G1 Mundo

Faixa de Gaza em mapas: como é a vida no território palestino

today15 de outubro de 2023 17

Fundo
share close

A área, equivalente a um quarto da cidade de São Paulo, é limitada pelo Mar Mediterrâneo, por Israel e pelo Egito.

Originalmente ocupada pelo Egito, Gaza foi capturada por Israel durante a guerra de 1967 no Oriente Médio. Israel retirou as suas tropas e cerca de 7.000 colonos do local em 2005.

A área de Gaza equivale a um quarto da cidade de São Paulo — Foto: BBC



A área está sob o controle do grupo Hamas, que expulsou as forças leais à Autoridade Palestiniana (AP), que governava a região anteriormente, após uma violenta ruptura em 2007.

Desde então, Israel e Egito restringiram a circulação de mercadorias e pessoas dentro e fora de Gaza, alegando que o seu bloqueio é necessário por razões de segurança.

O Hamas – designado como grupo terrorista pelos Estados Unidos, União Europeia e Reino Unido, bem como outras potências – travou várias guerras com Israel desde que assumiu o poder em Gaza.

Também disparou, ou permitiu que outros grupos extremistas disparassem, milhares de foguetes contra Israel e realizou outros ataques violentos.

O que motivou a violência atual?

No dia 7 de outubro, centenas de membros do Hamas lançaram um ataque sem precedentes ao sul de Israel, matando pelo menos 1.300 pessoas e levando dezenas de reféns de volta para Gaza.

Em resposta, Israel realizou ondas de ataques aéreos e de artilharia contra Gaza, nos quais mais de 2.215 palestinos foram mortos.

Neste sábado (14/10), o país se preparava para atacar Gaza por terra, ar e mar, segundo um comunicado divulgado pelas Forças Armadas.

“As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) estão se preparando para uma ofensiva abrangente” com a ajuda de centenas de milhares de militares da reserva, diz a nota.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, prometeu derrotar o Hamas na guerra e “mudar o Oriente Médio”.

Como parte da sua resposta ao ataque do Hamas, o ministro da defesa de Israel ordenou um “cerco completo” a Gaza em 9 de outubro, dizendo: “Não haverá eletricidade, nem alimentos, nem combustível, está tudo fechado”.

Mais tarde, o ministro da Infraestrutura de Israel também cortou o abastecimento de água à Faixa.

A medida agravou imediatamente a terrível situação humanitária em Gaza, onde 80% da população já necessitava de ajuda internacional.

A única central elétrica de Gaza parou de funcionar depois de ficar sem combustível no dia 11 de outubro, deixando os hospitais sobrecarregados com feridos que dependiam de geradores.

É ainda esperado que alguns hospitais com estoques limitados fiquem sem combustível dentro de alguns dias.

Mais de 600 mil pessoas também ficaram sem água potável devido à decisão israelense de cortar o abastecimento de água. As bombas de água locais e os sistemas de esgoto também precisarão de combustível para funcionar.

O fechamento da passagem de mercadorias de Kerem Shalom por Israel significa que as reservas de alimentos estão se esgotando: um terço dos mercados em Gaza reporta escassez de produtos.

A ONU diz que a maioria das lojas tem comida suficiente para cerca de duas semanas.

Pelo menos 200 mil pessoas foram deslocadas, depois de fugirem por temerem por suas vidas ou porque as suas casas foram destruídas em ataques aéreos. A maioria está abrigada em escolas da ONU.

Gaza mergulhou na escuridão depois que a sua única central elétrica ficou sem combustível — Foto: REUTERS

Mesmo antes do atual conflito, os cortes de energia eram uma ocorrência diária em Gaza. A maioria das famílias recebia eletricidade apenas 13 horas por dia, em média, de acordo com a ONU.

A região comprava quase dois terços da sua energia de Israel, sendo o restante gerado pela Central Elétrica de Gaza (GPP). Mas a oferta combinada atende menos da metade da demanda.

Para enfrentar os apagões, os prestadores de serviços e as famílias recorrem a geradores de reserva. Mas esses aparelhos nem sempre são confiáveis devido à sua dependência de combustível e falta de peças, que estão sujeitas a restrições de importação porque Israel considera que elas também podem ser utilizadas para fins militares.

Energia elétrica em Gaza — Foto: BBC

Fechamentos de fronteiras

Os civis têm pouca esperança de conseguirem sair de Gaza para escapar do conflito.

Israel fechou indefinidamente a passagem de Erez, no norte da Faixa de Gaza, enquanto a passagem de fronteira de Rafah, controlada pelo Egito, no sul, foi fechada nos dias 9 e 10 de outubro devido a ataques aéreos israelenses perto do lado palestiniano.

Egito e Israel alcançaram neste sábado (14/10) um acordo para abrir a fronteira de Rafah temporariamente. O pacto cria um corredor que permitirá a saída de estrangeiros que estão na Faixa de Gaza.

Israel só emite autorizações de saída para diaristas, empresários, pacientes médicos e trabalhadores humanitários de Gaza — Foto: REUTERS

Antes da escalada de violência, os palestinos eram proibidos de deixar Gaza via Israel, a menos que obtivessem uma autorização de saída emitida pelo governo israelense.

As licenças eram limitadas a diaristas, empresários, pacientes médicos e seus acompanhantes e trabalhadores humanitários.

Em agosto, 58.600 pessoas foram autorizadas a viajar por Erez, um número 65% acima da média mensal de 2022, segundo a ONU.

Os palestinianos que quisessem partir via Rafah, entretanto, tinham que pedir permissão às autoridades palestinas e ao Egito, que impõe limites ao número de pessoas que podem passar por dia, além de severos controles de segurança.

O Egito permitiu que 19.600 pessoas saíssem de Gaza através de Rafah em agosto, o número mais elevado desde julho de 2012.

Superlotação e casas danificadas

Gaza tem uma das densidades populacionais mais altas do mundo.

Em média, existem mais de 5.700 pessoas por quilômetro quadrado, mas esse número sobe para mais de 9.000 na Cidade de Gaza.

Pouco mais de 75% da população de Gaza – cerca de 1,7 milhões de pessoas – são refugiados registados, segundo a ONU. Mais de 500 mil deles vivem em oito acampamentos lotados.

Os conflitos entre militantes palestinos em Gaza e Israel, e o ritmo lento da reconstrução, deixaram muitas pessoas sem moradia adequada.

A ONU disse em janeiro que das 13 mil casas destruídas desde 2014, cerca de 2.200 ainda não tinham recebido financiamento para reconstrução.

Outras 72 mil casas parcialmente danificadas não receberam qualquer assistência para reparação.

A reconstrução tem sido dificultada pelo acesso limitado a material de construção e equipamento especializado devido às restrições israelenses a itens que podem ser usados para fins militares.

Autoridades palestinas dizem que os atuais ataques aéreos israelenses destruíram 1.000 casas e que 500 foram danificadas tão severamente que se tornaram inabitáveis.

Serviço de saúde sob pressão

As instalações de saúde pública de Gaza estão sobrecarregadas e são frequentemente afetadas por cortes de energia e escassez de suprimentos e equipamentos médicos.

Muitos serviços e tratamentos especializados não estão disponíveis.

Serviço de saúde sob pressão — Foto: BBC

A ONU afirma que o bloqueio de Israel e do Egito, a redução dos investimentos em saúde pela Autoridade Palestina (AP), sediada na Cisjordânia, e o conflito político interno entre a AP – que é responsável pelos cuidados de saúde nos territórios palestinos – e o Hamas são responsáveis pela atual situação.

Os pacientes de Gaza que necessitam de cuidados avançados devem primeiro obter a aprovação da AP e depois os passes vizinhos para serem transportados para hospitais fora do enclave.

De 2008 a 2022, mais de 70.000 ou um terço dos pedidos de autorização para transporte de pacientes foram adiados ou negados. Alguns pacientes também morreram enquanto aguardavam uma resposta.

Agricultura e pesca limitadas

A ONU afirma que cerca de 1,3 milhões de pessoas sofrem de insegurança alimentar e necessitam de assistência alimentar em Gaza, onde a população depende de importações para suprir as suas necessidades.

Cerca de 22% dos 12 mil caminhões que Israel e o Egito permitiram passar pelas travessias de Kerem Shalom e Rafah em agosto de 2023 estavam carregados de alimentos para doação, segundo a ONU.

As restrições israelenses ao acesso a terras agrícolas e à pesca também reduzem a quantidade de alimentos que os próprios habitantes de Gaza podem produzir.

Áreas localizadas a até 100 metros da cerca de 60 km de comprimento que separa Gaza do território israelense são consideradas “proibidas”. Os agricultores não podem cultivar nada ali, mesmo que sejam proprietários do terreno.

Pessoas que não são registradas como agricultores devem ficar a pelo menos 300 metros da cerca.

Palestinos caminham ao lado de edifícios destruídos após os ataques israelenses, em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza — Foto: REUTERS

Israel também impõe um limite de navegação no Mar Mediterrâneo, o que significa que os habitantes de Gaza só podem pescar a uma certa distância da costa – atualmente entre 6 e 15 milhas náuticas (11-28 km).

A restrição prejudica os meios de subsistência de cerca de 5 mil pescadores e trabalhadores.

Após o início do último conflito, Israel fechou proibiu qualquer atividade de pesca.

Para tentar contornar o bloqueio, o Hamas construiu uma rede de túneis que utiliza para trazer mercadorias do Egito para a Faixa e também como centro de comando subterrâneo.

Israel diz que os túneis também são usados por membros do grupo para contrabandear armas e se movimentar. Eles são frequentemente atacados com mísseis.

A escassez de água é rotina


Cerca de 95% da população de Gaza não tem água potável disponível.

Devido à extração excessiva do aquífero costeiro e à infiltração pela água do mar e esgotos, a água da torneira é salgada, poluída e imprópria para beber.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma pessoa precisa de no mínimo 100 litros por dia – para beber, lavar, cozinhar e tomar banho.

Em Gaza, o consumo médio é de cerca de 84 litros por pessoa. Desses, apenas 27 litros são considerados adequados para uso humano.

A ONU alertou em 10 de outubro que a decisão de Israel de cortar o fornecimento de água, eletricidade e combustível resultaria em uma grave escassez de água potável.

O órgão afirmou que as autoridades locais estão pedindo aos moradores que economizem água para manter os serviços essenciais.

Além disso, as estações de tratamento de águas residuais pararam de funcionar por falta de combustível, fazendo com que dezenas de milhões de galões de esgoto bruto sejam jogados diariamente no mar.

Escolas usadas como abrigos

Muitas crianças frequentam escolas geridas pela ONU e muitas delas funcionam atualmente como locais de abrigo para dezenas de milhares de pessoas que fogem do conflito.

De acordo com a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina da ONU, 71% das suas 278 escolas em Gaza funcionam em um sistema de “turnos duplos”, com turmas de manhã e à tarde.

Escolas e abrigos — Foto: BBC

O tamanho médio das turmas era de cerca de 41 alunos em 2022.

A taxa de alfabetização das pessoas entre 15 e 19 anos era de 98% em 2021.

Gaza tem uma das populações mais jovens do mundo, com quase 60% dos moradores com menos de 25 anos, segundo o Gabinete Central de Estatísticas Palestino.

Mais de 80% da população vive na pobreza em Gaza, onde os níveis de desemprego estão entre os mais elevados do mundo, atingindo 45% em 2022.

O desemprego entre os mais jovens é ainda maior, com 73,9% das pessoas entre 19 e 29 anos que possuem diplomas de Ensino Médio ou universitário sem trabalho.

O que é a Faixa de Gaza?

O que é a Faixa de Gaza?




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

prada-vai-desenhar-trajes-espaciais-de-missao-lunar-da-nasa

G1 Mundo

Prada vai desenhar trajes espaciais de missão lunar da Nasa

Artemis III, prevista para 2025, vai ter a primeira tripulação a descer na Lua desde 1972. Marca italiana virou parceira da Axiom Space, empresa que fabricará as proteções dos astronautas. O engenheiro-chefe da Axiom Space, Jim Stein, à direita, cumprimenta crianças durante uma demonstração de março dos trajes que serão usados por astronautas na Lua. — Foto: P Photo/David J. Phillip A Prada anunciou, no último dia 4, uma parceria […]

today15 de outubro de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%