiais; entenda

O levantamento feito pela equipe de reportagem mostra que os mortos que não trocaram tiros com a polícia representam 15,3% das mortes durante a ação. Os dados constam em boletins de ocorrências e notas enviadas ao g1. A SSP-SP afirmou que as mortes aconteceram após confrontos com agentes. Nos BOs e nas notas há registros de que esses seis suspeitos apontaram armas ou ofereceram riscos para os policiais. A SSP-SP […]

today3 de março de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%